Tag Archives: Dinamarca

Dinamarca é o paraíso terrestre ou algo muito próximo disso

19 nov

Turismo na Dinamarca 79

Por Luis Antonio Araújo-Central de Notícias do Facebook

Graças ao “Globo Repórter” desta sexta (18/11), descobri que a Dinamarca é o paraíso terrestre ou algo muito próximo disso.
“País da felicidade”, “terra onde as diferenças sociais são quase invisíveis”, “campeão da segurança, da igualdade, da simplicidade” – é difícil resistir a um lugar assim.
Fiquei esperando até o final do programa para saber qual é, afinal, a receita de sucesso dos dinamarqueses.
Apostei que seria algo entre o “frio escandinavo” e a ausência de “herança ibérica”. O “Globo Repórter” acabou silenciando sobre essa importante questão. Tomado de indômita curiosidade, fui buscar informações.

Aprendi o seguinte:

* a Dinamarca, assim como suas vizinhas Suécia, Noruega e Finlândia, adota desde os anos 1930 um sistema de seguridade social segundo o qual todos os cidadãos têm direitos iguais a serviços públicos como saúde, educação e previdência. Isso significa que, por princípio, qualquer indivíduo tem acesso franco e gratuito a esses benefícios ao longo da vida;

* para subsidiar esse sistema, a Dinamarca faz com que quem ganha mais pague mais impostos. Segundo a insuspeita Tax Foundation, a maior alíquota individual de imposto de renda em 2015, incluindo tributação na fonte, foi de 60% na Dinamarca, 57% na Suécia e 39% na Noruega. No Brasil, foi de 27,5%, ou menos da metade do nível dinamarquês, depois de ter sido de pelo menos 40% durante quatro décadas, até os anos 1990, como lembram os economistas Sergio Wulff Gobetti e Rodrigo Octávio Orair. Abaixo, uma tabela mostra a relação receita tributária/PIB em 25 países, com a Dinamarca no topo, com 49%;

* outro dado importante tem a ver com a concentração de renda. Na Dinamarca, os 0,05% mais ricos detêm 1,3% da renda nacional.
No Brasil, os mesmos 0,05% mais ricos abocanham 8,5% da renda. Nas palavras de Gobetti e Orair: “(…) são cerca de 71 mil pessoas que se apropriam de 8,5% de toda a renda. Este é um patamar que dificilmente encontrará outros paralelos no mundo” (GOBETTI; ORAIR. Progressividade tributária: a agenda negligenciada. In: http://www.ipea.gov.br/…/images/stories/PDFs/TDs/td_2190.pdf)

Ipea.Gov.br

* uma das entrevistadas do “Globo Repórter”, a cientista política Ulla Holm, diz que na Dinamarca “a corrupção quase não existe, e nós temos muito orgulho de sermos incorruptíveis (…) O fato de que nós confiamos no Estado é muito importante para nós”. Ou seja, o sistema funciona porque não há corrupção, certo? Errado. Entre 2012 e 2015, o governo dinamarquês estima que fraudes tributárias tenham subtraído US$ 1,85 bilhão (R$ 7,4 bilhões) do Tesouro.
Esse é praticamente o mesmo valor que a Receita Federal cobrava até janeiro deste ano das empreiteiras envolvidas na Lava-Jato. É preciso combater a corrupção, mas esse combate não pode servir para acobertar desmonte de direitos, como o fundamentalismo neoliberal tenta fazer crer no Brasil.

No GloboPlay, há uma entrevista com uma brasileira radicada em Copenhague que faz uma defesa bem informada e sóbria do Estado de bem-estar social (https://globoplay.globo.com/v/6297336/programa/). É pena que os editores do “Globo Repórter” não tenham achado necessário incluir a entrevista no programa que foi ao ar, relegando-a à página na web, à qual pelo menos 50% dos brasileiros não têm acesso.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: