Una Agresión Permanente: El Golpe Suave en América Latina (Parte 2)

18 out

Por Eva Golinger

CASO VENEZUELA: GOLPE SUAVE

Fue en el año 2003 que el Instituto Albert Einstein tocó terreno en Venezuela por primera vez. Un viaje realizado por el Coronel Robert Helvey y otro funcionario del instituto, Chris Miller, tomó lugar en abril 2003 durante 9 días en Venezuela. El objetivo de la consulta fue suministrar a miembros de la oposición venezolana la capacidad de desarrollar una estrategia basada en las técnicas de golpe suave para “restaurar la democracia” en Venezuela.1 Según el informe anual del Instituto Albert Einstein en 2004 2, los participantes en el taller incluían miembros de partidos políticos y sindicatos, líderes de ONGs y otros activistas y fue patrocinado por la organización Ofensiva Ciudadana. Algunos participantes, como el opositor Robert Alonso, han admitido que de las enseñazas del taller y la asesoría del Coronel Helvey y Gene Sharp, nacieron las “guarimbas” – las acciones violentas de calle que en principio tenían como objetivo la interrupción del referéndum revocatorio en 2004 y la creación de un alto nivel de caos y desestabilización en el país.
 
Luego, volvió el contacto entre la oposición venezolana y el AEI en marzo de 2005, cuando en la sede del instituto en Boston realizaron un taller de estrategia para estudiantes y jóvenes venezolanos. Esto fue el momento cuando comenzaron su trabajo con los jóvenes venezolanos. Trajeron dos de los dirigentes de OTPOR desde Serbia, Slobodan Dinovic y Ivan Marovic para enseñar a los estudiantes venezolanos como debilitar y desorganizar al poder y como construir y manejar su movimiento.3 Al mismo tiempo, el financiamiento de la USAID, el IRI, el NDI y la NED estaba aumentando en el país. Por cierto, en 2004, la fundación estadounidense conocida por sus vínculos con la CIA, Freedom House, llegó a Venezuela, financiada por la USAID, para apoyar a los medios privados con la preparación de operaciones psicológicas.4 
 
En 2006, el movimiento estudiantil entrenado por Gene Sharp, el Coronel Helvey y los jóvenes expertos de OTPOR, se estrenó con el Plan V durante el proceso de las elecciones presidenciales en diciembre 2006. Pero no tenían suficiente presencia en la calle y aún no habían perfeccionado las técnicas del golpe suave. Además, la situación electoral no les favorecía, pués la ventaje del Presidente Chávez sobre el candidato de oposición Manuel Rosales era demasiado para poder declarar fraude con legitimidad. No fue sino hasta abril 2007, con la excusa de la no renovación del canal de televisión RCTV, que los jóvenes entrenados por el AEI y OTPOR lograron ejecutar la primera fase de su plan. Nació el movimiento estudiantil “manos blancas” con el joven dirigente Yon Goicochea (uno de los seleccionados estudiosos de las técnias de Sharp) y dio su cara al país.5
 
Pero poco después, con Goicoechea ya pasando de ser estudiante a convertirse en un dirigente político de Primero Justicia6, las agencias estadounidenses vieron la necesidad de entrenar nuevas caras, y fueron seleccionados y enviados cuatro estudiantes venezolanos a Belgrado en octubre 2007 para recibir un entrenamiento intensivo con los expertos de OTPOR. Al regreso a Venezuela, su trabajo consistía en mobilizar el movimiento opositor contra la reforma constitucional que proponía el Presidente Hugo Chávez.
 
Mientras los estudiantes entrenados por las agencias de Washington ensayaban sus técnicas de golpe suave, creando caos en las calles, disturbios constantes y intentando provocar represión del estado, Freedom House, la NED, IRI, NDI y la USAID seguían aumentando el financiamiento a las principales ONG y partidos políticos de la oposición, como Súmate, Ciudadanía Activa, Sinergia, CEDICE, Liderazgo y Visión, Radar de los Barrios, Acción Campesina, CESAP, Consorcio Justicia, Primero Justicia, Un Nuevo Tiempo, AD, COPEI, y hasta financiaban y dirigían programas de formación de líderes estudiantiles en universidades como la Universidad Metropolitana, la Universidad Católica Simón Bolívar y otras por todo el país.7 
 
Su duro trabajo tuvo éxito en 2007 con la derrota, aunque por poco, de la reforma constitucional.8 Como era de esperar, muchos de los líderes estudiantiles, confesos apolíticos en su momento, se incorporaron en partidos políticos para asegurar futuros cargos, como Yon Goicochea en la directiva de Primero Justicia, o se luego fueron electos en cargos locales, como Stalin Gonzalez y Freddy Guevara, entre otros.
 
Cuando el Presidente Chávez falleció en marzo de 2013 después de una brutal batalla contra el cáncer, la oposición vio una nueva oportunidad de retomar al poder. Elecciones presidenciales fueron celebradas el 14 de abril de 2013 en un ambiente extremádamente tenso y volátil. Nicolás Maduro, el sucesor escogido por Chávez, se postuló contra Henrique Capriles, quien meses anteriores en octubre de 2012 había perdido la elección presidencial contra Chávez por 11 puntos.9 Esta vez, sin embargo, los resultados fueron mucho más estrechos con Maduro ganando por un margen de poco menos de 2 puntos.10 Capriles se negó a aceptar los resultados y llamó a sus partidarios a salir a las calles para protestar y “desgastar toda su rabia”. Durante los dos días después de las elecciones, 11 seguidores del gobierno fueron asesinados por los seguidores de Capriles.11 Fue un baño de sangre que no recibió atención en los medios internacionales; las víctimas no eran suficientemente importantes para alimentar sus matrices de opinión contra el gobierno.
 
Mientras 2013 avanzaba, la crisis económica en el país se intensificaba y la vieja estrategia de acaparamiento de productos para provocar escasez y pánico entre la población había regresado. Productos de consumo básico desaparecieron de los mercados – papel higiénico, aceite para cocinar, leche en polvo, harina de maíz – cosas necesarias para la vida cotidiana en Venezuela.12 La inflación empezó a subir y la especulación y aumento de precios habían disparado. Aunque una parte de esta situación estaba relacionada con el control cambiario de divisas para evitar la fuga de capital, mucho tuvo que ver con el sabotaje. Una guerra económica total estaba en marcha contra el gobierno del Presidente Maduro.13 
 
Los problemas persistieron durante todo el año 2013 y el descontento creció. Cuando de nuevo hubo elecciones en Diciembre para las alcaldías, el Partido Socialista Unido de Venezuela (PSUV) que lideraba Maduro, tuvo una victoria contundente. 242 de 317 alcaldías fueron ganadas por el PSUV, mostrando que una sólida mayoría del país todavía apoyaba al gobierno.14 
 
Maduro llamó a los gobernadores y alcaldes de oposición recién electos a una reunión en el palacio presidencial a finales de diciembre en un intento de diálogo y para crear un espacio de trabajo juntos para mejorar la situación del país. La reunión fue generosamente recibida por la mayoría de los venezolanos.15 Sin embargo, extremistas como los opositores María Corina Machado y Leopoldo López vieron a la reunión como una amenaza a su objetivo de derrocar a Maduro antes de que terminara su mandato en 2019. Empezaron a llamar a protestas en la calle y otras acciones contra el gobierno.
 
En enero 2014, cuando los venezolanos volvieron de sus vacaciones navideñas, las dificultades económicas continuaban. Maduro comenzaba a tomar medidas enérgicas contra empresas que violaban las leyes recién promulgadas para el control de precios y en contra de la especulación. Hacia finales de enero, anunciaron nuevas medidas para el acceso a divisas que muchos percibían como una devaluación de la moneda nacional, el bolívar. Los opositores usaron el momento para demandar la renuncia de Maduro. Para febrero, pequeños focos de protestas surgieron en diferentes partes del país, principalmente en los sectores de clase media y alta.
 
Durante la celebración del Día Nacional de la Juventud, el 12 de febrero, mientras miles de personas marcharon pacíficamente para conmemorar los logros históricos de la juventud en la independencia de la nación, otro grupo impulsó una agenda diferente. La juventud opositora, los “estudiantes”, encabezaron una marcha agresiva pidiendo la renuncia de Maduro que terminó en un violento enfrentamiento con las autoridades después de que los manifestantes destruyeron fachadas de edificios, incluyendo la oficina del Fiscal General, y lanzaron objetos contra la policía y la guardia nacional y utilizaron bombas molotov para quemar bienes y bloquear tránsito. Los enfrentamientos causaron tres muertos y varios heridos.16 
 
El líder de la protesta violenta, Leopoldo López, pasó a la clandestinidad después de la confrontación cuando fue emitido una orden de arresto contra él debido a su rol en los eventos mortales y sus llamados públicos para derrocar al presidente. Días más tarde, después de un show que incluyó la transmisión de videos “desde la clandestinad”,17 López convocó a otra marcha y aprovechó el evento para entregarse a las autoridades. Fue detenido para ser interrogado y enjuiciado, todos sus derechos garantizados por el Estado.18 
 
Las violentas protestas continuaron durante el primer semestre del año, causando varias muertes adicionales, decenas de heridos y la destrucción de la propiedad pública.19 
 
Medios internacionales presentaron a los manifestantes opositores en Venezuela como víctimas de una represión estatal. Incluso algunas celebridades, como Cher20 y Paris Hilton21 fueron arrastrados en una falsa histeria, pidiendo la libertad de los venezolanos de una “dictadura brutal”. Si bien no hay duda de que un número significativo de manifestantes en las marchas más grandes que ha hecho la oposición ha protestado pacíficamente sus preocupaciones legítimas, la fuerza impulsora detrás de esas protestas era un plan violento para derrocar a un gobierno democrático. López, quien había declarado públicamente su orgullo por su papel en el golpe de abril de 2002 contra Hugo Chávez22, seguía pidiendo a sus seguidores de mantenerse en la calle contra la “dictadura” venezolana.
 
Mientras decenas de gobiernos y organizaciones internacionales, entre ellas la Unasur y Mercosur han expresado su claro apoyo y solidaridad con el gobierno venezolano y al Presidente Maduro23, Washington se apresuró a respaldar a los manifestantes de la oposición y a exigir la liberación de todos los detenidos durante las manifestaciones. Hasta el gobierno de Obama amenazó al Presidente Maduro con consecuencias internacionales si Leopoldo López fuera detenido.24 A raíz de la primera ola de violentas protestas, Maduro expulsó a tres diplomáticos estadounidenses de la Embajada de Estados Unidos en Caracas, acusándolos de reclutar estudiantes en Venezuela para participar en la desestabilización.25 
 
Siguiendo el plan del golpe suave, el Congreso de Estados Unidos solicitó sanciones contra Venezuela para castigar al Presidente Maduro y su gobierno e intentar aislarlo a nivel internacional.26 También aprobó un fondo adicional de 15 millones de dólares para los grupos opositores en Venezuela. El Presupuesto Nacional de Estados Unidos del 2014 ya incluía 5 millones de dólares para los grupos de oposición en Venezuela.27 Como un cable del Departamento de Estado de la Embajada de Estados Unidos en Caracas, publicado por Wikileaks, explicaba en marzo 2009, “Sin nuestra asistencia continua, es posible que las organizaciones que ayudamos a crear … podrían ser forzadas a cerrar … Nuestro financiamiento a esas organizaciones es una línea de vida muy necesaria”.28 
 
EL GOLPE CONTINUA
 
Con la elección de Barack Obama como presidente de Estados Unidos en 2008, millones alrededor del mundo respiraron con tranquilidad, cayendo bajo la tramposa y seductiva campaña mediática que lo presentaba como un hombre de “cambio”. Pero para América Latina, esa imagen de un Obama sonriente, tendiendo su mano a todos, cambió rápidamente a un hombre que simplemente seguía impulsando las políticas imperiales contra los pueblos del mundo.
 
El golpe de Estado en Honduras en junio 2009, fue la primera señal. Aunque muchos se resistían en aceptarlo, Washington estaba detrás de la salida forzada de Manuel Zelaya del poder. Las mismas agencias financieras – USAID, NED – el Pentágono con su estratégica base militar en Soto Cano, y los mismos actores del Departamento de Estado y la CIA, movieron sus piezas para ejecutar un cambio de régimen contra un gobierno inconveniente e incomodo para los intereses imperiales. La aplicación de la política “smart power” (poder inteligente) de Obama y su entonces Secretaria de Estado, Hillary Clinton, engaño a muchos y logró su objetivo: ganar suficiente tiempo para consolidar el golpe y no permitir el regreso de Zelaya al poder.29 
 
En octubre 2009, el Obama sonriente autorizó la firma con Colombia de un acuerdo militar que permitía la expansión militarista de Estados Unidos en América Latina más grande de toda la historia. Uno de los documentos oficiales de la Fuerza Aérea de Estados Unidos, explicaba que el uso de la base militar en Palanquero era para “combatir las constantes amenazas de los gobiernos anti-estadounidenses en la región”.30
 
Frente al nacimiento de una época de independencia, unión y soberanía en América Latina, con la creación de nuevas organizaciones regionales como la Unión de Naciones Suramericanas (UNASUR), la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC) y la Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América (ALBA), Washington sigue intentando recuperar su poder, influencia y dominación en la región. No acepta la pérdida de control sobre su “patio trasero”.
 
El financiamiento multimillonario a las ONG y grupos políticos que promueven la desestabilización y los golpes suaves contra gobiernos progresistas en la region y la brutal campaña mediática que intenta proyectar a estos países como dictaduras, ha dado lugar a una reconstitución de la derecha latinoamericana que busca retomar el poder en las zonas estratégicas. La historia indica que quienes están detrás de ésta agresión permanente no descansarán hasta lograr su objetivo.


1 Supra, note 31.
2 http://www.aeinstein.org/wp-content/uploads/2014/04/2000-04rpt.pdf
“AEI and Venezuela: Einstein Turns in His Grave”, por George Ciccariello-Maher. http://www.counterpunch.org/2008/04/16/einstein-turns-in-his-grave/
4 “Freedom House in Venezuela”, por Jeremy Bigwood. http://www.questia.com/magazine/1P3-2867784971/freedom-house-in-venezuela
5 “Usaid detrás de los ‘Manos Blancas’”, por Eva Golinger. http://www.aporrea.org/ddhh/a94988.html
6 “Yon Goicoechea se une a las filas de Primero Justicia”. http://www.primerojusticia.org.ve/cms/index.php?option=com_flexicontent&view=item&cid=149:noticias&id=369:yon-goicoechea-se-une-a-las-filas-de-primero-justicia&Itemid=468
7 En documentos del Departamento de Estado de Estados Unidos, USAID y NED obtenidos por la autora bajo la Ley de Acceso a la Información en Estados Unidos.
8 “Wikileaks: Planeaban derrocar a Chávez con movimientos estudiantiles desde 2007”. http://elespiadigital.com/index.php/noticias/geoestrategia/4640-wikileaks-planeaban-derrocar-a-chavez-con-movimientos-estudiantiles-desde-2007
9 “Chávez logra un cuarto mandato como presidente para estar 20 años en el poder”, El País. http://internacional.elpais.com/internacional/2012/10/07/actualidad/1349633710_923402.html
10 “Maduro ganó ajustadamente y Capriles no reconoció el resultado”, Télam. http://www.telam.com.ar/notas/201304/13986-comenzaron-en-venezuela-los-comicios-para-elegir-al-sucesor-de-chavez.html
11 “15-A-2013: Del desconocimiento de los resultados electorales a la violencia fascista en Venezuela”. Defensoría del Pueblo, Venezuela. http://www.radiomundial.com.ve/sites/default/files/images/Documento%2015%20de%20abril%20de%202013.pdf
12 “En Venezuela escasean hasta el jabón y el papel higiénico”, El Tiempo. http://www.eltiempo.com/archivo/documento/CMS-12710453
13 “Claves para entender la ‘guerra económica’ en Venezuela”. Venezolana de Televisión. http://www.vtv.gob.ve/articulos/2014/01/16/claves-para-entender-la-guerra-economica-en-venezuela-video-9684.html
14 Consejo Nacional Electoral de Venezuela. http://www.cne.gob.ve/web/estadisticas/index_resultados_elecciones.php
15 “Maduro convoca reunión con alcaldes y gobernadores de la oposición”, CNN en Español. http://cnnespanol.cnn.com/2013/12/16/expectativa-por-reunion-de-maduro-con-alcaldes-y-gobernadores-de-la-oposicion/
16 “Tensión en Venezuela en medio de ola de protestas”, CNN en Español. http://cnnespanol.cnn.com/2014/02/12/tension-en-venezuela-en-medio-de-marcha-nacional-y-ola-de-protestas/.
17 “Apareció Leopoldo López desde la clandestinidad y llamó a marchar el martes”, El Observador. http://www.elobservador.com.uy/noticia/271877/aparecio-leopoldo-lopez-desde-la-clandestinidad-y-llamo-a-marchar-el-martes/
18 “El opositor Leopoldo López se entrega a la Guardia Nacional venezolana en una plaza caraqueña”, El Mundo. http://www.elmundo.es/internacional/2014/02/18/530399ab268e3e73528b4580.html
19 “Conozca los 41 fallecidos por la protestas violentas opositoras en Venezuela”, Alba Ciudad. http://albaciudad.org/wp/index.php/2014/04/conozca-los-26-fallecidos-a-un-mes-del-inicio-de-las-protestas-opositoras-la-gran-mayoria-son-victimas-de-las-barricadas/
20 “Cher asegura estar ‘extremadamente triste’ por Leopoldo Lopez”, El Universal. http://www.eluniversal.com/arte-y-entretenimiento/140219/cher-asegura-estar-extremadamente-triste-por-leopoldo-lopez
21 “Paris Hilton está ‘rezando por la paz en Venezuela’”, Ultimas Noticias. http://www.ultimasnoticias.com.ve/noticias/chevere/espectaculos/paris-hilton-esta-rezando-por-la-paz-de-venezuela.aspx
22 “Leopoldo López orgullos del golpe de Estado de 2002”, YVKE Mundial. http://www.radiomundial.com.ve/article/leopoldo-lópez-orgulloso-del-golpe-de-estado-de-2002-video
23 “UNASUR y MERCOSUR apoyan al gobierno de Venezuela”, Voz del Pueblo Latinoamericano. http://vozpueblocom.wordpress.com/2014/02/17/unasur-y-mercosur-apoyan-al-gobierno-de-venezuela/
24 “Maduro asegura que desde EEUU demandan no arrestar a Leopoldo López”, El Universal. http://www.eluniversal.com/nacional-y-politica/140216/maduro-asegura-que-desde-eeuu-demandan-no-arrestar-a-leopoldo-lopez
25 “Maduro expulsa de Venezuela a tres diplomáticos de EEUU”, CNN en Español. http://cnnespanol.cnn.com/2014/02/16/venezuela-expulsa-a-tres-diplomaticos-de-estados-unidos-en-caracas/
26 “Sanciones contra Venezuela por EEUU”, El Espectador. http://www.elespectador.com/noticias/economia/sanciones-contra-venezuela-un-dilema-eeuu-ano-electoral-articulo-495749
27 FY 2014 Foreign Operations Budget, US Department of State. http://www.state.gov/f/releases/iab/fy2014cbj/
28 “Venezuela: Embajada de EEUU entregó 10 millones de dólares en 2009 a la oposición venezolana”, Telesur. http://prensaislamica.com/?p=3395
29 “Honduras: el primer golpe de Estado del gobierno de Obama”, Internationalist. http://www.internationalist.org/hondurasgolpeobama0908.html
30 “Documento oficial de la Fuerza Aérea de EEUU revela las verdaderas intenciones detrás del Acuerdo Militar con Colombia”, por Eva Golinger. http://www.aporrea.org/tiburon/a89582.html 

Una Agresión Permanente: El Golpe Suave en América Latina (Parte 1)

18 out

Por Eva Golinger

América Latina ha sufrido una constante agresión dirigida desde Washington durante más de doscientos años. Todas las tácticas y estrategias de guerra sucia han sido aplicadas en los distinos países de la región, desde golpes de Estado, asesinatos, magnicidios, desaparecidos, torturados, dictaduras brutales, atrocidades, persecución política, sabotajes económicos, guerra mediática, subversión, infiltración de paramilitares, terrorismo diplomático, intervención electoral, bloqueos y hasta invasiones militares. No ha importado quien gobierna en la Casa Blanca –demócratas o republicanos– las políticas imperiales se mantienen en marcha.
 
Durante el siglo XX, Washington logró imponer su agenda por toda Sudamérica, instalando dictaduras bajo su mando y luego gobiernos neoliberales que seguían las órdenes del Fondo Monetario Internacional y el Consenso de Washington. Aislaron a Cuba con un bloqueo económico, y después de las guerras sucias en Centroamérica en los años setenta y ochenta contra los Sandinistas en Nicaragua, la “amenaza comunista” en la región estaba contenida. 
El siglo XXI trajo nuevos desafíos para el dominio estadounidense. Con sus ojos puestos en el otro lado del mundo con sus guerras en Irak y Afganistán, no vieron con precisión el renacimiento de las revoluciones populares por toda América Latina. Subestimaron las capacidades de los pueblos latinoamericanos y la visión de sus líderes.

Cuando se voltearon, ya Venezuela había tomado un camino irreversible, y las raíces de la Revolución Bolivariana estaban extendiéndose por todo el continente. La semilla de esperanza, de dignidad y de liberación que Estados Unidos intentó contener en Cuba estaba germinando por toda la región. Los pueblos se estaban levantando, la llama de la libertad soberana estaba prendida de nuevo. 
De inmediato, Washington activó sus redes al sur de la frontera, donde ya desde décadas mantenía grupos paramilitares, organizaciones políticas, medios de comunicación, instituciones y agencias a su servicio. Reiniciaron la maquinaria de agresión, esta vez de una escala mayor. Las garras imperiales intentaban sumergirse en las tierras libres de Venezuela, Bolivia, Ecuador, Honduras, Nicaragua, y en cualquier rincón que olía a revolución. 
 
GOLPE TRAS GOLPE
 
El siglo XXI ha traído varios golpes de Estado de diferentes estilos a la región, comenzando en Venezuela (2002)1 . Luego hubo otras rupturas constitucionales en Haití (2004)2 , un intento de golpe en Bolivia (2008)3 , Honduras (2009)4 , otro intento de golpe en Ecuador en 20105  y Paraguay en 20126 . El golpe en Venezuela en abril 2002 fue la primera señal del retorno de la mano agresiva de Estados Unidos en América Latina. Durante los años noventa, había sido relativamente controlada y asegurada la “estabilidad” y la dominación de la agenda estadounidense en la región. No obstante, con la llegada de la Revolución Bolivariana, Venezuela salió del cuadro, y Washington respondió con furia. 
La elección de Hugo Chávez en 1998 fue un duro golpe para Washington que buscaba el control a largo plazo de las reservas petroleras de Venezuela –certificadas como las más grandes del planeta.

En abril de 2002, la administración de George W. Bush apoyó un golpe de Estado contra el Presidente Chávez, dirigido por la misma élite que había estado en el poder antes en Venezuela7 . El golpe de Estado utilizó marchas masivas en las calles de Caracas, integradas por la clase media y la clase alta, pidiendo el derrocamiento de Chávez. Utilizaron francotiradores para disparar a la gente en las marchas, creando violencia y caos, y luego responsabilizando a Chávez por la masacre8.  La televisión, radio y los periódicos en Venezuela se unieron a los esfuerzos de golpe de Estado, manipulando las imágenes y distorsionando los hechos para justificar al derrocamiento del Presidente.

Lo convirtieron en el villano, el malvado dictador, el ‘asesino brutal’, según los medios de comunicación internacionales, aunque, en realidad, los opositores apoyados desde Washington fueron los responsables de la muerte y la destrucción causada durante esos días9.  Después Chávez fue secuestrado el 11 de abril de 2002 e iba a ser asesinado, y los empresarios, dueños de medios y dirigentes opositores detrás del golpe tomaron el poder e impusieron una dictadura. Disolvieron todas las instituciones democráticas del país, incluyendo la Asamblea Nacional y el Tribunal Supremo de Justicia.
 
La mayoría que había votado por Chávez se había convertido en protagonista del proceso político, y estaba determinado a defender su democracia. Cientos de miles de personas salieron a las calles horas después de la desaparición de Chávez para exigir el retorno de su presidente. Cuarenta y ocho horas después, Chávez fue rescatado por sus seguidores y las Fuerzas Armadas leales. El golpe fue derrotado y la revolución sobrevivió, pero las amenazas continuaron.
 
Cuando el Presidente Hugo Chávez regresó al poder, las agencias de Estados Unidos tuvieron que reformular sus tácticas para seguir con sus planes de neutralizar la revolución en Venezuela. Meses después, hubo un fuerte paro petrolero y sabotaje económico que causó miles de millones de dólares en daños al país, junto al inicio de una brutal guerra psicológica y mediática10.  No obstante, toda la fuerza de Washington y sus aliados en ése momento era incapaz de derrotar al carismático Presidente venezolano y los millones que abogaban por grandes transformaciones en su país.
 
Al mismo tiempo, la región ya estaba comenzando a cambiar. Había insurrección en Bolivia y Ecuador. Los movimientos indígenas, los cocaleros y campesinos estaban ganando fuerzas tras el liderazgo de Evo Morales. Ecuador pasaba por grandes momentos de inestabilidad y descontento social que dieron lugar al nacimiento de la Revolución Ciudadana y el liderazgo del Presidente Rafael Correa. El momento de contener el gran despertar en América Latina había pasado; no había vuelta atrás. 
 
LA SUBVERSION DE LA USAID Y LA NED
 
Durante ese periodo, Washington buscaba la fórmula de neutralizar la expansión revolucionaria en la región. Estaba moviendo sus piezas, aumentando el financiamiento a los partidos políticos y las organizaciones no gubernamentales (ONG) que promovían su agenda. Las dos principales agencias financieras de Estados Unidos establecidas para realizar gran parte del trabajo de la Agencia Central de Inteligencia (CIA) pero con una fachada legítima, ampliaron su presencia por toda América Latina.11  La Agencia del Desarrollo Internacional de Estados Unidos (USAID), el brazo financiero del Departamento de Estado, y la National Endowment for Democracy (NED), cuadruplicaron los fondos entregados a sus aliados en Venezuela, Bolivia, Ecuador y Cuba durante la última década.

Sólo en Venezuela, invirtieron más de 100 millones de dólares en ése tiempo para alimentar a los grupos de la oposición, promoviendo adicionalmente la creación de más de 300 nuevas organizaciones no gubernamentales (ONG) y programas para filtrar y canalizar el dinero.12  A diferencia de Cuba, Washington tenía entrada directa dentro de Venezuela a través de su Oficina de Iniciativas hacia una Transición (OTI) de la USAID, tanto como en Bolivia y Ecuador, y comenzó a ampliar las redes de penetración e infiltración dentro de las comunidades populares, intentando debilitar y neutralizar a los procesos de cambio en esos países desde adentro.
 
BOLIVIA
 
En el caso de Bolivia, del 2005 al 2006, la USAID reorientó más de 75% de sus inversiones en el país andino a los grupos separatistas que buscaban socavar al gobierno de Evo Morales. Para el año 2007, el presupuesto de la USAID en Bolivia llegó a casi 120 millones de dólares. El financiamiento a los partidos políticos de oposición y los movimientos separatistas era su trabajo principal. Tan cruda y evidente era la injerencia de la USAID en Bolivia que el gobierno de Evo Morales expulsó al embajador estadounidense, Philip Goldberg, del país en septiembre 2008. Las constantes conspiraciones e intentos de desestabilizar al gobierno de Evo Morales habían sido bien documentados y evidenciados.13  
 
Desde luego, movimientos sociales por toda Bolivia comenzaban a demandar la salida de la USAID del país debido a sus actividades injerencistas. Las amplias evidencias que confirmaban como la USAID utilizaba su fachada de trabajo ecologista, altruista y en pro a la democracia para desestabilizar al gobierno de Evo Morales y al movimiento que lo apoyaba, eran innegables. Finalmente en 2013, el Presidente Morales anunció la explusión indefinida de la USAID de Bolivia. Su salida fue la marca de una Bolivia soberana, ya no subordinada a la agenda estadounidense.14   
 
ECUADOR 
 
La estrategia de subversión a través de las agencias financistas de Washington también tuvo su fruto en el Ecuador. El gobierno estadounidense veía con descontento el acercamiento de Ecuador a Venezuela, Cuba y Bolivia y su entrada en la Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América (ALBA) en 2009. La popularidad y éxito político del Presidente Rafael Correa y su reelección contundente después de la ratificación de una nueva constitución en 2009, provocaron la ira de Washington y el peso de su injerencia. En el 2010, el Departamento de Estado aumentó el presupuesto de la USAID en Ecuador a más de 38 millones de dólares15.  Un total de $5.640.000 en fondos fueron invertidos en el trabajo de “descentralización” en el país, con enfoque en la desintegración del gobierno central16.  

Uno de los principales ejecutores de los programas de la USAID en Ecuador era la misma empresa que canalizaba fondos y coordinaba el trabajo de las agencias estadounidenses con la oposición en Bolivia: Chemonics, Inc. Chemonics tuvo un papel principal en la alimentación del conflicto separatista en Bolivia del 2007-2008 con la intención de provocar la ruptura del estado y el debilitamiento del gobierno de Evo Morales.17    Al mismo tiempo, desde un presupuesto acerca de un un millón de dólares anualmente, la NED otorgó un convenio de $125.806 al Centro para la Empresa Privada (CIPE) para promover los tratados de libre comercio, la globalización y la autonomía regional a través de la radio, televisión y prensa ecuatoriana, junto con el Instituto Ecuatoriano de Economía Política.18  Organizaciones en Ecuador como Participación Ciudadana, Fundamedios y Pro-justicia han dispuesto del financiamiento multimillonario de la USAID y la NED, tanto como miembros y sectores de CODEMPE, Pachakutik, la CONAIE, la Corporación Empresarial Indígena del Ecuador y la Fundación Qellkaj.19 

Durante los acontecimientos del jueves 30 de septiembre en Ecuador, cuando varios sectores intentaron derrocar al Presidente Rafael Correa, uno de los grupos con financiamiento de la USAID y NED, Pachakutik, emitió un comunicado respaldando a los golpistas y exigiendo la renuncia del Presidente Rafael Correa, responsabilizándolo por los hechos.20 Casi todos los grupos involucrados en ese intento de golpe tenían vínculos con agencias estadounidense, desde el expresidente Lucio Gutiérrez, quien había pedido ayuda de Washington para “salir” del Presidente ecuatoriano, hasta los sectores policiales que violentaron los derechos de Correa, quienes recibían entrenamiento en intercambios con Estados Unidos.21   
 
Aunque el golpe contra el Presidente Correa no tuvo éxito, el trabajo para socavar a su gestión continuaba. 
En 2012, la USAID canalizaba un total de $22.869.000 a grupos y programas en Ecuador con la mayoría de los fondos entregados a temas de “gobernabilidad”, económia y desarrollo.22  Para el 2014, esa cifra bajó casi por la mitad a $11.810.000.23  La reducción del financiamiento de la USAID en Ecuador no se debía a una minimización de las acciones injerencistas de Estados Unidos en el país suramericano, sino más bien porque el Estado ecuatoriano ya había hecho claro que no quería más colaboraciones con la agencia intervencionista. De hecho, el gobierno de Rafael Correa anunció a finales del 2013 que el viejo convenio que tenía el país con la USAID ya estaba terminado y no iba a ser renovado.24   
 
Con menos presencia de la USAID, la NED se fortalece como canal de financiamiento a actors políticos, mediáticos y sociales que promueven la agenda de Washington.  Así ha sido el caso en Ecuador. Durante el año 2013, la NED canalizó $1.032.225 a diferentes grupos y proyectos en Ecuador para debilitar el poder de la gestión del Presidente Correa.25   
 
Dentro de esos fondos, $65.000 fueron dados a grupos opositores al gobierno ecuatoriano para contrarrestar la propaganda del Estado durante las elecciones locales en febrero 2014. Según el informe anual de la NED de 2013, el recipiente de esos fondos, provenientes de una agencia extranjera, estaba encargado de “controlar el uso de los recursos públicos en publicidad en medios de televisión, radio y prensa escrita y el uso de los datos generados para difundir información sobre el gasto público para los medios de comunicación y organizaciones de la sociedad civil.”26  En otras palabras, el gobierno de Estados Unidos estaba usando organizaciones ecuatorianas para intentar denunciar el uso de fondos públicos del Estado ecuatoriano durante una campaña electoral con el objetivo de desacreditar al gobierno del Presidente Correa.
 
Más de $200 mil dólares fueron canalizados desde la NED a esfuerzos para influir directamente sobre las leyes y debates en la Asamblea Nacional de Ecuador, donde existe una mayoría que apoya al gobierno actual. Otros $157.896 fueron entregaron a una ONG para “alentar el liderazgo juvenil, los valores democráticos y el espíritu empresarial”.27 Según la NED, este proyecto buscaba “promover la democracia, la participación ciudadana y el libre mercado y el liderazgo entre los jóvenes”.28

 En un país en donde el gobierno apoyado por la mayoría promueve un modelo fundamentado en conceptos socialistas, las agencias estadounidenses y sus contrapartes en Ecuador buscaban fomentar el modelo capitalista, neoliberal del mercado libre, que ya había causado graves daños económicos, políticos y sociales durante la década anterior.
El grupo Fundamedios, ONG crítica de las políticas del Presidente Correa y con amplio financiamiento y asesoría desde Washington, recibió $75.000 de la NED en 2013 para “defender y proteger a los periodistas y la libertad de expresión” en Ecuador.29 

Esta organización, parecida a la ONG que fue creada en Venezuela por la NED y USAID, Espacio Público, realiza un trabajo de denuncia parcializada en contra del Gobierno, intentando proyectar la percepción de un país sin libre expresión.30 Todo estos millones de dólares de la USAID y la NED, además de otras agencias externas que financian ONG y campañas opositoras en el Ecuador, fomentan y alimentan conflictos en el país. La táctica de subversión a través de las ONG y la llamada “sociedad civil” forma parte de una estrategia más amplia de debilitar al Estado o al líder del país poco a poco, con el objetivo de neutralizar su base de apoyo y finalmente, derrotarlo. 
 
EL GOLPE SUAVE
 
Una revolución de colores, un golpe suave, un coup d’etat o simplemente un cambio de régimen, no existe ninguna duda que detrás de la estrategia de la supuesta “no violencia” o la “promoción de la democracia” están los intereses de Washington. Fue en el año 1983 que éste concepto fue creado que luego ha instalado gobiernos subordinados al poder imperial desde Suramérica al Cáucaso y al Asia. A través de la creación de una serie de “fundaciones” cuasi-privadas, como el Instituto Albert Einstein (AEI), la National Endowment for Democracy (NED), el Instituto Republicano Internacional (IRI), el Instituto Demócrata Nacional (NDI) y Freedom House, entre otras, el gobierno de Estados Unidos comenzaba a filtrar financiamiento y asesoría estratégica a partidos políticos y organizaciones sociales que promovían su agenda en países con gobiernos no alineados con los intereses estratégicos de Washington.31   
 
Alrededor de todas estas “fundaciones”, siempre está la USAID que hoy en día funciona como parte del eje de seguridad y defensa de Washington. El Pentágono se encarga de las acciones tradicionales militares, el Departamento de Estado ejerce la diplomacia y la USAID penetra, infiltra y controla a las poblaciones civiles. La USAID funciona para promover a los intereses económicos y estratégicos de Estados Unidos en casi todo el planeta. Sus departamentos dedicados a transición, reconstrucción, gerencia de conflictos, desarrollo económico, gobernabilidad y democracia son los principales viaductos a través de los cuales filtran los miles de millones de dólares que desde Washington se envía a los partidos políticos, ONG, grupos juveniles y sociales que promueven sus intereses en el mundo.

En cualquier país donde ha habido un golpe de Estado, una revolución de colores o un cambio de régimen favorable a los intereses de Estados Unidos, se encuentra la USAID y su lluvia de dólares.
En los casos de Serbia (antes Yugoslavia), Ucrania, Georgia y Kirguistán, donde primero fueron enseñadas la estrategia de las “revoluciones de colores”, siempre había un factor en común: recursos estratégicos. Gas, petróleo, gaseoductos, oleoductos, bases militares, fronteras estratégicas – todos estos son factores presentes en estos países. Serbia tiene gas natural y petróleo; Georgia, comparte bases militares con Rusia y Estados Unidos y está en la vía de los gaseoductos más importantes del Medio Oriente hacia el mundo Occidental; Ucrania está ubicada estratégicamente entre los productores más grandes de energía en Rusia y la región del Mar Caspio, y los consumidores en Eurasia; y Kirguistán tiene una frontera estratégica con China, bases militares de Rusia y Estados Unidos y también está ubicada en la vía de estos importantes gaseoductos que Washington y sus empresas del Complejo Militar Industrial quisieran controlar. 
 
A parte de los intereses estratégicos, dentro de esta estrategia hay un enfoque ideológico. Los movimientos detrás del golpe suave son principalmente anti-comunistas, anti-socialistas, pro-capitalistas y pro-imperialistas. Donde hay un gobierno con tendencia socialista anti-imperialista en un país con recursos estratégicos y naturales, sin duda habrá un plan de golpe suave para derrocarlo.
 
En todos los países donde se ha ejecutado esta estrategia, los grupos que la han dirigido emplean las mismas recetas. Involucran a estudiantes y jóvenes para dar una cara fresca a su movimiento y también para hacer el trabajo de las fuerzas de seguridad más dificil (a la hora de arrestar un niño de 14 años por una acción ilegal de calle, el Estado parece el ente represor) y realizan un proceso de marketing para diseñar un logo del movimiento y/o un color (en Serbia fue el puño cerrado en blanco con negro del OTPOR32 , en Ucrania, el mismo logo pero con el color naranja, en Georgia, también el mismo puño pero con rosa, en Kirguistán, rosada, y en Venezuela, en lugar del puño de OTPOR utilizan la mano blanca con fondo negro).

Se planifican las acciones cerca de un proceso electoral en el país, donde preparan una red de observadores, una organización electoral paralelo (Súmate33 , en el caso de Venezuela) y operaciones psicológicas para crear un escenario de fraude y rechazo de los resultados en caso de perder. Utilizan el mismo material de formación del ideólogo anti-comunista estadounidense Gene Sharp y su Instituto Albert Einstein, y siempre reciben fondos y asesoría estratégica y política de las agencias de Washington, incluyendo la USAID, la NED, el IRI, el NDI y Freedom House.   La estrategia consiste en un intento de debilitar y desorganizar a los pilares del poder y neutralizar las fuerzas de seguridad, normalmente en el contexto de un proceso electoral. Según el Coronel Robert Helvey del Instituto Albert Einstein, uno de los diseñadores de esta estrategia, su objetivo no se trata de destruir las fuerzas armadas y cuerpos policiales, sino convertirlos – convencerlos de dejar al gobierno actual y hacerles entender que hay lugar para ellos en el gobierno de mañana.34 

 Utilizan a los jóvenes para intentar debilitar al ánimo de las fuerzas de seguridad y para cambiar su sumisión al régimen. Realizan contactos con los militares para intentar negociar, ejecutando operaciones psicológicas en su contra. Según Srdja Popovic, uno de los fundadores de OTPOR en Serbia, Helvey les enseñó “…cómo seleccionar personas dentro del sistema como policías y mandarles constantemente el mensaje que todos somos víctimas, tanto ellos como nosotros, porque no es el trabajo de la Policía arrestar un niño de 13 años, por ejemplo…”35   
Esta estrategia está dirigida hacia las Fuerzas Armadas, la Policía, los funcionarios públicos y el público en general, a través de una guerra psicológica, la subversión y una presencia en la calle que da la impresión de un inminente estallido social.  

 1  “El golpe de Estado de 11 de abril en Venezuela y sus causas”, por Margarita López Maya. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=996179380012
2  “Golpe de Estado en Haiti” por Thierry Meyssan. http://www.voltairenet.org/article120678.html
3  “La cumbre de Unasur ‘abortó’ un golpe contra Evo Morales, afirma Hugo Chávez”, La Jornada. http://www.jornada.unam.mx/2008/09/17/index.php?section=mundo&article=037n1mun
4  http://www.bbc.co.uk/mundo/america_latina/2009/06/090628_1430_honduras_arresto_med.shtml
5  “Golpe de Estado en Honduras”, BBC Mundo. http://periodismoecuador.com/2014/06/11/comision-del-30-de-septiembre-entrega-informe-a-la-medida/
6  “Fernando Lugo denuncia ‘golpe de Estado parlamentario’ en Paraguay”, El Universal.  http://www.eluniversal.com/internacional/120624/fernando-lugo-denuncia-golpe-de-estado-parlamentario-en-paraguay
7  Ver “Abril Golpe Adentro”, por Ernesto Villegas, Editorial Galac 2009.
8  Ver “Puente Llaguno: Claves de una Masacre”, Panafilms 2004.
9  “Dictadura mediática en Venezuela”, Luis Britto Garcia http://www.minci.gob.ve/2012/06/dictadura-mediatica-en-venezuela-luis-britto-garcia/
10  Ver “El Código Chávez: Descifrando la injerencia de Estados Unidos en Venezuela”, por Eva Golinger, Monte Avila Editores 2006.
11  “Former CIA Agent Tells: How US Infiltrates ‘Civil Societ’ to Overthrow Governments, Philip Agee. http://www.informationclearinghouse.info/article4332.htm
12  “Documentos de Wikileaks evidencian que EEUU financia a la oposición en Venezuela”, La República. http://www.larepublica.es/2014/02/documentos-de-wikileaks-evidencian-que-eeuu-financia-a-la-oposicion-en-venezuela/

13  “Injerencia de los Estados Unidos en Bolivia: Documentos desclasificados por el Departamento de Estado de los Estados Unidos”, Vicepresidencia del Estado Plurinacional de Bolivia. http://www.vicepresidencia.gob.bo/IMG/pdf/desclasificados.pdf
14  “Evo expulsa a USAID de Bolivia”, Los Tiempos. http://www.lostiempos.com/diario/actualidad/nacional/20130501/evo-expulsa-a-usaid-de-bolivia_211346_453925.html
15  Foreign Operations Budget 2010, United States Department of State. http://www.state.gov/documents/organization/123415.pdf
16  Ibid.
17  “Campesinos detectaron ‘objetivos’ de ONG financiada por USAID”, El Telégrafo. http://www.telegrafo.com.ec/noticias/informacion-general/item/campesinos-detectaron-objetivos-de-ong-financiada-por-usaid.html
18  National Endowment for Democracy Annual Report 2010. http://www.ned.org
19  Estos datos se encuentran en documentos desclasificados de la NED y USAID sobre sus operaciones en el Ecuador obtenidos por la autora bajo la Ley de Acceso a la Información en Estados Unidos.
20  “Pachakutik pide la renuncia al Presidente Correa y llama a conformar un solo frente nacional”, 30 septiembre 2010. http://www.sodepaz.org/images/documentos/pachakutikcomunicado141.pdf
21  “Wikileaks revela más vínculos de EEUU con la oposición del gobierno ecuatoriano”, RT. http://actualidad.rt.com/actualidad/view/42579-WikiLeaks-revela-mas-v%C3%ADnculos-de-EE.-UU.-con-oposición-del-gobierno-ecuatoriano

22  FY 2012 Congressional Budget Justification for Foreign Operations, US Department of State. http://www.state.gov/f/releases/iab/fy2012cbj/pdf/
23  FY 2014 Congressional Budget Justification for Foreign Operations, US Department of State. http://www.state.gov/f/releases/iab/fy2014cbj/
24  “Usaid cerró cooperación económica”, El Universo. http://www.eluniverso.com/noticias/2013/12/17/nota/1928241/usaid-cerro-cooperacion-economica
25  National Endowment for Democracy Annual Report 2013 – Ecuador. http://www.ned.org/where-we-work/latin-america-and-caribbean/ecuador
26  Ibid.
27  Ibid.

28 Ibid.
29 Ibid.
30 “Sigue la mano sucia de la NED en Venezuela”, Eva Golinger. http://actualidad.rt.com/expertos/eva_golinger/view/125973-mano-sucia-ned-venezuela
31 “La Albert Einstein Institution: no violencia según la CIA”, por Thierry Meyssan. http://www.voltairenet.org/article123805.html
32 “Otpor y sus revoluciones de colores”. Le Temps. http://www.yugopedia.org/Wiki/(S(vfgavzabj0vda331ivzqfs3o))/Print.aspx?Page=Otpor%20y%20sus%20revoluciones%20de%20colores&AspxAutoDetectCookieSupport=1
33  “Una ONG financiada por Estados Unidos organizará unas primarias en Venezuela para elegir candidato presidencial contra Chávez”, por Pascual Serrano. http://www.rebelion.org/noticia.php?id=34498
34  Ver: On Strategic Non-Violent Conflict: Thinking About the Fundamentals”, por Robert L. Helvey, Albert Einstein Institution. http://www.aeinstein.org/wp-content/uploads/2013/09/OSNC.pdf
35  Ver:  A Force More Powerful, documental, 2000. http://www.aforcemorepowerful.org/films/bdd/story/otpor/srdja-popovic.php


Texto completo en: http://actualidad.rt.com/expertos/eva_golinger/view/143043-agresion-permanente-golpe-suave-america-latina

A campanha do ódio antipetista. Por Cristiana Castro

18 out

COLAGEM

Quando foi disparada a campanha do ódio antipetista, muitos se aproveitaram e aderiram, apostando na possibilidade de apresentar-se como alternativa à esquerda. 

Em nenhum momento observaram ou atentaram para o tom fascista que dominava uma campanha contra política, políticos, partidos, sindicatos, eleições, voto… enfim, democracia. Valia qq coisa para que o PT fosse apeado do poder.
A ordem era, inclusive, partir, fisicamente, para cima de militantes que ostentassem símbolos do partido. Nesse ponto, o PCdoB Tb foi alvo aqui no RJ.

Denunciamos nos Blogs ataques a uma cadeirante e duas senhoras, além de um grupo com uma criança e uma adolescente. Resumindo, a ordem era agredir, independentemente de idade, sexo, condição física.

O julgamento da AP 470, foi a cereja do bolo, abriu a temporada de caça aos petistas e deu a senha para a violência fascista que, essa semana fez mais uma vítima, novamente, um cadeirante; companheiro Ênio que estava aqui no RJ, na semana passada.
O herói fascista era JB; agressivo, truculento e, especialmente, acima da lei como os coxinhas que podiam tudo contra todos e que sob proteção policial, atacavam os símbolos da representação democrática, deixando intocados os símbolos de poder das elites. Acreditavam-se grandes revolucionários enfrentando uma polícia que estava ali para garantir o sucesso da empreitada.

Qualquer um que discordasse de seus métodos ou idéias era automaticamente, transformado em “petralha”, “ mensaleiro”, “ quadrilheiro”, etc… independente de ser militante filiado, simpatizante, eleitor, militante de partidos da base aliada ou mesmo um cidadão não cooptado pela campanha midiático-sionista.

A” tendência” mundial do Ocuppy qq porra que interesse ao capital transnacional chegou ao Brasil pelas Universidades brasileiras travestida de desejo de mudanças na política, chancelada pelos que se julgavam a nata da intelectualidade. Como vimos, só os “ inteligentes” caíram no conto do vigário e a população manteve-se distante da presepada midiática.

Obviamente, o grupo denominado “ petralhas” Tb alcunhou os antipetistas, juntando-os todos no mesmo saco de “ coxinhas” que estavam “contra tudo o que está aí” desde que o que estivesse aí fosse o PT, do PT ou alinhado ao PT; o resto que estava “ por aí” não era um problema pq precisavam vender a idéia de uma ditadura petista, à exemplo do que aconteceu na Venezuela. Simular um racha de ódio na sociedade em que um grupo apóia a “ ditadura” e outro defende a “ democracia”.

A democracia coxinha é essa que estamos vendo nas postagens do Twitter e FB, em que negros, mulheres, nordestinos e petistas são tratados como cidadãos de terceira classe e devem ser desestimulados pelos coxinhas todas as vezes que tentarem tornar públicas suas preferências políticas.

Aqui cabe ressaltar que, desde o início, denunciamos o caráter fascista desses Atos que foram apoiados e incentivados por partidos que se dizem de extrema esquerda ( inclusive tendências do próprio PT ) e que, hoje, envergonhados do vexame que protagonizaram simulam uma neutralidade ou aderem ao PT numa tentativa canhestra de tirar a letra da lista dos que promoveram a ascensão do fascismo brasileiro.

Ora, qq imbecil sabe que não existe neutralidade possível qdo numa das pontas está o que de mais imundo a humanidade produziu.

O que mais vejo, sobretudo pelos blogs e twitter, são pessoas que empenharam-se até o limite para que o neoliberalismo chegasse ao segundo turno com chances reais na luta contra o trabalhismo, tentando equilibrar-se no muro do “ política é tudo a mesma coisa” ou “ o PT é igual ao PSDB “.

Que me desculpem mas não é a mesma coisa, não. Fosse a mesma coisa e lutariam com o mesmo orgulho com que lutamos e assumiriam suas posições. Mas não. Lutam sem nomes, sem rostos, sem propostas e, na hora de dar de cara com as conseqüências de suas ações, fogem para cima do muro para que os meios de comunicação, MP e Judiciário façam o serviço sujo que tem vergonha de fazer.

Acreditam que, num futuro bem próximo, poderão alegar “ neutralidade”; ninguém me viu; eu não votei; não postei nada sobre isso… Esse sujeito é o que, vulgarmente, chamamos de COVARDE. Na política, atua, fortemente para alcançar um determinado resultado e, qdo ele chega… Ah, eu anulei o voto ou político é tudo igual… Ora, se é assim, pq não empenhou-se no outro? Escolheu um lado, fez uma opção; empenhou-se e, finge envergonhar-se da escolha. Ah, é pq nós queríamos mudanças… É, e pelo jeito teremos uma das grandes que já começou com o resultado das urnas no primeiro turno.

E o covarde que gosta de lutar com a cara coberta e depois correr para a segurança do muro, deveria descer rápido e vir aprender a lutar com dignidade e ajudar os que, de fato, sempre lutaram, a desarmar a bomba que eles deixaram qdo correram de vergonha.

Pelo menos, ajudem a carregar os mortos e feridos na batalha que iniciaram, não sabem como terminar e ainda tem a cara de pau de atribuir ao PT as conseqüências nefastas de sua incapacidade política.. QQ coisa, a gente coloca a culpa no PT, ou melhor, as empresas de comunicação fazem isso e nós ficamos na encolha.

Enquanto, os covardes, estão escondido em cima do muro, jornalistas estão sendo perseguidos e presos, militantes estão nas ruas sofrendo agressões e o covardão que acusava a polícia de ser violenta, será o primeiro a chamá-la para defendê-lo do povo que até bem pouco tempo, o covarde simulava representar. Já vimos esse filme e, ainda estamos vendo em diversos países do mundo.

Enquanto os coxinhas foram os agressores, a polícia era violenta; vamos ver quem vão chamar qdo forem os agredidos ( espero que não acreditem que vão continuar agredindo sem revide, eternamente; ninguém que não seja, completamente retardado ainda cai no papo de que é a militância do PT que agride os coitadinhos dos coxinhas ).

Aliás o coitadismo aliado à truculência e a alienação coxinha ( tradução; raivinha de molecada mimada ) não encontrou eco na sociedade. JB, Marina Silva ( heróis coxinhas ),caminham para o ostracismo; o #ForaCabral e o #NãoVaiTer Copa, foram enterrados com uma Copa maravilhosa e a ida de Pezão para o segundo turno aqui no RJ; a mudança tão desejada as urnas já revelaram qual era.
Portanto, tudo o que os coxinhas pensam ter conquistado, agradeçam a Dilma que foi a única que, de fato, deu alguma atenção a eles.
E, ainda assim, qdo propôs o plebiscito para que as mudanças, de fato, pudessem acontecer, todos os sem liderança, ao mesmo tempo, decidiram sumir das ruas. Da mesma forma, a tranqüilidade com que o consórcio máfio-midiático se apossou do movimento levantou suspeitas acerca da boa intenção dos protestantes.

Por alguma razão, aceitaram, bovinamente a condução e não esboçaram qq reação à imposição de uma pauta para as tais jornadas. A expressão máxima da condução foi a derrubada da PEC 37. Até mesmo o Congresso Nacional que cercaram, voltou pior que já estava. Não os representava; talvez, agora, os represente.

Os fascistas acusaram todo mundo e esqueceram de olhar para o próprio rabo. Agora, olhem para Aécio Neves e entendam quem vcs são, de fato. Além de não terem conquistado nada; ainda criaram as condições para o maior passo em direção ao atraso que esse país já viu.
O homem da mudança chegou; está aí e é, Aécio Neves; nós não chamamos por ele. Os coxinhas chamaram.

Nós estamos aqui, nomes, caras, partido, projeto, lideranças… pq sabemos que vivemos em uma democracia. Eles chamaram o cara e ele veio para mudar o Brasil. Agora, que mostrem a cara deles para o Brasil inteiro; deixem que o trabalhador, que é quem vai se arrebentar num eventual governo fascista conheça a cara dos que diziam lutar em seu nome.

Não eram o povo nas ruas, os movimentos sociais, os pobres, a periferia, o trabalhador brasileiro? O jogo acabou, hora de mostrar as cartas para que o Brasil saiba quem estava blefando. Minha cara tá aqui; quero ver a deles! Até aqui, a única coisa que trouxeram de novidade foi sua raivinha infantil, completamente fora do tom, dado que são adultos; total desconexão com a realidade e uma arrogância e vaidade patológicas. Ou é o que eles querem ( e nem sabem o que querem ) ou é pancadaria.

A única coisa que sabem é que não gostam do PT pq todas as suas frustrações são culpa do Estado; o Estado tem que fazer tudo para os “Anarquistas”, seja lá o que isso signifique, senão eles prendem e arrebentam. Eu sinto muito pelos desavisados que foram enganados pelas lideranças que juram não existir; é melhor acreditar que não existem do que aceitar que foram tratados por elas como retardados mentais. Em tempos de internet, dá para alegar-se qq coisa, menos falta de informação.

Lamento muito pelo Ênio e pelos outros companheiros que estão vivendo esse inferno há tanto tempo, por outro lado, a ordem é resistir e parabenizo cada um dos petistas, simpatizantes, eleitores, militantes de outros partidos, especialmente, PCdoB, por termos chegado até aqui. Só mais um pouco gente… Depois é depois e a gente vai ver o que fazer. Até aqui tiveram que se juntar TODOS contra nós e apresentar uma proposta de retorno a pré-História para poder fazer frente ao governo popular. Dê no que dê, a Patria Grande continuará avançando.

Cristiana Castro

Neoliberalismo é o oposto da democracia”, diz estudioso francês

17 out

Dominique Plihon, professor da Universidade Paris 13, em entrevista exclusiva ao Brasil Debate: “Se um candidato neoliberal ganha no Brasil, certamente ficarei triste pelos brasileiros, mas também triste pela ordem internacional. Precisamos de líderes que saibam resistir às grandes potências, ao setor financeiro, e não que sejam seus aliados

dominique

O francês Dominique Plihon é um dos principais estudiosos, no mundo, do que se denomina “capitalismo com dominância financeira” e de seus efeitos sobre a sociedade.

Professor emérito da Universidade Paris 13 (Université Sorbonne Paris Cité), ele tem longa experiência profissional no Banque de France e é atualmente porta-voz do ATTAC – associação que defende a taxação das transações financeiras internacionais.

Na semana passada, esteve no Brasil para uma curta temporada de palestras e aulas no Instituto de Economia da Unicamp, e conversou com o Brasil Debate.

As reflexões de Plihon sobre as ideias econômicas, seus porta-vozes e interesses, e mesmo o seu poder de pressão por meio do controle dos veículos de comunicação são um necessário contraponto à visão quase única que domina a discussão econômica no Brasil.

Indo além, põe o dedo na ferida de uma questão muito explícita em alguns personagens do debate eleitoral brasileiro: o conflito de interesses entre representantes do setor financeiro privado e suas prioridades para as políticas públicas.

Por fim, considera um enorme retrocesso, não só para o Brasil, a eleição de um candidato de perfil neoliberal neste segundo turno das eleições.

Confira os principais trechos da entrevista realizada e traduzida do francês por Bruno De Conti e Pedro Rossi.

Brasil Debate: Como você enxerga a relação do neoliberalismo com a democracia?

Dominique Plihon: Aqui há um paradoxo. Os neoliberais nos fazem acreditar que a liberdade concedida a todos os atores econômicos faz prosperar a democracia e que o mercado é favorável à democracia. Como se democracia e livre mercado caminhassem juntos.

Essa visão é completamente equivocada. Se deixamos o neoliberalismo funcionar, isso se traduz no surgimento de atores sociais – grupos industriais, bancários – que dominam não somente a economia, mas também a sociedade. Esses atores investem na mídia para difundir análises que condicionam a opinião dos cidadãos e isso funciona como uma forma de dominação ideológica. Aqueles que divergem do pensamento dominante são considerados heréticos, arcaicos, gente que não é séria.

Portanto, o paradoxo é que, ao reduzir o Estado sob o pretexto de dar mais liberdade às pessoas, dá-se poder a alguns atores sociais, concentra-se a renda e cria-se um pensamento único. Eu vou ao limite de dizer que aqueles que defendem o neoliberalismo são por uma sociedade totalitária. Neoliberalismo é o oposto da democracia.

BD: O discurso neoliberal é compatível com a construção de um Estado de Bem-Estar Social, que garanta serviços sociais públicos e universais?

DP: Para o neoliberalismo, o Estado Social é visto como um inimigo, como um concorrente, o que é de certa forma verdade porque, a partir do momento em que o Estado Social se desenvolve, é uma parte do setor econômico que escapa do setor privado, dos investidores internacionais etc.  Eles querem controlar as escolas, controlar os hospitais, controlar as estradas, para obter lucros. É por isso que eles defendem a privatização, sob o pretexto de que o setor privado seria mais eficiente, mas a finalidade é o lucro.

O que devemos defender, enquanto economistas progressistas, é que o setor público é claramente mais eficaz do que o setor privado no que se refere à oferta de bens sociais, ao contrário do que dizem os neoliberais. Essa é uma briga ideológica importante. Eles dizem que se o Estado Social diminuir, todos vão ganhar, vão pagar menos imposto, a economia ficará melhor, os hospitais, as escolas e universidades serão melhores, o que é completamente falso.

Se pegarmos a saúde, por exemplo, o sistema mais eficaz, menos custoso e que traz mais bem-estar para população é o público e não o privado. O sistema de saúde americano, que é praticamente todo privado, é muito mais custoso do que o francês, que é principalmente público. Mas esse discurso não é ouvido pela mídia controlada pelos grandes grupos privados.

BD: Nessas eleições brasileiras, formou-se uma convenção na bolsa de valores segundo a qual o bom desempenho da presidenta Dilma nas pesquisas conduz a uma queda nos preços das ações. Como você vê o significado político dessa convenção?

DP: Keynes é quem primeiro explorou essa noção de convenção no mercado financeiro. A convenção é uma representação da realidade que corresponde muitas vezes aos desejos do mercado. Quando vemos nas eleições que a bolsa sobe quando o candidato Aécio Neves aparece com mais chances, isso significa a expectativa do mercado de que esse candidato tomará medidas mais favoráveis a ele.

O que é perigoso, pois significa que um candidato que queira fazer uma política de enfrentamento aos interesses e privilégios do mercado terá a bolsa contra ele. E isso toma uma proporção maior porque a mídia e as elites passam a mensagem de que a opinião “correta” é aquela do mercado e não aquela das pessoas que trabalham, que produzem, que consomem. Isso é, evidentemente, contrário à democracia.

E o que é interessante é que Keynes mostrou a existência de componentes irracionais na formação dessas convenções. As pessoas se comportam de maneira mimética; de uma hora para a outra passam a agir todas da mesma forma, com base em uma determinada ideia. Essas convenções são frágeis, às vezes irracionais e desprovidas de uma reflexão séria e, mais do que isso, podem ser manipuladas, o que quer dizer que alguns agentes podem forjar opiniões e condicionar a psicologia dos mercados para fazer valer seus interesses.

BD: Nos debates públicos, você tem chamado atenção para o conflito de interesses que envolve a profissão dos economistas. Qual é a importância desse tema?

DP: Na sociedade, há dois tipos de economistas. A primeira categoria é composta por economistas independentes ou com vínculos explícitos com alguma instituição, como um sindicato, ou um banco. Quando ouvimos um economista de um sindicato, sabemos que ele está defendendo os interesses do sindicato, isso é normal e transparente.

A segunda categoria são os economistas que são pagos pelo sistema – recebem recursos de empresas, bancos, partidos – mas não se identificam. Eles geralmente defendem os interesses das classes dominantes e por isso são figuras muito presentes na mídia, dominada por essas classes. Eles são os cães de guarda do sistema.

O que estamos propondo na Europa é algo parecido com que está sendo discutido nos EUA por Gerard Epstein: que haja regras precisas obrigando os economistas a publicarem o nome da entidade de quem recebem financiamentos, assim, quando eles falam na mídia, saberemos se estão defendendo o interesse de alguma empresa, banco, sindicato. Cada um fala o que quer, desde que seja transparente e não seja hipócrita.

BD: E no caso de economistas de mercado que ocupam funções públicas?

DP: Se há um candidato, como Aécio Neves, que anuncia um ministro que é um banqueiro, há um risco de conflito de interesse. Nesse caso, talvez seja o caso de declarar publicamente e, eventualmente, desnudar esta pessoa e os interesses que representa, já que tem muitos laços com o setor financeiro.

Na França, temos esse problema com os altos funcionários, por exemplo, da supervisão bancária, que após seu período no governo vão trabalhar nos bancos. O problema é que essas pessoas não ousam tomar medidas duras, sanções, contra os seus futuros (ou ex) colegas. Nesse caso, deve-se proibir a pessoa de trabalhar no setor que ela supervisionou durante três ou quatro anos, porque há conflitos de interesse.

Esse é o chamado fenômeno das “portas giratórias”, quando um economista vai para a administração publica, depois volta para o setor privado como um homem de negócio, e de novo para administração pública. Isso é muito perverso e antidemocrático.

BD: Como intelectual de esquerda e observador externo como você enxerga a disputa eleitoral em curso no Brasil?

DP: Primeiramente, vejo com bastante interesse porque o Brasil é um país muito importante, e a política que é definida aqui tem impacto sobre a América Latina e também sobre a construção da ordem mundial. Penso que os dirigentes europeus atuais são uma catástrofe para a ordem econômica mundial. Eles são fascinados pela ideologia neoliberal, pela competição, e não pela cooperação, pela solidariedade entre os países etc. Eles têm valores que certamente não são os meus, e que são extremamente perigosos.

Se um candidato neoliberal ganha no Brasil, certamente ficarei triste pelos brasileiros, mas também triste pela ordem internacional. Eu sei que a candidata progressista tem limites e problemas, mas penso que será melhor para o Brasil, pois ela já deu prova de independência frente aos Estados Unidos e frente a atores financeiros.

Precisamos de líderes que saibam resistir às grandes potências, ao setor financeiro, e não que sejam seus aliados. Portanto, vejo as eleições no Brasil com muito interesse e não escondo minha preferência por Dilma.

Crédito da foto da página inicial: Agência Brasil

- See more at: http://brasildebate.com.br/neoliberalismo-e-o-oposto-da-democracia/#sthash.3JfDKkcB.dpuf

A receita do filósofo Marcos Nobre para uma reforma política que enterre o ‘pemedebismo’

3 out

A reforma política virou protagonista nas eleições de 2014. Mais de um ano após as “Jornadas de Junho”, as suas ressonâncias ainda são facilmente sentidas. E as teorias sobre a sua dimensão para a história do Brasil ganham força à medida em que discursos que relembram as reivindicações da época, como o de Luciana Genro (PSOL), recebem mais espaço no debate público.

“Só a sociedade irá fazer com que as reformas necessárias aconteçam”, diz Marcos Nobre, professor de Filosofia da Unicamp e pesquisador do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento). “São as pessoas que precisam obrigar o sistema político a mudar, porque, por conta própria, ele não irá fazer isso”, sentenciou.

Para ele, as vozes das ruas podem, a médio prazo, promover uma mudança na homogeneização da classe política, pouco ou nada interessada em estabelecer posições antagônicas e contrastantes para resolver os problemas que se apresentam. A esse comportamento, Nobre deu o nome de “pemedebismo”, uma espécie de cultura conservadora que caracteriza o sistema político brasileiro desde o início do seu processo de redemocratização.

Nesta entrevista – concedida ao jornalista Gustavo Carratte -, o autor do livro “Imobilismo em movimento – Da abertura democrática ao governo Dilma” e do e-book “Choque de democracia – Razões da Revolta” fala sobre os significados de Junho de 2013; o momento em que o PT, apesar de suas notáveis diferenças ideológicas, aceitou entrar no jogo da governabilidade; e os cenários que se apresentam como possíveis em um futuro próximo.

***DCM– Por que as manifestações de junho de 2013 foram tão importantes?

**Marcos Nobre – Junho de 2013 foi um marco porque, para mim, trata-se do final do processo de redemocratização do Brasil. A partir daquele mês, não está mais em causa a criação das instituições democráticas, como aconteceu na década de 80, nem a consolidação destas instituições, como vinha acontecendo desde meados de 1990. Em junho de 2013, o que passa a estar em questão é como as instituições democráticas do Brasil devem funcionar. Deixa de existir um período de transição, de redemocratização, e começa a haver um processo de aprofundamento desta democracia. É um outro patamar de discussão.

***E qual é a dimensão disso, historicamente?

**A dimensão histórica é muito grande porque, além de tudo o que pode ser discutido sobre essa nova fase, também é algo inédito. A nossa redemocratização durou cerca de 33 anos, a grosso modo, se levarmos em conta a aprovação da lei do pluripartidarismo, no final de 1979, até as manifestações de 2013. Antes disso, o nosso período democrático não foi mais do que um curto verão, de menos de 20 anos, da Constituição de 1946 até o Golpe Militar de 1964. Não houve sequer tempo de consolidar a democracia, de deixá-la se estabelecer devidamente. Quer dizer, pela primeira vez nós temos mais de três décadas de democracia – ainda pouco democrática, mas ainda assim uma democracia – e, mais do que isso, o seu aprofundamento. As Revoltas de Junho iniciam um longo ciclo na história deste país.

***A maior parte de sua explicação para essa “nova fase democrática”, certamente, está na maior conscientização da população. A falta de unidade que passou a existir nas manifestações após poucos dias de seu início – não apenas com a multiplicação de pautas, mas às vezes até com a ausência delas em alguns protestos – não enfraquece essa teoria?

**Realmente, a proporção que as manifestações tomaram não teve ligação direta com o estopim, que foram as ações do Movimento Passe Livre e, em algumas cidades, os protestos contra os gastos da Copa. Mas, por outro lado, existe um traço de união entre todas as reivindicações, que é justamente a rejeição à maneira como funciona o sistema político no Brasil. Isso não transforma as Revoltas de Junho em uma unidade clara e bem definida, mas é um elemento importante, que fornece algum traço de união a tudo o que aconteceu. É daí que nasce a ideia de fim do processo de redemocratização do país.

Até o dia 13, o apoio às manifestações ainda não era majoritário na população. A partir dali, quando ocorreu o ápice da repressão policial, a mídia tradicional não conseguiu mais insistir no discurso de que quem estava nas ruas eram apenas vândalos tentando destruir o patrimônio público. O que explica essa mudança de comportamento repentina, e qual foi o papel disso para que o movimento crescesse tanto?

Eu penso que o que aconteceu ali não foi uma simples “mudança tática”, de criticar a repressão por ter tido repórteres que a sofreram na pele ou de tirar proveito eleitoral daquilo. Foi muito mais profundo do que isso. Naquele momento, ficou claro para a grande mídia tradicional que, ao longo dos anos 2000, houve uma revolução que tem como consequência natural a queda do monopólio na hora de formar a opinião da população. Antes as pessoas tinham a oportunidade de ser contra ou a favor determinada reportagem, mas agora, com a internet, elas têm não apenas uma série de fontes de informação alternativas, mas também o poder de debater publicamente, com blogs próprios, redes sociais, janelas de comentários e tudo mais. Isso traz uma mentalidade democrática, uma maneira de ver o debate político, que até então não existia. Os veículos que compõem a mídia tradicional continuam importantes, mas agora são “um” elemento, e não mais “o” elemento.

***E a repressão policial?

*Foi um fator muito relevante, porque a polícia é o último braço do sistema político. O pensamento é mais ou menos assim: “A gente já se sente impotente para modificar, de fato, a estrutura política, e aí quando são feitas manifestações absolutamente legítimas, que reclamam dos preços abusivos do transporte público por uma péssima qualidade de serviço, vocês ainda mandam a polícia?”. Então aí eclode mesmo, porque o grau de desfaçatez já passa a ser inaceitável. A polícia entrou na agenda deste país e, enquanto não se tornar mais democrática, não vai sair. A polícia precisa ter clareza de que a sua concepção não é bélica, e que está ali para proteger os direitos das pessoas, não para tirá-los delas em nome do “combate ao crime”.

***Essa sensação de impotência perante o sistema político nasce da sua conjuntura atual, por você chamada de “pemedebismo”?Essa sensação de impotência perante o sistema político nasce da sua conjuntura atual, por você chamada de “pemedebismo”?
*Nem tão atual assim. Na época do impeachment do Collor, em 1992, o sistema político criou a explicação de que aquilo aconteceu não porque “ele não tinha apoio no Congresso”, mas porque “ele não tinha uma supermaioria” – superblocos parlamentares, gigantescos, o que também pode ser interpretado como a segunda figura do Centrão, da década anterior. A grande mídia teve um papel decisivo para convencer a sociedade de que aquela explicação era plausível, e assim, evidentemente, cria-se uma enorme pasteurização do sistema político.
***Quais são as características fundamentais do pemedebismo?
*São muitas, mas a principal delas é o acordo da governabilidade. Quem está no poder, se não quiser ser alvo de um monte de cotoveladas durante o trajeto que irá percorrer para aprovar uma proposta qualquer, precisa ter uma supermaioria a seu favor. Esse enorme bloco acaba por reproduzir os seus grupos e as suas máquinas dentro do Estado, e aí o projeto de blindar o sistema político contra a sociedade é alcançado.
***O pemedebismo não é a flexibilização ideológica, então, mas a quase ausência de qualquer ideologia em prol de um sistema político longe do alcance da sociedade?
*A impressão é que sim. Prefiro me referir a isso como “condomínio pemedebista”, porque “presidencialismo de coalização” passa a ideia de que realmente há partidos que se unem por um objetivo comum, e não é isso o que acontece. O PP (Partido Progressista), por exemplo, que é um ordeiro do partido que sustentou a Ditadura Militar, está no atual condomínio do governo. Quer dizer, que país é esse?
***Hoje, não há uma real oposição para o governo federal?
*Ela existe, é claro. Residualmente existem membros que fazem oposição ideológica. Mas o que quero dizer é que, na imensa maioria do bloco de oposição, não há a vontade de mudar o sistema político. O que existe, apenas, é a vontade de se tornar o síndico da vez deste enorme condomínio. As manifestações de junho, embora tenham tido alguma generalização abstrata – do tipo “somos a favor da saúde, da educação, da segurança, da paz e da felicidade no mundo” – podem trazer a médio prazo uma mudança nesta homogeneização da classe política. Talvez fique claro que há a necessidade de posições antagônicas e contrastantes para resolver os problemas que as pessoas colocaram nas ruas.
***Quando Lula assumiu, pelo menos, essa situação era diferente. O que aconteceu no meio do caminho para o PT aceitar esse jogo?
*O Mensalão – que é a contraprova do que estou querendo dizer a respeito deste acordo de governabilidade. Quando Lula assume, passa a existir o primeiro governo de minoria desde o Collor. E ele está lá, negociando, aprovando a reforma da previdência com o apoio da oposição, passando uma outra lei qualquer com o apoio da oposição, e assim vai. Quando o Mensalão aparece, o fantasma do impeachment vem junto. Naquele instante é decidida a adesão ao acordo de governabilidade, até então veementemente recusado, apesar das pressões constantes de todos os lados.
***O PT falhou nesta tarefa de reformar o sistema político, ou ainda é cedo para dizer?
*Ele foi eleito, basicamente, com duas missões: a primeira era essa, de reformar radicalmente o sistema político; e a segunda era diminuir as desigualdades sociais do país. Depois do Mensalão, o PT virou-se para a parcela organizada da sociedade que o apoiava e disse: “Olha, não é possível fazer as duas coisas. Eu vou ter de fazer um pacto com esse sistema político tal qual ele funciona, para, assim, poder diminuir a desigualdade”. E assim o fez.
***A reforma política é viável?
*Quando se fala em reforma política no Brasil, está se falando em reforma eleitoral. Talvez melhore um pouco, mas mudar a forma de eleição não é algo que irá reestruturar, de fato, todo o sistema. Por que são necessários 400 deputados para governar? Por que são necessários 60 senadores? Nem vou discutir o número de ministérios – porque podem ter 50, desde que eles funcionem -, mas atualmente só existem 39 porque você tem uma base de apoio gigantesca e precisa acomodar a todos. Para existir uma reforma verdadeira, o que precisa acabar é a cultura da supermaioria. E só a sociedade irá fazer com que essas reformas aconteçam. As pessoas precisam obrigar o sistema político a mudar, porque, por conta própria, ele não irá fazer isso.

***Em que medida a transição suave que o Brasil teve entre a ditadura e o início do seu processo de redemocratização influencia o pemedebismo de hoje?

*A ligação entre essas duas coisas é total. Após a ditadura, a forma que o conservadorismo encontrou para promover uma transição lenta e paquidérmica foi o progressismo, com aquela “união de todos que eram contra a ditadura e a favor da democracia” – e neste grupo estão, inclusive, aqueles que apoiavam a ditadura até pouco antes do barco afundar, que saíram com ele já naufragando. Hoje, temos a segunda figura desta unidade forçada. São maneiras de controlar a democratização da sociedade. É o conservadorismo em sua versão democrática.

***Quais são os cenários que se apresentam como alternativas ao pemedebismo?

*Acredito que há dois caminhos possíveis. O primeiro aconteceria se o sistema político conseguisse pelo menos se repolarizar, voltando a ter situação e oposição devido aos seus posicionamentos ideológicos, assim como era durante o governo FHC, com o PT e seus aliados históricos fazendo oposição e deixando isso claro a todo instante. Essa opção não teria força para reformar o cenário radicalmente, mas já seria alguma coisa. E o segundo, um pouco mais próximo do que seremos quando passarmos pela reforma, seria com plataformas políticas que não fossem baseadas na produção de supermaiorias. É possível ter uma maioria, simplesmente, e por meio desta maioria, formada por motivos ideológicos, tentar transformar o país com embates de verdade.

***É possível imaginar que, em vez de aceitar a necessária e clamada reforma, o sistema político encontre uma nova maneira de suavizar essas mudanças, mantendo as suas estruturas intactas?

*É possível. Daqui a dez anos, em uma nova conversa, talvez o assunto seja uma terceira figura do conservadorismo em tempos democráticos. Não acho que seja isso, mas é uma possibilidade. O que espero é que o pemedebismo seja característico da redemocratização, e que ele tenha ficado para trás. O Brasil precisa de uma revolução do que é o seu sistema político, e não de uma mutação do que ele é hoje.

Por DCM (Diário do Centro do Mundo)

Marilena Chauí estranha a candidatura de uma pessoa que se diz ‘apolítica’

10 set

São Paulo – A filosofa Marilena Chauí considera problemática a candidatura de Marina Silva (PSB) à presidência da República com base nas incoerências, contradições e paradoxos da ex-senadora. Em entrevista àRádio Brasil Atual nesta segunda-feira (8), a professora da USP levanta uma série de questionamentos a Marina, a começar pelo paradoxo de uma pessoa que se diz apolítica se candidatar ao posto político mais alto da República.

“Me parece incoerente se dizer apolítico e depois buscar esse posto político. Por que, por exemplo, não organizar um grande movimento social, religioso, de justiça, já que seriam movimentos que poderiam, sem problemas, dizerem-se apolíticos? É verdade que, no caso de um movimento religioso, a coisa se complicaria porque basta vermos o que acabou de acontecer com a proposta da candidata a respeito da adoção de crianças pelos casais gay e o fato de ela ter sido chamada à ordem pelo pastor de sua congregação religiosa e voltar atrás. Eu penso que há contradições, paradoxos, tanto no aspecto apolítico quanto nessa presença de alguns comandos religiosos”, comenta Marilena.

A professora da USP lembra que Marina se diz apolítica, mas tentou organizar um partido político, e nem sequer isso ela conseguiu. “Na estrutura política brasileira atual, com todos os problemas que estão colocados, nenhum poder Executivo governa, tanto no nível federal, estadual e municipal, sem que o seu partido negocie, no Legislativo, as políticas. Na medida em que ela não tem um partido, e que ela se diz apolítica, quem vai fazer a política e quem vai negociar?”, questiona.

A professora levanta dúvidas ainda sobre as influências econômicas da candidata do PSB. “Marina tem em sua assessoria econômica nomes como André Lara Resende e Eduardo Giannetti, com o neoliberalismo elevado ao seu grau máximo. Nós sabemos que do lado dos bancos há o interesse na autonomia do Banco Central para que os juros subam até o céu e, portanto, desativem as condições da produção econômica. Com essa assessoria econômica, como ela pode propor desenvolvimento sustentável? Essa política é antidesenvolvimentista.”

Uma outra questão que intriga Marilena é sobre a ligação de Marina com o agronegócio. Inicialmente a ex-senadora rejeitava qualquer aproximação, mas hoje tem em seu vice, Beto Albuquerque (PSB-RS), uma figura ligada aos grandes produtores rurais, e recentemente teve reunião com representantes do setor sucroalcooleiro do interior paulista.

“Como pode haver desenvolvimento sustentável ligado ao agronegócio? Em segundo lugar, como fica a relação com o MST e a reforma agrária e com os índios?” Para Marilena Chauí, mesmo que ela apresente a ideia do desenvolvimento sustentável, da reforma agrária e da boa vontade na relação social, o vínculo com o agronegócio torna isso impossível. “Ela teria que nos explicar, portanto, como ela compatibilizaria assessoria neoliberal, bancária, financeira, do agronegócio e desenvolvimento e manutenção de direitos sociais.”

Marilena questiona também se uma plataforma econômica neoliberal vai dar conta das questões políticas e sociais, já que a ideia de Estado mínimo transforma os direitos sociais em serviços a serem comprados no mercado, como educação, saúde, habitação e cultura.

“Essa privatização dos direitos, que é antidemocrática, é o pilar da posição neoliberal. Com essa assessoria econômica, financeira, neoliberal, agronegócio, como ficam os direitos sociais e, sobretudo, os programas sociais? Se nós partirmos em direção à privatização dos direitos e à ideia de uma possível privatização da Petrobras, eu me pergunto se todos os recursos que o governo Dilma Rousseff coloca, a partir do pré-sal, nos direitos sociais vai acontecer. Se você privatiza os direitos e se você privatiza o pré-sal, você não realiza os programas sociais existentes e, pouco a pouco, você desativa e retorna o país à condição de desigualdade e de exclusão excessiva”, diz.

Para a filósofa, as manifestações de junho do ano passado foram canalizadas para a candidatura de Marina Silva. “Havia essa dimensão mágica, que é a ideia de que, se você quer, acontece. Essa dimensão coloca a ação política como uma coisa imediata, não deixa saldo organizativo, não prossegue, não tem uma história, não tem nada. Por isso que terminou ali, por causa dessa dimensão mágica da movimentação. Você tinha os jovens trabalhadores precarizados, a meninada de classe média rica, o pessoal da periferia… você tinha de tudo. Era muito heterogêneo.”

Na parte final dos protestos, quando houve a comemoração da redução da tarifa de ônibus em São Paulo, Marilena diz ter ficado impressionada com as agressões físicas que os jovens manifestantes receberam, não só da Polícia Militar, mas também de outros participantes. Em especial houve agressões a militantes de movimentos sociais e partidos.

“Eles foram espancados, ensanguentados. Esses manifestantes que espancavam os outros, alguns deles estavam enrolados na bandeira do Brasil e diziam ‘não tenho partido político, meu partido é meu país’. Essa é uma afirmação do Mussolini e do Hitler. É uma afirmação do fascismo e do nazismo de que há um partido único e ele é o país.”

Marilena pensa que a candidatura de Marina corresponde a essa impressão que teve do risco de parte das manifestações se encaminhar para o conservadorismo e para a direita. “Eu fiquei muito preocupada porque isso pode ir em direção ao conservadorismo. Em vez de ir no sentido de uma atitude progressista e libertária, pode ir em um conservadorismo à direita terrível.”

“As manifestações gestaram um ideário que desembocou, finalmente, na candidatura da Marina Silva. Eu sei que todo mundo estava feliz e comemorando as manifestações, teve gente que falou que era como 1968, na Europa e nos Estados Unidos, teve gente que falou que era como a Primavera Árabe. Aí, quando disseram que era como a Primavera Árabe eu pensei ‘pronto, estamos perdidos’, porque o que aconteceu no Egito é que os generais vieram e produziram uma ditadura”, diz a filósofa.

https://soundcloud.com/redebrasilatual/chaui-faz-avaliacao-negativa-da-candidatura-marina

A oposição brasileira quer colher o que não plantou

8 set

Para o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos, o Brasil investe desde 2007 em infraestrutura e políticas públicas historicamente vetadas pelas elites. Alguns frutos já colhe. Outros estão por vir

por Paulo Donizetti de Souza, da RBA publicado 08/09/2014 14:30
 
THIAGO RIPPER/RBA
Wanderley
A agenda de vetos dos governos elitistas, até 2002, era maior que a agenda positiva. A elite se unia em torno do que não queria que fosse feito

Quando escreveu a obra Quem vai dar o Golpe no Brasil?, em 1962, Wanderley Guilherme dos Santos conquistou um respeitável espaço na ciência política ao antever a tramoia civil-militar detonada dois anos depois, que interromperia por quase três décadas os avanços sociais, políticos e culturais do país. Desde então, jamais deixou de investigar as contradições e desafios da democracia brasileira. Ainda hoje, estuda de seis a oito horas por dia para quatro pesquisas acadêmicas – sem deixar de desfrutar, “a lazer”, de livros de arqueologia, romances policiais e séries do Netflix.

Com história acadêmica ligada à Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde graduou-se em Filosofia em 1958, hoje é professor aposentado de Teoria Política da UFRJ, professor e fundador do Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (Iuperj). A completar 79 anos no próximo 13 de outubro, com 18 obras publicadas, dedica um de seus trabalhos a desconstruir as contradições entre os liberais contemporâneos e a escola do pensador Adam Smith, precursor dessas teorias no século 18, mas que mesmo ele ainda pressupunha ter uma dose razoável de valores morais humanistas e solidários a sustentar as sociedades que viriam a fundar o capitalismo – “Vivemos o mundo da antipatia social”, diz.

Para o cientista, poucas vezes o Brasil tentou empreender um ciclo econômico mais expansivo para o desenvolvimento humano. Teve alguns períodos, com Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek, em que os avanços acabaram sendo alvos de “vetos das elites”. Segundo Wanderley, as políticas sociais iniciadas por Lula em 2003, seguidas de investimentos em infraestrutura antes negligenciados pelos governos de plantão, iniciaram um novo ciclo – mantido e ampliado por Dilma –, que permitiu ao país trilhar rumos diferentes dos ditados pelas potências do centro econômico que semearam a crise mundial de 2008. Ele acredita que o Brasil está pronto para novos saltos de crescimento em seu PIB nos próximos anos. Está em jogo nestas eleições uma disputa com a velha oposição despida de projetos, ávida para desfrutar desse legado e desviar-lhe da rota mais adiante.

Um trabalho seu de 1962, Quem vai dar o golpe no Brasil?, anteviu 1964. E hoje, o senhor vê algo que permita temer um choque de retrocesso da democracia?

Em absoluto. Em 64 havia uma fragmentação das forças políticas relevantes, além de a própria sociedade também estar muito fragmentada. Isso tornava impossível a formação de uma coalizão sustentável de apoio ao governo. Por outro lado, a oposição também estava de tal modo fragmentada que não conseguia formar uma coalizão alternativa, só conseguia formar uma coalizão de veto. E havia uma radicalização ideológica profunda que não permitia uma composição. Era impossível a negociação política. A proposta hegemônica da esquerda no período, de pressionar pela aprovação de um projeto consistente de desenvolvimento, era suicida. Isso hoje não existe.

Em um artigo recente na revista CartaCapital, o senhor fala da presença, no cenário político, dos “especuladores da moral”. Qual é a semelhança entre eles e os especuladores do mercado financeiro?

Os especuladores dos mercados financeiros lucram com expectativas. Não criam nada, captam recursos e os revendem. O lucro deles não vem da criação de produto. Vem da diferença obtida com a especulação. A mesma coisa são os especuladores do mercado político. Eles criam fatos e factoides, podem eventualmente “lucrar” algo, um acréscimo em termos de aprovação, mas sem a criação de um projeto. A fama ou o apoio que recebem não decorre de uma sugestão de valor nacional ou econômico, mas de uma expectativa. É simplesmente “vamos acabar com a corrupção”, “isso tudo precisa mudar” etc. O sucesso tanto em um caso, o especulador financeiro, quanto no outro, o especulador moral, não decorre da criação de nada. Decorre da manipulação de expectativa. É a mesma coisa.

O mundo ainda sofre efeitos da crise de 2008, mas os países do centro econômico ainda querem restaurar os mandamentos que desencadearam a crise. Os mercados podem determinar as dinâmicas dos governos?

O potencial de novas ondas especulativas escapa da possibilidade de intervenção de governos como o brasileiro e de outros países emergentes. O que cabe a países como Brasil, Índia, Argentina, México, é administrar a defesa dos efeitos negativos desses ciclos. E nesse sentido o desempenho do Brasil tem sido espetacular. Mas os empresários brasileiros ficam na expectativa das decisões do FED (o banco central norte-americano) mais que das decisões do BC. Isso mostra o caráter subordinado de uma parte da economia brasileira, e curiosamente a que tem um papel importantíssimo, uma vez que os estímulos para a expansão e fortalecimento desse segmento industrial têm sido dados sistematicamente pelo governo, pela defesa do mercado interno justamente quando acaba o mercado externo. O empresariado pouco moderno não acompanhou a transformação do país.

Fala-se muito em gargalos de infraestrutura que não deixam o país ser competitivo, o que, aliás, não é de hoje. O país deixou de fazer alguma lição de casa?

Aí é que está a questão. Durante décadas, o Brasil, seus governantes e mesmo seu empresariado nascente não estavam dispostos ou preparados nem para sonhar com um país moderno, economicamente forte, aquilo que eles diziam que queriam. Na década de 1930, o debate fundamental era se o Brasil só devia exportar ou se devia criar indústria. Então, durante todas essas décadas, em não havendo sonho da possibilidade de um país moderno, não foram lançadas as condições básicas dessa modernidade, rodovia, ferrovia, aeroportos, transportes hídricos, nada. Isso tem a ver com o PIB, hoje dito pequeno, e do qual a oposição brasileira deseja se aproveitar nos próximos anos.
O que está acontecendo agora é justamente um investimento maciço naqueles setores, nas condições absolutamente necessárias para o crescimento do PIB. Porque no contexto existente não haveria mais como crescer o PIB, não tem mais pra onde andar o agronegócio, não tem como as empresas industriais crescerem. Então, o Brasil cresceu enquanto foi possível. Para crescer mais, não tem jeito: tem de expandir isso, e isso obviamente, enquanto está sendo feito, reduz um pouco a capacidade de crescimento. Agora a partir de 2016, 2017…

A política social “cria problemas” para si própria. Excelente! O que está sendo feito é o Brasil do século 21. A fase do governo dos trabalhadores se deu em duas etapas, de 2003 a 2006 e 2007 para cá. Agora virão os grandes PIBs

Os números do PIB são confiáveis e essenciais?

O número considerado do PIB é o geral, a média do país. Se tomarmos por setores, transporte, aeroviário, portuário, seria muito diferente. O número geral dilui os indicadores e tem servido pouco para medir o que está se passando no país em termos de transformação. O crescimento do PIB do Nordeste nos últimos anos é três a quatro pontos percentuais acima do crescimento nacional. O do Centro-Oeste é PIB chinês. Como o indicador nacional inclui tudo isso e misturado, fica pequeno. Quando todos os investimentos – em geração de energia, portos, estradas etc. – que hoje estão sendo feitos estiverem em condições de operar, o PIB vai ser uma enormidade. A oposição sabe disso. E se chegasse ao governo se apropriaria. Diria: “Tá vendo? Como eles não sabiam governar, o PIB agora está crescendo”. Seria fácil, porque, até apesar dessa oposição, o PIB vai crescer. Houve o crescimento da renda e do mercado interno, está havendo crescimento da infraestrutura e descentralização da economia – o que era fundamental. A oposição quer colher o que não plantou.

A propósito de oposição, fala-se muito numa suposta necessidade de medidas impopulares, reduzir salários, promover desemprego para segurar a inflação, cortar gastos públicos. Precisa?

Do ponto de vista do manual ortodoxo da economia, e daí o meu espanto com a mediocridade dos nossos economistas de oposição, eles estão certos. Afinal, é isso que está escrito nos livros, e eles não conseguem dizer outra coisa. Mas estava escrito em 2002 também, em 2005, 2006. E a partir de 2007 o país começou a fazer o PAC, o Plano de Aceleração do Crescimento. E em 2008, quando começou a crise braba, o Lula já havia promovido um processo de substituição de consumidores. Durante muito tempo, o Brasil viveu um processo de substituição de importação. A partir das políticas de transferências de renda, de valorização do salário mínimo, de estímulo ao consumo interno, o Brasil chegou a 2007, 2008, pronto para um processo de substituição de consumidores. E isso não ocorreu a nenhum deles da oposição. Não há uma determinação divina de que a aplicação de sua cartilha seja inevitável. A espécie humana sobrevive justamente por sua capacidade de se reinventar e superar desafios. E não por reincidir em experiências desfuncionais, como essas medidas de austeridade. Como é que elas podem ser consideradas remédios eficazes para os mesmos problemas que ajudaram a causar?

Em 2006, antes da reeleição do Lula, seus articuladores argumentavam que o governo ainda devia muito ao país, pois não se resolvem 500 anos de problemas em quatro. Que ficou devendo em relação ao que havia prometido, mas que não ficou devendo a nenhum governo anterior. Esse diagnóstico ainda perdura?

No primeiro mandato, de 2003 a 2006, foram lançadas bases de uma política social que propunha distribuição de renda. Bolsa Família, valorização do salário mínimo, ProUni, redução de impostos, política de cotas, Minha Casa, Minha Vida… Agora, é preciso equacionar as reformas por onde vai caminhar o desenvolvimento, senão nem essas políticas se sustentam. Há uma lista enorme de programas criados entre a década passada e depois de 2010. Hoje, para gente que antes não existia, há a presença do Estado do berço à velhice, mas isso será sempre pouco, estará sempre aquém da capacidade de qualquer governo. A política social “cria problemas” para si própria. Excelente! Então, a partir de 2007, começa uma mudança estrutural em relação aos eixos anteriores e tudo isso deixa um legado histórico. O que está sendo feito é o Brasil moderno, do século 21, não é brincadeira. Agora é que estamos terminando a primeira grande fase do governo dos trabalhadores, que se deu em duas etapas, uma de 2003 a 2006 e outra de 2007 para cá. E agora virão os grandes PIBs.

A elite se unia em torno do que não queria que fosse feito. A ruptura com isso teve de ser enorme. Quando você mexe em algo onde não mexia há consequências. As deficiências criadas pelo avanço só pelo avanço serão resolvidas

O que definiria a ruptura com a “outra fase”?

O Pronatec já havia sido criado pelos quadros do Ministério da Educação ainda no governo Fernando Henrique Cardoso, mas o governo vetava. Já existia um programa social aqui e ali, mas que não fazia diferença na vida do país. Então, a ruptura foi em 2003, quando se dá um significado maior a esses programas e a seus efeitos. E agora continua. O que existe hoje é um conjunto de políticas destinadas a segmentos sociais que até 2002 não faziam parte dos roteiros governamentais. A agenda de vetos dos governos elitistas, até 2002, era maior que a agenda positiva. A elite se unia em torno do que não queria que fosse feito. A ruptura com isso teve de ser enorme, e está sendo. E quando você mexe em algo em que antes não se mexia tem consequências. Então, claro que há deficiências, mas criadas pelo avanço. E que só pelo avanço serão resolvidas.

A existência de mais de 30 partidos não é um entrave para o entendimento pelos cidadãos da democracia e da política como meio de ­realização de suas aspirações?

Não é a quantidade de partidos que determina se o sistema político funciona ou deixa de funcionar. A Inglaterra, por exemplo, tem 12 partidos, mas a taxa de desperdício de voto na Inglaterra, ou nos ­Estados Unidos, é fora do comum. O Brasil tem uma das menores taxas de desperdício do voto do mundo, porque aqui todos os votos contam: o seu voto para uma pessoa, mesmo que ela não se eleja, conta para a coligação. Na verdade, haveria muito menos problemas se não tivesse um segundo turno eleitoral. A necessidade de ir para um segundo turno é que faz com que você tente se apropriar de uma mercadoria criada pelo Tribunal Superior Eleitoral, que é o tempo de televisão, a moeda de chantagem dos pequenos partidos.

O senhor acha que a Marina é uma terceira via como pretendia ser o Eduardo Campos?
Marina Silva é o que há de mais atrasado dentro do espectro político brasileiro. Ela é atrasada economicamente, na concepção de sustentabilidade que tem, na modernização da política da produção, em termos de costumes sociais, em relação a tudo. É uma missionária retrógrada. E pode ganhar uma campanha contra ela, se ameaçar Aécio.

Os protestos do ano passado produziram um impacto negativo sobre a política – sem nome, sem rosto, nem classe, nem lado – e também ao PT e a Dilma. Por que os outros políticos não foram chamuscados?

Eu não tenho resposta para isso a não ser uma brincadeira: São Paulo deveria ter sido vitorioso em 1932, porque isso só acontece em São Paulo. Em Minas, que foi o terceiro estado a ter mais depredação e violência, o Fernando Pimentel (PT) está levando numa boa. E aqui no Rio, o segundo, não existe PSDB. No Rio sempre foi uma disputa ruim, mas não como São Paulo. O Garotinho é o norte atrasado do estado. Não houve nada no Norte Fluminense em junho de 2013, nem em 2012, nem em 2011, está fora do tempo. E o Garotinho que quer que continue atrasado, porque se avançar ele deixa de ser representante. O Crivella é o evangélico. Pezão é um centro mais moderno, mas não é “político”. Lindberg é aventureiro. Então, o Rio de Janeiro está essa porcaria.

O senhor escreveu que considera a mídia brasileira fechada e reacionária e que a principal vítima disso é o cidadão comum. Por que o governo não mexeu nesse vespeiro?

Eu diria que é o dilema do revolucionário. Um líder revolucionário não toma uma iniciativa se não sabe qual apoio terá. Há dois erros possíveis de cálculo: um é não tomar a iniciativa quando haveria um apoio grande, mas que não pode se manifestar porque não houve uma ação inicial, uma sinalização; outro é quando há a iniciativa e não há apoio nenhum. Eu não sei qual foi o cálculo feito pelo governo. Mas se pensa que tem pouco apoio para essa medida, está temeroso demais.

Não sei que cálculo levou o governo a não fazer a lei de meios, mas foi temeroso demais. A revolução educa. O cidadão educado e insatisfeito não querque um jornal acabe. Mas vai querer um melhor

Estaria superestimando o poder das empresas de comunicação…

Eu acho que esse foi o cálculo. Então, tem de haver um poder de persuasão. Se tomar iniciativa, poderá constatar que o mesmo povo que antes da revolução parecia não estar nem aí pode chegar e dizer “opa! era por isso mesmo que eu não estava satisfeito, eu vou nessa…” O próprio ato ilustra, ilumina, esclarece. Eu posso citar Lênin: a revolução educa. Há uma óbvia insatisfação do cidadão educado, que busca revista, jornal, procura se informar. E pra isso é que existe a política, para dar exemplo, fazer e ver o que acontece. Não vai ter censura nem restrição de liberdade. Quem não está satisfeito com o jornal vai querer que o jornal acabe? Não. Vai querer um jornal melhor.

O que o senhor acha do ensino universitário? O número de universidades públicas aumentou, algumas passam por crises. No geral, a universidade brasileira vai ajudar a construir um novo modelo de sociedade? Ou ficou voltada para formar reprodutores do sistema baseado no consumo?

O crescimento indubitável do número de universidades e de universitários fatalmente vai levar a uma redução do nível. Vai ter de haver um tempo de maturação para que essas universidades passem a ter realmente um papel maior na criação do saber. E não vejo como justo cobrá-la disso agora. Há, sim, nichos de excelência que estão botando pra quebrar. Mas o problema é que a universidade no mundo todo está ficando obsoleta, porque a taxa de crescimento do conhecimento e suas subsequentes criações tecnológicas estão a uma velocidade que a universidade leva tempo para alcançar. A universidade é uma organização, uma forma de garantir a manutenção e a difusão do conhecimento, e nela outros conhecimentos vão surgindo. O problema é que hoje a universidade difunde um conhecimento que já é obsoleto.

O mundo está perdendo a fertilidade de líderes e pensadores? Ainda vai haver inteligência capaz de propor novas soluções?

Ah, vai, de outro tipo, mas vai. Eu tenho um neto de 8 anos, ele vive num mundo do qual eu não participo. Sabe tudo, faz o diabo, tem opiniões estéticas dos filmes que vê com o pai e a mãe, sobre pintura, vai a museu. Essa cultura faz parte da formação dele. Eu sou um homem obsoleto, mas as novas gerações não são. Tenho dificuldades de incluir na minha concepção humanista certos tipos de procedimentos ou de concepções, que eles tratam de maneira perfeitamente natural.

Os empresários brasileiros ficam na expectativa das decisões do FED mais que das decisões do BC. Isso mostra o caráter subordinado de uma parte da economia brasileira

Assim como o século 19 absorveu tudo aquilo que foi criado no século 18, que foi um século de explosão cientifica. Enquanto pensadores do século 18 resistiram às novidades, os do século 19 reagiram numa boa. Isso pra mim (aponta para o computador) não é natureza. Pra mim, natureza é datilografia, aprendi numa boa; aprendi taquigrafia… Então, o problema da universidade é complicado, de longo prazo e não sei como vai ser resolvido. Eu sei que o que ela está ensinando é obsoleto, mas quais são os canais para refazer aquela junção entre a difusão e a inovação? Não faço ideia.

O senhor ainda lê muito?

Estou trabalhando em quatro pesquisas. Uma ­delas tem a ver um pouco com esse “mundo.com”, ­esse mundo novo, do ponto de vista social. Esses grupos pequenos que aparecem têm a ver com o ­processo importantíssimo da divisão social do traba­lho globalizado que está em andamento e é irrever­sível, vai tomar conta. Eu estava lendo ­ontem que o (empresário do setor de siderurgia) Jorge ­Gerdau ­está montando­ fábrica não sei onde porque­ fica mais barato do que montar aqui. Imperialismo moderno. Um produto hoje tem um componente fabricado na Austrália, outro na Inglaterra, outro no Rio Grande do Sul, e mesmo incluindo os custos de transporte, e instalando uma outra unidade não sei onde para receber tudo e montar, sai mais barato do que fazer tudo numa planta só. É o outsourcing economics. Provoca impacto nas cadeias produtivas e também nas cadeias de solidariedade entre os trabalhadores. Não há uma formação de uma identidade permanente de um certo setor, porque não tem “um” setor. Parte dos precarizados da Espanha tem a ver com isso.

E como está indo?

Eu comecei com Adam Smith (precursor da teoria do liberalismo econômico, 1723-1790) e os clássicos. Sempre houve na economia de mercado uma tensão entre o interesse material e os valores morais – simpatia, benevolência, solidariedade, nada disso junta com interesse material. Isso é uma tensão muito grande, em todos os séculos que eu estou vendo, de lá até o momento atual. Que é um momento de subversão, de recusa da tentativa de encontrar uma solução que compatibilize, é um momento de “fodam-se”. Smith desenvolveu o conceito do fundamento utilitário da simpatia social, termo com que ele explicava a origem da capacidade da humanidade, apesar da naturalidade de seu egoísmo, de imaginar-se no lugar dos outros, o que torna as pessoas conscientes de si e da moralidade de seu comportamento. E a desistência dos pensadores liberais contemporâneos em relação é isso é total. Então, é o mundo da antipatia. Estou te dando de primeiríssima mão como é que eu vou estudar o mundo moderno no qual o Brasil está entrando.

Seria o mundo da desumanização das relações?

É. Você vê aquela disputa em torno da biografia autorizada? Você transforma tudo em mercadoria, não é? A biografia só autorizada significa o seguinte: eu faço da minha vida uma mercadoria. A Paula Lavigne, é isso que ela está dizendo: “Não é que a gente não queira, só precisamos negociar…” O Roberto Carlos está vendendo a própria biografia. É claro que é seletiva. Uns pedaços que dão mais ibope. O resto ele não conta. “A vida secreta de Roberto Carlos por ele mesmo”…

Mas vai vender…

Oh! Mas, meu caro, esse é o mundo horroroso no qual nós estamos entrando. É claro que isso não vai ficar sem resposta. Nem sem reação. Esse é o inimigo. A “mercadorização” de tudo. O cálculo utilitário levado às últimas consequências

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.853 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: