Ingleses :.calem a bôca

7 dez

CHICO VIGILANTE7 DE DEZEMBRO DE 2012 ÀS 16:28

A revista britânica The Economist, em matéria publicada esta semana, criticou as medidas econômicas do governo brasileiro, qualificou a economia brasileira de “moribunda criatura” e disse que se a presidenta Dilma quiser se reeleger em 2014 deve demitir o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Não posso me calar diante de tamanho descalabro com a soberania nacional. A população brasileira deve estar se perguntando  com que direito estes senhores se arvoram em criticar o Brasil e a opinar sobre nossos assuntos internos?

A direcão da revista parece se esquecer que os tempos do colonialismo, infelizmente para eles, já se acabou. Vivemos em pleno século XXI e de acordo com normas e convenções internacionais, a ingerência externa em assuntos de natureza interna de outros paises é amplamente condenada pelas nacões consideradas modernas e democráticas.

Desesperados com os catastróficos desempenhos das economias inglesa e americana – 50% dos leitores da The Economist são americanos – eles tentam criar um clima de insegurança em relação à economia brasileira na tentativa de afastar daqui os grandes investidores.

Para a The Economist, existe uma “intromissão” excessiva do governo brasileiro na economia. “Ainda mais do que Luiz Inácio Lula da Silva, a senhora Rousseff parece acreditar que o Estado deve dirigir as decisões do investimento privado. Estas micro-intervenções derrubam a confiança na política macroeconômica,” afirma a reportagem.

Ao qualificar a chefe de estado de uma nação estrangeira de “intrometida-chefe” referindo-se à presidenta Dilma e às intervenções do Estado no mercado brasileiro, os editores da revista estão abrindo portas para uma crise diplomática internacional.

A revista deveria se preocupar com os sombrios destinos da economia inglesa que patina já há algum tempo sem que governo e oposição se entendam a respeito do que fazer.

A definição técnica de recessão é dois trimestres seguidos de crescimento negativo, mas o certo é que a economia britânica vem aos trancos e barrancos há mais de um ano.

Na semana passada, o Banco da Inglaterra (Banco Central) reconheceu que não podia descartar a possibilidade de que “o PIB caia três semestres consecutivos”. Segundo informe do Escritório Nacional de Estatísticas (ONS), a economia britânica já entrou tecnicamente em recessão.

A política conservadora do primeiro ministro David Cameron levou à recessão o país e ele reconheceu recentemente na  Câmara dos Comuns, que a situação já difícil se complicou ainda mais.

O trabalhista Ed Miliband, líder da oposição, qualificou os dados da economia inglesa como “catastróficos” e assinalou que eles eram de inteira responsabilidade da política do primeiro ministro e de seu ministro da Economia .

Segundo Simon Wells, economista do banco HSBC, “o Reino Unido apenas começou seu esforço de consolidação fiscal e o setor governamental seguirá impactando negativamente sobre a possibilidade de crescimento do PIB nos próximos cinco anos”.

Ou seja, eles intervem no mercado mas nós não podemos tomar medidas que consideremos importantes. Dois pesos e duas medidas. Os ingleses deveriam se preocupar com a sombria situação de seu país para o futuro e deixar o Brasil em paz. Ou melhor, não se meter onde não são chamados. Do Brasil cuidamos nós!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: