As multinacionais americanas são mais leais ao lucro que a seu país

23 jan

Supercasa de Bill gates: a Microsoft é mestra em evasão de impostos

Supercasa de Bill Gates: a Microsoft é mestra em evasão de impostos

O artigo abaixo foi publicado, originalmente, no site Common Dreams. O autor é o jornalista Robert Scheer, editor do site Truthdig.com e colunista do jornal The San Francisco Chronicle.

Jovem: procure um paraíso fiscal para evitar o pagamento de impostos. Fique inteiramente à vontade em terras estrangeiras, e se você entrar em apuros, o Tio Sam irá correndo para ajudá-lo diplomaticamente, economicamente e militarmente, mesmo que você tenha conseguido evitar o pagamento por esses serviços governamentais. Basta fingir que você é uma corporação multinacional.

Essa é a instrução sincera para o sucesso empresarial fornecida por 60 das maiores empresas americanas que, segundo uma análise do jornal Wall Street Journal, “colocaram um total 166 bilhões de dólares no ano passado em paraísos fiscais”. Mais de 40% de seus lucros escaparam, assim,  dos impostos cobrados nos Estados Unidos. Todos  fazem isso, incluindo Microsoft, GE, o gigante farmacêutico Abbott. Muitos, como a GE, são tão bons nisso que têm evitado totalmente impostos nos anos recentes.

Mas todos eles ainda esperam que o Tio Sam venha em seu auxílio com poder de fogo militar, no caso de os nativos ficarem inquietos e nacionalizar ativos da empresa. Nós ainda temos um bloqueio contra a Cuba de Fidel Castro porque, mais de meio século atrás, os cubanos ousaram nacionalizar uma companhia telefônica de propriedade americana. Neste mesmo período, temos consistentemente intervindo militarmente em outros países para manter o controle das corporações dos EUA sobre os recursos do mund. Países como Iraque e Líbia têm que permanecer seguros para nossas companhias de petróleo.

Corporações multinacionais dos EUA ainda precisam da Marinha para proteger as rotas marítimas e do Departamento de Comércio dos Estados Unidos para proteger os direitos autorais. Também esperam que o Banco Central e o Departamento do Tesouro estejam aptos a fornecer ajuda e dinheiro barato.

Eles querem um governo dos EUA enorme para financiar avanços científicos, educar a força de trabalho futura, sustentar a infraestrutura e fornecer lei e ordem no âmbito doméstico, mas simplesmente não acham que devem ter de pagar por isso. O governo dos EUA existe para fazer principalmente o mundo seguro para as corporações multinacionais, mas  elas não sentem nenhuma obrigação de pagar por essa proteção.

Pense nisso quando você for pagar seus impostos nas próximas semanas, e considere que você tem que cobrir a lacuna deixada por travessuras dos meninos grandes. Além disso, quando você contemplar os cortes dolorosos que estão sendo feitos em projetos sociais, lembre que, como o Wall Street Journal estimaou, aquilo que apenas 19 dessas empresas deixaram de recolher em impostos seria mais do suficiente para cobrir os 85 bilhões de dólares que geraram um impasse em torno do Orçamento no Congresso.

Os mais hábeis neste jogo são as empresas de tecnologia e as de saúde, que, como uma investigação do Senado no ano passado revelou, viraram especialistas em transferir faturamento para países de impostos baixos. No ano passado, a Microsoft elevou em 16 bilhões de dólares a parcela no exterior de seu faturamento global. Com isso, 60, 8 bilhões do faturamento da companhia em 2012 escaparam da tributação americana.

A Oracle aumentou sua participação estrangeira em um terço, Incluindo novas subsidiárias em países de impostos baixos como a Irlanda. A Abbott estima que economizou 1,6 bilhão de dólares em impostos dos EUA através de suas operações em mais de uma dúzia de países. Quase todo o faturamento da Johnson & Johnson — 14,8 de 14,9 bilhões dólares – está declarado no exterior, mas mesmo assim a empresa afirma ser uma empresa dos EUA.

Uma das companhias mais familiares aos americanos, a GE, que em uma época mais inocente contratou Ronald Reagan para fazer propaganda de seus produtos, é uma das campeãs em evasão. Hoje dois terços dos empregados da GE estão no exterior. A empresa evitou impostos nos Estados Unidos nos últimos dois anos e tem 108 bilhões de dólares depositados no exterior.

Reagan como garoto propaganda da GE

Dois anos atrás, o presidente Obama nomeou o CEO da GE Jeffrey Immelt para comandar seu Conselho de Empregos, apesar do fato de Immelt ter cortado a força de trabalho de sua empresa dos EUA por um quinto. A excelênia da GE não está mais na fabricação de aparelhos, mas na manipulação financeira.

Para todas estas corporações, o amor pelo lucro é maior do que a lealdade para o país.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: