Tag Archives: corrupção

PROPINA NO FUTEBOL RENDE BILHÕES À GLOBO

17 nov

247 – O suposto esquema de pagamento de propina feito pela Globo a dirigentes do futebol para conseguir direitos de transmissão de jogos se revelou um negócio de altíssimo lucro para o grupo de mídia da família Marinho. 
Conforme relata Bárbara Sacchitiello, em reportagem do portal Meio e Mensagem, só na temporada de 2018 de futebol, a Globo lançou pacotes comerciais aos patrocinadores que podem render receitas de R$ 2,460 bilhões. 
A emissora criou um pacote comercial para as transmissões nacionais e internacionais e outro exclusivamente para a Copa do Mundo da Rússia. O pacote de Futebol 2018 – que engloba o Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Copa Libertadores da América, Campeonatos Estaduais, Copa-Sulamericana e Amistosos da Seleção Brasileira – contém seis cotas de patrocínio, com valor de tabela de R$ 230 milhões cada. Têm prioridade os atuais patrocinadores do futebol da Globo: Banco Itaú, Ambev (Brahma), Chevrolet, Johnson & Johnson, Ricardo Eletro e Vivo. 
Já para a Copa da Rússia, o plano comercial da Globo também contempla seis cotas de patrocínio, com valor de tabela de R$ 180 milhões cada. 
Conforme delatou o empresário Alejandro Burzaco, a Globo é acusada de participar de um esquema de pagamento de propina de R$ 50 milhões para garantir direitos de exclusividade nas Copas do Mundo de 2026 e 2030.
Em seu depoimento, em que a Globo é citada 14 vezes, Burzaco detalha propinas pagas a José Maria Marin e Marco Polo del Nero, o ex e o atual presidente da CBF. Só na Copa América de 2015, o equivalente a R$ 10 milhões teria sido pago à dupla e a Ricardo Teixeira, que os antecedeu no cargo.

Anúncios

JUSTIÇA DE NY MOSTRA O CAMINHO DA PROPINA DA GLOBO

17 nov

247 – Nas reportagens que tem feito sobre o escândalo Fifa, em que é acusada de participar de um esquema de propinas de R$ 50 milhões para garantir direitos de exclusividade nas Copas do Mundo de 2026 e 2030, e também em torneios sul-americanos, a Globo tem afirmado que o delator Alejandro Burzaco, da empresa Torneos y Competencias, não esclareceu como a propina teria chegado às mãos do cartola argentino Julio Grondona, já falecido, que negociava os direitos de transmissão.
Nada mais falso. A ata do depoimento de Burzaco em seu segundo dia de depoimento, ocorrido nesta quarta-feira 15, foi obtida pela reportagem do 247 e mostra com clareza como dinheiro saiu do caixa da Globo e parou nas contas de Grondona. “Os direitos foram transmitidos à Teleglobo no Brasil. Para isso, a T&T Netherlands recolheria da Teleglobo e usaria parte dos fundos da T&T Netherlands para pagar subornos”, disse Burzaco. Ele afirma ainda que os direitos de transmissão foram negociados abaixo do valor real de mercado, justamente para que houvesse espaço para propinas.
Em seu depoimento, em que a Globo é citada 14 vezes, ele também detalha propinas pagas a José Maria Marin e Marco Polo del Nero, o ex e o atual presidente da Confederação Brasileira de Futebol. Só na Copa América de 2015, o equivalente a R$ 10 milhões teria sido pago à dupla e a Ricardo Teixeira, que os antecedeu no cargo. Marin é citado 32 vezes no documento desta quinta-feira 16 – Del Nero aparece em 41 citações.
Burzaco também afirma que a T&T Netherlands foi criada na Holanda justamente com o propósito de pagar propinas.

O silêncio suspeito do MPF diante do caso Globo

16 nov

Por Tereza Cruvinel ( Brasil247)

Ao longo da Operação Lava Jato, tornou-se evidente a existência de uma aliança entre o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a mídia, que fez a sua parte com uma cobertura espetaculosa, desprezando a presunção da inocência dos investigados e executando a divulgação seletiva das delações premiadas vazadas por procuradores ou delegados federais. Os veículos do grupo Globo foram parceiros especiais desta aliança, comparecendo com suas equipes na hora exata para documentar prisões e conduções coercitivas. Até agora, o Ministério Público Federal fez silêncio absoluto sobre as revelações do empresário argentino Alejandro Burzaco a uma corte de Justiça de Nova York, apontando a TV Globo como um dos veículos que teriam pago propina para garantir exclusividade na compra de direitos de transmissão dos jogos da Copa Libertadores da América e da Copa Sulamericana de Futebol. Passado o feriado desta quarta-feira, a persistência do silêncio do Ministério Público sobre o assunto será suspeita, fortalecendo a percepção de que sua vigilância também é seletiva.
A TV Globo – que recentemente reestruturou toda a área de esportes, entregando seu comando a Roberto Marinho Neto, filho de José Roberto Marinho, negou as acusações, alegou a realização de sindicância interna que não encontrou irregularidades e colocou-se à disposição da justiça americana. Como todas as pessoas físicas e jurídicas, faz jus à presunção da inocência mas, agora, a situação exige que o assunto seja examinado também pelas autoridades nacionais. A situação complicou-se nesta quarta-feira com novo depoimento de Buzarco afirmando que a Globo participou de um esquema de propinas da ordem de US$ 15 milhões, o equivalente a R$ 50 milhões, para garantir a exclusividade nas transmissões das Copas de 2026 e 2030. Forneceu detalhes sobre a operação, que teria envolvido depósitos numa conta na Suíça em favor de um ex-dirigente da Fifa, Julio Grondona, já falecido. A empresa de Buzarco teria sido intermediária do pagamento, segundo informação do site Buzzfeed, que tem feito a cobertura mais aguerrida do escândalo no futebol global, investigado pela justiça americana. Delatores mentem ou podem mentir, em busca de proteção judicial, não podendo suas delações ser tomadas como base para condenação. Mas aqui no Brasil, especialmente em relação a alvos do PT, a mídia em bloco, Globo incluída, sempre tomou as delações como base para condenações midiáticas antes do proferimento de sentença.
Outro elemento fundamental para o êxito da Lava Jato foi a cooperação internacional com autoridades judiciárias estrangeiras de combate à corrupção. Tanto o juiz Sergio Moro como o ex-procurador-geral Rodrigo Janot estabeleceram uma sólida aliança com juízes e procuradores dos Estados Unidos. Se o Ministério Público resolver demonstrar seu interesse pelo assunto, pode começar pedindo a cooperação da Justiça americana neste caso. No tribunal do Brooklyn, em Nova York, terá seguimento nos próximos dias o julgamento da acusação de procuradores americanos, que acusam dirigentes mundiais de futebol de terem recebido R$ 500 milhões em propinas nas últimas décadas. Os procuradores brasileiros certamente vêm acompanhando o assunto. O que os silencia é o desconforto de ter que investigar um parceiro nacional tão estratégico, observando o devido processo legal, embora não o tenham feito em relação a muitos investigados da Lava Jato.

SACRIFICARAM O BANESTADO PARA ESCONDER A GRANDE CORRUPÇÃO DO GOVERNO FHC.

19 out

 

banestado 003

Por Serginho Athayde

É preciso ter coragem para noticiar a verdadeira história da privatização do BANESTADO. O banco oficial estadual era um dos mais enxutos financeiramente do país, com um quadro profissional reconhecido nacionalmente, como um dos mais capazes do sistema financeiro oficial, tanto é verdade, que vinham de todos os cantos do Brasil, funcionários de outros bancos oficiais para serem treinados em nosso RH.

Eram tempos da quadrilha de FHC, o Brasil enfrentava uma grande crise econômica, e interessava aos tucanos privatizar todos os bancos oficiais, principalmente o BANESTADO, para esconder a grande negociata de evasão de divisas conhecida como Privataria Tucana. Nesse contexto de crise econômica e privatização levaram o BANESTADO a uma profunda crise. O BANESTADO era a joia cobiçada da farra das privatizações dos bancos oficiais, processo iniciado no governo da quadrilha FHC, que terminará no atual governo da quadrilha Temer, com a privatização do BANRISUL, e dos bancos federais CAIXA e BB.

A privatização do BANESTADO levou para os cofres públicos do governo do Paraná, só do PROES (Programa de Incentivo a Redução do Setor Público Estadual na Atividade Bancária) mais de 6 bilhões, e mais o valor que o Banco Itaú S.A pagou pela “compra”, que ao certo ninguém sabe quanto foi, mas que enriqueceu vários parlamentares e figuras importantes do governo Lerner e da República.

banestado 004
O que também não se revelou, é que as dívidas do governo Lerner com os servidores públicos, foram jogadas para o BANESTADO, era a estratégia desse governo, jogar todas as suas dívidas na conta do banco, para que o governo federal pagasse, tinham que enxugar financeiramente o banco, para “vende-lo”. É uma falácia escandalosa apontar o BANESTADO como culpado das dívidas não pagas pelo governo Lerner ao funcionalismo e a outros credores.

A falta de notícias do PIG em relação as negociatas do governo FHC, escondia a necessidade imperiosa de privatizar o BANESTADO, para não trazer a público a negociata da evasão de divisas e de seus documentos, ou seja, do bilionário valor pago em propinas aos tucanos pelos compradores das empresas privatizadas, a fantástica e escandalosa Privataria Tucana, ou seja, a lavagem do dinheiro mandado para o exterior pelas agências do BANESTADO de Nova Iorque, Foz do Iguaçu e outras, valores que chegaram, conforme a CPMI do BANESTADO, a R$ 150 bilhões em dezembro de 2004, que transformaram o banco num das maiores empresas de lavagem de dinheiro ilegal do país, ou quem sabe do mundo.

A mega corrupção precisava ser escondida a qualquer custo, a estratégia era a de quebrar o BANESTADO com uma má gestão proposital, colocar nas contas de sua responsabilidade todas as dívidas do governo Lerner, para ganhar a participação do governador, e mais, impedir a possibilidade da denúncia dos ladrões tucanos. Para que isso acontecesse, era necessário que o BANESTADO fosse rapidamente “vendido”, e os papéis da mega negociata, as provas, sumissem, não se importando com o funcionalismo de carreia e concursado do banco, que a partir da sua privatização iriam amargar a tragédia das demissões, e passar a viver no próprio inferno.

O governo Lerner ganhou muito dinheiro de FHC para pagar as dívidas do seu governo, estrategicamente já tinha jogado todas para a conta do BANESTADO, e o Itaú ficou com a joia cobiçada pelo sistema financeiro privado nacional. O banco foi “vendido”, acreditem, “vender” um banco de massas, 550.000 clientes naquela época, com uma forte inserção na economia do Paraná, amado pelos paranaenses e seu funcionalismo, e com uma fundação de previdência dos funcionários, com um ativo fabuloso na época, que hoje está em mais 5 bilhões de reais.

Em Brasília, criaram uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito. “A CPI do Banestado foi uma das mais conturbadas investigações parlamentares já realizadas pelo Congresso Nacional. Ela só foi criada após a repercussão negativa do caso. O relator da CPI mista sugeriu o indiciamento de 91 pessoas, entre elas o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco, o ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta e o dono das Casas Bahia (maior rede varejista do Brasil), Samuel Klein. Todos foram acusados de participar de um mega esquema de evasão de divisas, envio irregular de dinheiro a paraísos fiscais através de contas CC5, que pode ter chegado a R$ 150 bilhões. ”

O Caso BANESTADO foi um mega crime de corrupção. “O ex-presidente do BC do governo FHC, Gustavo Franco, de acordo com o relator, foi o responsável pela evasão de mais de R$ 30 bilhões entre os anos de 1996 e 2002, já que teria criado os mecanismos que permitiram o envio de dinheiro para contas no exterior. Desde o início das investigações havia a presunção de que mais de 130 políticos estavam envolvidos no esquema, além de empresários e pessoas ligadas ao tráfico de drogas, de armas e de mulheres. Se a remessa ilegal de R$ 150 bilhões ocorreu entre 1996 e 2002 só nos resta associar esses valores à chamada Privataria Tucana – tão bem descrita no livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr.”

banestado 2
No Paraná foi aberta uma CPI na Assembleia Legislativa do estado, que o deputado estadual Neivo Beraldin presidiu, a negociata da Privataria Tucana em momento algum foi denunciada, se limitando à análise das operações registradas como CDL (Créditos em Difícil Liquidação) ou CL (Créditos em Liquidação), na verdade uma farra para os grandes, médios e pequenos empresários paranaenses da agricultura e da indústria não pagarem suas dívidas com o banco. Uma omissão que escondia a negociata do governo Lerner com o empresariado paranaense, que deve ter sido regiamente recompensada.

Diante desta negociata criminosa de evasão de divisas, o que fez o MPF? Abriu também uma investigação, que chegou ao fim sem denunciar ou penalizar os responsáveis, transformando-se numa farsa judiciária, para muitos. A surpresa é que as investigações eram comandadas pelo justiceiro Moro e atuavam também no caso os procuradores Dallagnol e Carlos Fernando, o Boquinha. Até Youssef foi o principal doleiro do caso, fez delação premiada, foi preso, depois solto, e continuou na corrupção. Pasmem, até Cunha participou da farra.

É de se perguntar se algum tucano foi denunciado? Não! Tem alguém condenado ou preso? Não! O Caso BANESTADO foi engavetado. Espero que neste dia 17 de outubro, data da privatização do banco, os ex-funcionários em suas manifestações exijam a reabertura do Caso BANESTADO, com base nos documentos e provas apresentadas no livro “Privataria Tucana”, tão bem descritas pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr”, a ser solicitado no Senado pelos Senadores Gleisi e Requião.

Serginho Athayde
Ex-gerente administrativo da agência especial Assembleia-Rio, aposentado, preso político, teve a anistia reconhecida pelo BANESTADO na gestão do presidente deputado federal-constituinte Norton Macedo, pelo governo Requião, e reconduzido ao seu cargo de gerência por ocasião da sua aposentadoria.

SERIA FERNANDO HENRIQUE CARDOSO UM TRAIDOR E CORRUPTO? Por Pedro Maciel

24 maio

 

FHC 1

Pedro Maciel

SERIA FERNANDO HENRIQUE CARDOSO UM TRAIDOR E CORRUPTO?
Não é exatamente segredo que após a 2ª. Guerra Mundial a CIA passou a financiar artistas e intelectuais de direita, mas o que eu não sabia (confesso que nem desconfiava) é que a CIA também financiou personalidades de centro e de esquerda, num esforço de cooptação e para afastar esses intelectuais do comunismo e aproximá-los do American way of life, transformando-os em divulgadores desse caminho.

Essa é a conclusão de Frances Stonor Sauders, formada em Oxford em 1987 e residente em Londres, no seu livro “Quem pagou a conta? A CIA na Guerra fria da Cultura”, ed. Record.

O livro é muito interessante e desmascara a Fundação Ford, que, dentre outras fundações, era usada pela CIA e pelo departamento de Estado dos EUA para o fim acima descrito. E, por isso é possível que que Fernando Henrique Cardoso, deixou-se corromper e vendeu-se à CIA por um punhado de dólares.

Frances Stonor Sauders detalha que a CIA promoveu congressos culturais, exposições e concertos, bem como as razões que levaram os EUA a estimular a publicação e tradução naquele país de autores alinhados com o governo americano a patrocinar arte abstrata, como tentativa de reduzir espaço para qualquer arte de conteúdo social.

Noutro livro, chamado “Fernando Henrique Cardoso, o Brasil do possível”, da jornalista francesa Brigitte Hersant Leoni (Editora Nova Fronteira, Rio, 1997, tradução de Dora Rocha), há a seguinte narração: “Numa noite de inverno do ano de 1969, nos escritórios da Fundação Ford, no Rio, Fernando Henrique teve uma conversa com Peter Bell, o representante da Fundação Ford no Brasil. Peter Bell se entusiasma e lhe oferece uma ajuda financeira de 145 mil dólares. Nasce o CEBRAP”.

Esta história estaria contada na página 154 do citado livro de Brigitte Hersant, somada à densa pesquisa da inglesa Frances Stonor Saunders nos revela que possivelmente o Brasil tenha sido governado por oito anos por um intelectual corrupto, cooptado pela CIA em fevereiro de 1.969, e quem “pagava a conta” de Fernando Henrique e do seu CEBRAP era a CIA, através da Fundação Ford.

E não se pode esquecer que em dezembro de 1968 a ditadura havia lançado o AI-5 e jogado o Brasil no máximo do terror do golpe de 64, desde o início financiado, comandado e sustentado pelos Estados Unidos.

E enquanto centenas de cassações e suspensões de direitos políticos estavam em curso, com prisões lotadas, Fernando Henrique recebia da poderosa e notória Fundação Ford uma primeira parcela de 145 mil dólares para fundar o CEBRAP (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento) de um total de quase 1 milhão de dólares.

E o jornalista Sebastião Nery afirma que “Os americanos não estavam jogando dinheiro pela janela. Fernando Henrique já tinha serviços prestados. Eles sabiam em quem estavam aplicando sua grana”.

E não se pode esquecer que ao lado do economista chileno Faletto, Fernando Henrique havia acabado de lançar o livro “Dependência e desenvolvimento na América Latina”, no qual os dois defendem a tese de que países em desenvolvimento ou mais atrasados poderiam desenvolver-se mantendo-se dependentes, ou alinhados, aos países mais ricos. Como os Estados Unidos?

Fato é que “cheio da grana”, fruto da venda de sua alma, Fernando Henrique logo se tornou uma “personalidade internacional” e passou a dar “aulas” e fazer “conferências” em universidades norte-americanas e europeias. Seria “um homem da Fundação Ford”, ou melhor, da CI
Registre-se que FHC, ameaçado de prisão pela ditadura militar, decidiu auto exilar-se, inicialmente no Chile e depois em Paris, tendo retornado ao país em 1968.

Algumas questões merecem ser feitas e respostas precisam ser dadas.

E o que era de fato a Fundação Ford? Uma instituição a serviço da CIA, um dos braços da CIA e do serviço secreto dos EUA?

Teria sido um FHC domesticado pela CIA em 1969 o Presidente do Brasil?

Enfim, FHC é um intelectual corrupto?

 

PEDRO MACIEL

Advogado, sócio da Maciel Neto Advocacia, autor de “Reflexões sobre o estudo do Direito”, Ed. Komedi, 2007

Tudo o que você queria saber sobre Aécio Neves O Mineirinho.

20 maio

aécim para o blog

 

Por Francisco Costa

Não gostos de tucanos e isso não é novidade, mas é um não gostar político, um discordar ideológico, sem ódio.
Sem exagero, eu me sentaria com qualquer um deles para um bom papo, de preferência não sobre política, e sairíamos com a impressão de simpáticos, um ao outro.
Mas com Aécio qualquer relação seria impossível. Aécio é o mau caráter nato, é o vagabundo profissional que viveu da fortuna familiar e, por uma desgraça, herdou o patrimônio político do avô e, ao invés de usar para o bem do próximo e da pátria, usou para multiplicar a própria fortuna.

Vindo estudar no Rio de Janeiro, logo mergulhou nas drogas e na baderna. Recentemente um delegado de polícia aposentado, um velhinho, contou a um jornalista que cansou de prender Aécio, por baderna e vandalismo, mas logo o telefone tocava na Delgacia, era um poderoso, e ele tinha que soltar o moleque.

Esta impunidade, este tudo poder, por conta da fortuna familiar e o prestígio político do avô é que o levou a não admitir ser contrariado nunca, e o resultado foi o não conformismo democrático, quando derrotado por Dilma, começou a desestabilizar o país logo que saiu o resultado da eleição, nos trazendo à situação atual.

No histórico de Aécio há uma surra na ex-esposa e atendimentos em CTI, por overdose de cocaína.
Em uma das vezes ele escapou por pouco, mas a mulher que estava com ele, em um motel, foi a óbito.
Tudo isso foi sempre escondido do público, graças a uma violenta milícia sustentada por Aécio, onde se incluíam muitos policiais mineiros, intimidando jornalistas e testemunhas.

Um policial, no entanto, Lucas Arcanjo, com destemor anunciava aos quatro ventos todos os crimes de Aécio, inclusive homicídios, a mando dele, chegando a protocolar denúncias no Ministério Público mineiro e federal, em Brasília, sem conseqüências, graças à blindagem de Aécio.

Lucas Arcanjo apareceu enforcado, em sua própria casa.
Quando governador, com dinheiro público construiu dois aeroportos em fazendas da sua família, fora da rota dos vôos comerciais, mas na rota do narcotráfico, além de um terceiro, no município de Montezuma, também numa fazenda da família dele, uma fazenda de milhares de hectares de eucaliptos, longe de qualquer aglomerado urbano e que no entanto tem intenso tráfego de pequenos aviões.

Na escuta feita pela Polícia Federal, Aécio falou que o emissário que pegaria, e pegou, a mala de dinheiro teria quue ser alguém que “a gente mate” antes dele nos delatar.
Coincidentemente foi encontrada uma ossada humana enterrada em uma de suas fazendas, sem que até hoje a polícia comprada por Aécio identificasse quem foi o assassinado.

A mídia omitiu, mas o helicóptero apreendido com quase meia tonelada de pasta de cocaína é de propriedade do Senador Perrela mas presta serviço à Agropecuária Neves, sendo que o filho do Perrela é sócio de Aécio em negócios obscuros, não tão obscuros, como ficou demonstrado na carga do helicóptero.

O acidente da Samarco, em Mariana, está impune porque tem o dedo de Aécio e da Cemig. O Ministério Público mineiro sabe de tudo isso, mas existe para perseguir e punir os que denunciam isso. O Ministério Público Federal sabe de tudo isso, por denúncias chegadas de Minas.

Contam-se em dezenas os casos de sentenças vendidas pelos juízes mineiros, sempre em favor da família Neves. Preso o tio de Aécio, por produção e venda de cocaína, um juiz que havia sido nomeado por Aécio foi quem deu o Habeas Corpus e o colocou na rua. A negociata do HC aconteceu num alambique (fábrica de cachaça) de propriedade da família Neves.
O Secretário de Segurança, no governo de Aécio, era o advogado de Fernandinho Beira Mar, e isto não é segredo para ninguém, em Minas e na cúpula brasiliense.

E de onde vem todo esse poder e todo esse dinheiro, capaz de comprar autoridades nos três poderes e em todos os níveis de poder, capaz de comprar a mídia nacional?
De várias fontes, a começar pela apropriação indébita, através da corrupção, passando pelo uso do dinheiro público mineiro, para corromper autoridades.

Tudo começou com o dinheiro da família, muito, e o prestígio político proporcionado por Tancredo Neves, o chefe do clã, multiplicando-se em muito quando a mãe de Aécio casou-se, em segundas núpcias com o herdeiro do Banco Moreira Sales, que foi incorporado ao Itaú, excetuando-se as jazidas de Nióbio, no município de Araxá, um minério raríssimo e caro, de propriedade do banco, por doação da ditadura militar, em troca dos serviços prestados (financiamento do golpe de 64).

Com o casamento da Dona Neves, 98% do Nióbio existente no mundo caiu no colo da família Neves, rendendo bilhões/ano.

E chegamos ao verdadeiro Aécio: basta nos lembrarmos dos discursos e pronunciamentos de Aécio para percebê-lo medíocre; basta nos lembrarmos dos debates com Dilma para o entendermos medíocre, despreparado, limitado; diante das atuais acusações, enquanto Temer e outros acusados vieram a público soltar os cachorros, Aécio se limitou a notinhas à mídia, através de intermediários.

Aécio já foi flagrado chapado de cocaína no plenário do Congresso, diversas vezes; o próprio Serra, seu correligionário, se manifestou temeroso quanto à candidatura de Aécio à presidência, por causa do “vício”; há um laudo, oficial, assinado por um médico do CTI, que o atendeu, com overdose de cocaína, onde afirma: “o paciente não tem condições de administrar nem a própria vida, que dirá um estado.”

Quero avisar aos Aeçófilos, coxinhas e congêneres que não sou detetive, vidente ou adivinho, menos ainda caluniador. Tudo isso está nas redes sociais, basta ir ao Google Busca e digitar a informação que quer obter.

Como, então, com tantas limitações, Aécio pode ter a projeção que teve?
Aécio é um produto, uma embalagem, um rótulo necessário porque vivemos numa sociedade machista, onde o machismo é levado às últimas conseqüências nas organizações criminosas.

O Rio de Janeiro tem o Comando Vermelho e o cérebro é Fernandinho Beira Mar; São Paulo tem o PCC e o cérebro é o Marcola; Minas Gerais tem os Neves e o cérebro é Andréa Neves. Aécio é só o robô, a fachada.
Por isso a preocupação do PGR e do STF em prendê-la, para deixar a organização acéfala e Aécio perdido, órfão, sem orientação, de maneira a facilitar a retirada de mais um bandido de circulação.
Não basta a justiça brasileira apurar a corrupção na família Neves, tem que apurar o narcotráfico e os homicídios.

Francisco Costa ( Facebook Via Dislene Lemos Perrote)

 

Rio, 20/05/2017.

Porque o Sen. Aloysio Nunes foi a Washington um dia depois da votação do impeachment?

19 abr

Porque o Sen. Aloysio Nunes foi a Washington um dia depois da votação do impeachment_

A CÂMARA DOS DEPUTADOS do Brasil votou a favor da admissibilidade do impeachment da presidente do país, Dilma Rousseff, encaminhando o processo de afastamento para o Senado. Em um ato simbólico, o membro da casa que deu o voto favorável nº 342, mínimo para admitir o processo, foi o deputado Bruno Araújo, mencionado em um documento que demonstra que ele teria recebido fundos ilegais de uma das principais empreiteiras envolvidas no atual escândalo de corrupção do país. Além disso, Araújo pertence ao partido de centro-direita PSDB, cujos candidatos perderam quatro eleições seguidas contra o PT, de esquerda moderada, partido de Rousseff, sendo a última delas há apenas 18 meses atrás, quando 54 milhões de brasileiros votaram pela reeleição de Dilma como presidente.

Esses dois fatos sobre Araújo sublinham a natureza surreal e sem precedentes do processo que ocorreu ontem em Brasília, capital do quinto maior país do mundo. Políticos e partidos que passaram duas décadas tentando — e fracassando — derrotar o PT em eleições democráticas encaminharam triunfalmente a derrubada efetiva da votação de 2014, removendo Dilma de formas que são, como o relatório do The New York Times de hoje deixa claro, na melhor das hipóteses, extremamente duvidosas. Até mesmo a revista The Economist, que há tempos tem desprezado o PT e seus programas de combate à pobreza e recomendou a renúncia de Dilma, argumentou que “na falta da prova de um crime, o impeachment é injustificado” e “parece apenas um pretexto para expulsar um presidente impopular. ”

Os processos de domingo, conduzidos em nome do combate à corrupção, foram presididos por um dos políticos mais descaradamente corruptos do mundo democrático, o presidente da Câmara Eduardo Cunha (em cima, ao centro) que teve milhões de dólares sem origem legal recentemente descobertos em contas secretas na Suíça, e que mentiu sob juramento ao negar, para os investigadores no Congresso, que tinha contas no estrangeiro. O The Globe and Mail noticiou ontem dos 594 membros da Câmara, “318 estão sob investigação ou acusados” enquanto o alvo deles, a presidente Dilma, “não tem nenhuma alegação de improbidade financeira”.

Um por um, legisladores manchados pela corrupção foram ao microfone para responder a Cunha, votando “sim” pelo impeachment enquanto afirmavam estarem horrorizados com a corrupção. Em suas declarações de voto, citaram uma variedade de motivos bizarros, desde “os fundamentos do cristianismo” e “não sermos vermelhos como a Venezuela e Coreia do Norte” até “a nação evangélica” e “a paz de Jerusalém”. Jonathan Watts, correspondente do The Guardian, apanhou alguns pontos da farsa:

Sim, votou Paulo Maluf, que está na lista vermelha da Interpol por conspiração. Sim, votou Nilton Capixaba, que é acusado de lavagem de dinheiro. “Pelo amor de Deus, sim!” declarou Silas Câmara, que está sob investigação por forjar documentos e por desvio de dinheiro público.

É muito provável que o Senado vá concordar com as acusações, o que resultará na suspensão de 180 dias de Dilma como presidente e a instalação do governo pró-negócios do vice-presidente, Michel Temer, do PMDB. O vice-presidente está, como o The New York Times informa, “sob alegações de estar envolvido em um esquema de compra ilegal de etanol”. Temer recentemente revelou que um dos principais candidatos para liderar seu time econômico seria o presidente do Goldman Sachs no Brasil, Paulo Leme.

Se, depois do julgamento, dois terços do Senado votarem pela condenação, Dilma será removida do governo permanentemente. Muitos suspeitam que o principal motivo para o impeachment de Dilma é promover entre o público uma sensação de que a corrupção teria sido combatida, tudo projetado para aproveitar o controle recém adquirido de Temer e impedir maiores investigações sobre as dezenas de políticos realmente corruptos que integram os principais partidos.

 

OS ESTADOS UNIDOS têm permanecido notavelmente silenciosos sobre esse tumulto no segundo maior país do hemisfério, e sua postura mal foi debatida na grande imprensa. Não é difícil ver o porquê. Os EUA passaram anos negando veementemente qualquer papel no golpe militar de 1964 que removeu o governo de esquerda então eleito, um golpe que resultou em 20 anos de uma ditadura brutal de direita pró-EUA. Porém, documentos secretos e registros surgiram, comprovando que os EUA auxiliaram ativamente no planejamento do golpe, e o relatório da Comissão da Verdade de 2014 no país trouxe informações de que os EUA e o Reino Unido apoiaram agressivamente a ditadura e até mesmo “treinaram interrogadores em técnicas de tortura.”

epa04149938 Legislator Jair Bolsonaro, who supports the dictatorship, participates in a session held at Chamber of Legislators in Brasilia, Brazil, 01 April 2014. Brazilian Chamber of Legislators abruptly stoped the session in rejection of the 50 year anniversary of the military coup at the moment that Bolsonaro wanted to start his speech. Members of Parliament jeered at him and turned their backs in way of protest.  EPA/FERNANDO BIZERRA JR. (Newscom TagID: epalive129917.jpg) [Photo via Newscom]

Dep. Jair Bolsonaro

Photo: Fernando Bizerra/EPA/Newscom

O golpe e a ditadura militar apoiadas pelos EUA ainda pairam sobre a controvérsia atual. A presidente Rousseff e seus apoiadores chamam explicitamente de golpe a tentativa de removê-la. Um deputado pró-impeachment de grande projeção e provável candidato à presidência, o direitista Jair Bolsonaro (que teve seu perfil traçado por The Intercept no ano passado), elogiou ontem explicitamente a ditadura militar e homenageou o Cel. Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe de tortura da ditadura (notavelmente responsável pela tortura de Dilma). Filho de Bolsonaro, Eduardo, também na casa, afirmou que estavadedicando seu voto pelo impeachment “aos militares de ’64”: aqueles que executaram o golpe e impuseram o poder militar.

A invocação incessante de Deus e da família pelos que propuseram o impeachment, ontem, lembrava o lema do golpe de 1964: “Marcha da Família com Deus pela Liberdade.” Assim como os veículos de comunicação controlados por oligarquias apoiaram o golpe de 1964, como uma medida necessária contra a corrupção da esquerda, eles estiveram unificados no apoio e na incitação do atual movimento de impeachment contra o PT, seguindo a mesma lógica.

Por anos, o relacionamento de Dilma com os EUA foi instável, e significativamente afetado pelas declarações de denúncia da presidente à espionagem da NSA, que atingiu a indústria brasileira, a população e a presidente pessoalmente, assim como as estreitas relações comerciais do Brasil com a China. Seu antecessor, Lula da Silva, também deixou de lado muitos oficiais norte-americanos quando, entre outras ações, juntou-se à Turquia para negociar um acordo independente com o Irã sobre seu programa nuclear, enquanto Washington tentava reunir pressão internacional contra Teerã. Autoridades em Washington têm deixado cada vez mais claro que não veem mais o Brasil como seguro para o capital.

Os EUA certamente têm um longo — e recente — histórico de criar instabilidade e golpes contra os governos de esquerda Latino-Americanos democraticamente eleitos que o país desaprova. Além do golpe de 1964 no Brasil, os EUA foram no mínimo coniventes com a tentativa de depor o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, em 2002; tiveram papel central nadestituição do presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide em 2004; e a então Secretária de Estado, Hillary Clinton, prestou apoio vital para legitimar o golpe 2009 em Honduras, apenas para citar alguns exemplos.

Muitos na esquerda brasileira acreditam que os EUA estão planejando ativamente a instabilidade atual no país com o propósito de se livrar de um partido de esquerda que se apoiou fortemente no comércio com a China, e colocar no lugar dele um governo mais favorável aos EUA que nunca poderia ganhar uma eleição por conta própria.

 

EMBORA  NÃO TENHA surgido nenhuma evidência que comprove essa teoria, uma viagem aos EUA, pouco divulgada, de um dos principais líderes da oposição brasileira deve provavelmente alimentar essas preocupações. Hoje — o dia seguinte à votação do impeachment — o Sen. Aloysio Nunes do PSDB estará em Washington para participar de três dias de reuniões com várias autoridades norteamericanas, além de lobistas e pessoas influentes próximas a Clinton e outras lideranças políticas.

O Senador Nunes vai se reunir com o presidente e um membro do Comitê de Relações Internacionais do Senado, Bob Corker (republicano, do estado do Tennessee) e Ben Cardin (democrata, do estado de Maryland), e com o Subsecretário de Estado e ex-Embaixador no Brasil, Thomas Shannon, além de comparecer a um almoço promovido pela empresa lobista de Washington, Albright Stonebridge Group, comandada pela ex-Secretária de Estado de Clinton, Madeleine Albright e pelo ex-Secretário de Comércio de Bush e ex-diretor-executivo da empresa Kellogg, Carlos Gutierrez.

A Embaixada Brasileira em Washington e o gabinete do Sen. Nunes disseram ao The Intercept que não tinham maiores informações a respeito do almoço de terça-feira. Por email, o Albright Stonebridge Group afirmou que o evento não tem importância midiática, que é voltado “à comunidade política e de negócios de Washington”, e que não revelariam uma lista de presentes ou assuntos discutidos.

OGB201508241100600003

O Senador Aloysio Nunes (esquerda) com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (direita) e o Senador José Serra (Foto: Marcos Alves/Agencia O Globo, via AP Images)

Nunes é uma figura da oposição extremamente importante — e reveladora — para viajar aos EUA para esses encontros de alto escalão. Ele concorreu à vice-presidência em 2014 na chapa do PSDB que perdeu para Dilma e agora passa a ser, claramente, uma das figuras-chave de oposição que lideram a luta doimpeachment contra Dilma no Senado.

Como presidente da Comissão de Relações e Defesa Nacional do Senado, Nunes defendeu repetidas vezes que o Brasil se aproxime de uma aliança com os EUA e o Reino Unido. E — quase não é necessário dizer — Nunes foi fortemente apontado em denúncias de corrupção; em setembro, um juiz ordenou uma investigação criminal após um informante, um executivo de uma empresa de construção, declarar a investigadores ter oferecido R$ 500.000 para financiar sua campanha — R$ 300.000 enviados legalmente e mais R$ 200.000 em propinas ilícitas de caixa dois — para ganhar contratos com a Petrobras. E essa não é a primeira acusação do tipo contra ele.

A viagem de Nunes a Washington foi divulgada como ordem do próprio Temer, que está agindo como se já governasse o Brasil. Temer está furioso com o que ele considera uma mudança radical e altamente desfavorável na narrativa internacional, que tem retratado o impeachment como uma tentativa ilegal e anti-democrática da oposição, liderada por ele, para ganhar o poder de forma ilegítima.

O pretenso presidente enviou Nunes para Washington, segundo a Folha, para lançar uma “contraofensiva de relações públicas” e combater o aumento do sentimento anti-impeachment ao redor do mundo, o qual Temer afirma estar “desmoraliz[ando] as instituições brasileiras”. Demonstrando preocupação sobre a crescente percepção da tentativa da oposição brasileira de remover Dilma, Nunes disse, em Washington, “vamos explicar que o Brasil não é uma república de bananas”. Um representante de Temer afirmou que essa percepção “contamina a imagem do Brasil no exterior”.

“É uma viagem de relações públicas”, afirma Maurício Santoro, professor de ciências políticas da UFRJ, em entrevista ao The Intercept. “O desafio mais importante que Aloysio enfrenta não é o governo americano, mas a opinião pública dos EUA. É aí que a oposição está perdendo a batalha”.

Não há dúvida de que a opinião internacional se voltou contra o movimento dos partidos de oposição favoráveis ao impeachment no Brasil. Onde, apenas um mês atrás, os veículos de comunicação da mídia internacional descreviam os protestos contra o governo nas ruas de forma gloriosa, os mesmos veículos agora destacam diariamente o fato de que os motivos legais para o impeachment são, no melhor dos casos, duvidosos, e que os líderes do impeachment estão bem mais envolvidos com a corrupção do que Dilma.

Temer, em particular, estava abertamente preocupado e furioso com adenúncia do impeachment pela Organização de Estados Americanos, apoiada pelo Estados Unidos, cujo secretário-geral, Luis Almagro, disse que estava “preocupado com [a] credibilidade de alguns daqueles que julgarão e decidirão o processo” contra Dilma. “Não há nenhum fundamento para avançar em um processo de impeachment [contra Dilma], definitivamente não”.

O chefe da União das Nações Sul-Americanas, Ernesto Samper, da mesma forma, disse que o impeachment é “um motivo de séria preocupação para a segurança jurídica do Brasil e da região”.

A viagem para Washington dessa figura principal da oposição, envolvida em corrupção, um dia após a Câmara ter votado pelo impeachment de Dilma, levantará, no mínimo, dúvidas sobre a postura dos Estados Unidos em relação à remoção da presidente. Certamente, irá alimentar preocupações na esquerda brasileira sobre o papel dos Estados Unidos na instabilidade em seu país. E isso revela muito sobre as dinâmicas não debatidas que comandam o impeachment, incluindo o desejo de aproximar o Brasil dos EUA e torná-lo mais flexível diante dos interesses das empresas internacionais e de medidas de austeridade, em detrimento da agenda política que eleitores brasileiros abraçaram durante quatro eleições seguidas.

 

ATUALIZAÇÃO: Antes desta publicação, o gabinete do Sen. Nunes informou ao The Intercept que não tinha mais informações sobre a viagem dele à Washington, além do que estava escrito no comunicado de imprensa, que data de 15 de abril. Subsequente à publicação, o gabinete do Senador nos indicou informação publicada no Painel do Leitor (Folha de S. Paulo, 17.04.2016) onde Nunes afirma — ao contrário da reportagem do jornal — que a ligação do vice-presidente Temer não foi o motivo para sua viagem a Washington.

Traduzido por: Beatriz Felix, Patricia Machado e Erick Dau

Foto em cima: deputados brasileiros celebram depois de atingir os votos suficientes para autorizar o impeachment da presidente Dilma Rousseff, no Congresso em Brasília, 17 de abril de 2016.

%d blogueiros gostam disto: