Renda dos mais pobres cresceu 14% em 2012, conclui Ipea

1 out

Estudo sobre os dados da Pnad mostra que o crescimento médio da renda domiciliar no Brasil, de 8% no ano passado, superou o PIB per capita chinês

por Redação da RBA 
São Paulo – A renda domiciliar per capita dos 10% mais pobres da população brasileira cresceu 14% em 2012 em relação ao ano anterior, já descontada a inflação do período. Na média da população brasileira, o crescimento foi de 8%, índice maior do que o PIB per capita chinês, que cresceu 7,3% e foi o maior do mundo. A constatação estão em estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) a partir dos microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE, divulgada na sexta-feira passada (27).

A renda domiciliar per capita aumentou em 2012, atingindo o valor de R$ 871,77. Segundo o Ipea, o crescimento da renda em 2012 foi excepcionalmente forte em todas as camadas da pirâmide social brasileira. Enquanto os 10% mais pobres experimentaram um aumento de 14% nos rendimentos domiciliares per capita, para os 10% mais ricos este aumento foi de 8,3%.

O crescimento da renda domiciliar mostra um descolamento desse indicador em relação ao crescimento do PIB, que subiu apenas 0,1% em termos reais em 2012. O fenômeno não é novo, aponta o Ipea, e já havia sido detectado em pesquisas anteriores.

Segundo o instituto, o PIB per capita e a renda disponível bruta per capita não são as “melhores escolhas para se medir o padrão de vida das famílias – pois compreendem as fontes de rendimento de todos os agentes da economia: famílias, governo, empresas e instituições sem fins lucrativos”.

O histórico de resultados da Pnad, levantado pelo Ipea, mostra a redução na desigualdade dos rendimentos da população entre 2002 e 2012: enquanto a renda média dos 40% mais pobres aumentou 6,4%, ao ano, o aumento para os 5% mais ricos foi de 2,4%.

O resultado vai em sentido oposto ao verificado na década anterior (1992-2002), quando a renda dos 5% mais ricos cresceu 2,87% ao ano, acima dos 2,55% registrados para os 40% mais pobres.

O padrão de crescimento alto entre os mais pobres levou a uma queda substancial na proporção de pessoas abaixo da linha oficial de extrema pobreza (R$ 70 per capita em julho de 2011) de 4,2% em 2011 para 3,6% em 2012, num total de 6,5 milhões de pessoas.

Mesmo com os avanços, a diferença de renda permanece elevada no país. Os números mostram que o rendimento dos 40% mais pobres foi de R$ 241,81 per capita, enquanto os 5% mais ricos tiveram um rendimento médio de R$ 5.178,37 per capita.

O Ipea destacou ainda os avanços registrados na educação na Pnad de 2012. A escolaridade média da população ocupada atingiu 8,8 anos em 2012, um crescimento de 54% em relação à média de 5,7 anos registrada em 1992.

“A escolaridade média em anos de estudo da população ocupada e a desigualdade educacional já vêm melhorando continuamente nas duas últimas décadas, mas, após uma desaceleração em 2011, o ano de 2012 registrou o melhor avanço nas séries históricas de ambos indicadores nos últimos 20 anos”, afirma o estudo.

Para ler a íntegra, clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: