Maduro foi a escolha certa

15 abr

Madurovenceuhome
E Nicolas Maduro ganhou.
Foi uma vitória apertada, é verdade: 51% a 49%.
Mas, consideradas as circunstâncias, foi um feito extraordinário.
Lembremos.
Poucos meses atrás, Maduro era virtualmente desconhecido. Os venezuelanos tomaram real contato com ele quando Chávez, antes de embarcar para Cuba pela última vez para tratar do câncer que afinal o matou, o apresentou ao povo.
Chávez pediu que, caso ocorresse o pior, os venezuelanos votassem nele.

Ocorreu.

Maduro, saindo do nada, fez em tempo exíguo uma campanha presidencial em meio ao luto pessoal e à tristeza avassaladora de milhões de venezuelanos que se sentiram subitamente órfãos.

E ganhou.

Capriles, seu adversário, tinha já a alavanca da campanha anterior, na qual perdeu para Chávez – mas com uma votação expressiva.
Tinha também, ainda que jovem, uma carreira política relevante: não apenas é o governador de Miranda, um dos principais estados venezuelanos, como foi o nome capaz de unir pela primeira vez toda a oposição a Chávez e ao chavismo.

Com tudo isso, Maduro ganhou.

Você pode fazer um paralelo com Dilma e Lula. A diferença é que Maduro, ao contrário de Dilma, não teve Lula ao lado. E nem fez campanha enlutada.

Foram 300 mil votos de diferença, e Capriles clama auditoria. Que se faça – embora o sistema eleitoral venezuelano seja amplamente considerado um dos mais modernos do mundo.

Mas que fique registrado que o mesmo Capriles, recentemente, ganhou o governo de Miranda por 45 mil votos, e sua vitória não deixou de ser reconhecida.
Há muito por fazer na Venezuela.
Um pequeno grupo de privilegiados fez do país, ao longo dos tempos, um dos exemplos mais abjetos de desigualdade social, sob o patrocínio dos Estados Unidos e sua louca cavalgada em busca do petróleo alheio.
Tanto descalabro por tantos anos levou ao caos social que nós, brasileiros, conhecemos bem. É grande a violência urbana na Venezuela, por exemplo.
Mas Maduro, muito mais que Capriles, representa a continuidade de uma política cujo principal foco é, exatamente, reduzir o abismo social que é a primeira, a segunda e a terceira razão da violência urbana.
Da oposição venezuelana, espera-se que, passada a frustração compreensível por perder para um desconhecido, tenha um papel digno no futuro da Venezuela.
A extrema polarização que existe hoje no país – parecida, aliás, com a brasileira – deriva fundamentalmente dessa oposição, ao contrário do que se tenta dizer.
Chávez apenas reagiu às agressões – a maior das quais foi um patético golpe que durou 24 horas. A mídia venezuelana – imagine uma Globo ainda mais predadora – jogou baixo contra Chávez o tempo todo. Esteve por trás do golpe fracassado, e insultava regularmente até a mãe de Chávez.

Maduro venceu, e é bom para a Venezuela e os venezuelanos.

Agora é hora de cumprir uma agenda lotada de desafios.

Paulo Nogueira-Diário do Centro do Mundo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s