CIA paga US$ 10 mi a empresa de telefonia para ter acesso a dados de clientes, diz jornal

8 nov


A CIA (central de inteligência dos EUA) paga US$ 10 milhões por ano à gigante multinacional de telecomunicações e telefonia AT&T em assistência para investigações de contraterrorismo no exterior, disponibilizando assim seu vasto banco de dados de gravações telefônicas, incluindo os cidadãos norte-americanos que ligavam para o exterior. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (07/11) pelo jornal The New York Times, que conversou sob sigilo com funcionários do governo.

De acordo com o jornal, a cooperação é feita por meio de um contrato voluntário, sem determinação judicial. A empresa, tampouco, teria sofrido qualquer tipo de intimidação.

[Sede da empresa, em Dallas (Texas)]

Pelo esquema, a CIA fornece à empresa números telefônicos de suspeitos de terrorismo localizados no exterior. A AT&T, por sua vez, acessa seu banco de dados e fornece o historico de chamadas que ajudaria a identificar contatos e associados. A companhia detém um grande arquivo de dados telefônicos, tanto domésticos, quanto estrangeiros que não se limitam a dados de seus assinantes.

As revelações voltam a abrir o debate sobre os laços entre agências de inteligência e empresas de telecomunicações para fins de espionagem. E também mostram que outras agências além da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA) utilizam-se de metadados para investigações.

 A CIA, no entanto, está proibida de espionar atividades de norte-americanos no país, o que a obriga a implementar salvaguardas, segundo os agentes. A agência não quis confirmar a veracidade da informação ao jornal, mas afirma que sua coleta de informações respeita as leis de privacidade, e está “expressamente proibida” de coletar informações de cidadãos norte-americanos no país.

A maior parte dos registros coletados pela empresa é de contatos de estrangeiros com estrangeiros, mas quando um de seus interlocutores está em território norte-americano ela não revela a respectiva identidade. Nesses casos, a CIA encaminha os números protegidos ao FBI (polícia federal norte-americana), que por sua vez intima a companhia a fornecer a informação sem censura.

Procurada pelo jornal, a AT&T não confirmou a informação, se limitando a dizer, através de seu porta-voz, Matt Siegel, afirmando que a empresa respeita a privacidade de seus clientes e que trabalha “com afinco para protegê-la, garantindo o cumprimento da lei sob todos os aspectos. Não comentamos questões relacionadas à segurança nacional”.

O escândalo de espionagem envolvendo as agências de inteligência norte-americanas teve início em junho, quando o ex-consultor da NSA Edward Snowden repassou aos jornais The Washington Post eThe Guardian documentos secretos que indicavam que a agência tinha acesso secreto a gravações telefônicas e da internet de milhões de usuários nos Estados Unidos. Posteriormente, descobriu-se que o alcance era ainda maior, sendo que até governos e chefes de Estado foram alvo de espionagem sem que houvesse qualquer ligação destes com suspeitas de terrorismo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: