Tag Archives: espionagem.Edward Snowden

Guardian e Channel 4 apresentam novos dados sobre espionagem da NSA

28 jan

31049_large_jp-nsa2-superJumbo

O jornal britânico revelou em sua capa desta sexta-feira que a NSA coletou cerca de 200 milhões de mensagens de texto diárias de todo o planeta.

Londres – A investigação conjunta do jornal The Guardian e do canal britânico Channel 4 não aguardou que o presidente Barack Obama desse sua resposta ao plano de revisão das atividades da NSA, a central de espionagem eletrônica estadunidense. Com uma análise do material fornecido pelo ex-agente da NSA, Edward Snowden, o matutino britânico revelou em sua capa desta sexta-feira que a NSA coletou cerca de 200 milhões de mensagens de texto diárias de todo o planeta, que continham entre outros dados sobre o lugar de emissão da mensagem, a rede de contatos e a informação completa de cartões de crédito.

O programa “Dishfire” da NSA não capta mensagens específicas relacionadas com pessoas sob investigação, mas sim “tudo o que for emitido”. Uma apresentação da agência estadunidense de 2011 intitulada “SMS Text Messages: A Goldmine to Exploit” (Mensagens de texto: uma mina de ouro a ser explorada) revela que em abril deste ano a NSA captou uma média de 194 milhões de mensagens de texto por dia. Um programa adicional, “Prefer”, realizava uma análise automática destas comunicações.

Segundo a investigação do Guardian e do Channel 4, as revelações de Snowden indicam que a NSA obtinha informação sobre mais de um milhão e meio de passagens de fronteira, mais de 110 mil nomes de cartões de negócios eletrônicos e mais de 800 mil transações financeiras. Esta informação era compartilhada com a contraparte da NSA no Reino Unido, o GCHQ, parte da estreita colaboração mantida pelas duas agências de espionagem eletrônica.

Na quinta-feira à noite, o presidente Barack Obama telefonou para o primeiro ministro britânico David Cameron para informá-lo sobre a resposta que daria ao informe do grupo que formou no final do ano passado para rever as atividades da NSA. Segundo a Casa Branca, “ambos os líderes destacaram o intenso diálogo que houve entre Estados Unidos e Reino Unido sobre esta matéria em todos os níveis”.

Este diálogo de ambos os países “em todos os níveis” está no coração das denúncias que Edward Snowden começou a fazer em junho do ano passado e que colocaram Estados Unidos e Reino Unido no banco dos réus sob a acusação de invasão de privacidade de cidadãos de todo o mundo, espionagem de governos amigos e a criação de um monstruoso “Big Brother” internacional que supera em muito o imaginado na novel “1984” pelo autor do conceito, o escritor britânico George Orwell.

Em uma tentativa de se contrapor a estas acusações, a NSA negou ao Guardian que a agência tivesse recolhido material de “maneira arbitrária” e afirmou que se trabalho se concentrava em “objetivos estrangeiros válidos” para a segurança, submetidos a estritos limites legais. O GCHQ se pronunciou no mesmo sentido. “Nunca comentamos com a imprensa sobre nossas atividades, mas podemos assegurar que todo nosso trabalho é feito com um estrito apego à lei”, disse a agência britânica.

Essa não é a opinião de uma das telefônicas consultadas pelo Guardian. “A lei protege o direito à privacidade de nossos clientes e não acreditamos que neste caso esse direito esteja sendo protegido”, disse ao Channel 4 o diretor do Departamento Legal sobre Privacidade de Vodaphone.

Google, Facebook e as grandes multinacionais telefônicas ficaram enredadas na polêmica por denúncias de que facilitaram às agências o acesso aos dados de seus usuários. O próprio parlamento europeu está investigando as atividades da NSA e do GCHQ e terá um testemunho vital nas próximas semanas Edward Snowden terá uma conferência por vídeo com o comitê investigador.

A criação de um painel de revisão das atividades da NSA, dirigido pelo ex-chefe de cyber-segurança, Richard Clarke, foi uma primeira resposta do governo de Obama à polêmica que o tema causou nos Estados Unidos. Nas conclusões que apresentou no dia 18 de dezembro, o painel assinalou que o programa de espionagem da NSA “podia e devia ser reformado” sem que isso colocasse em risco a segurança nacional. A palavra agora está com Barack Obama.  

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer – Carta Capital

 

Anúncios

Bob Fernandes tira a máscara de FHC, o Esquecidíssimo, sobre espionagem dos EUA no Brasil em seu governo

12 jul

images

O jornalista Bob Fernandes refresca a memória do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que, com sua proverbial cara de pau, reagiu à informação de que a CIA espionava o Brasil em Brasília escancaradamente em seu governo, dizendo que nunca soube disso.

Bob Fernandes mostra que é simplesmente impossível que FHC não soubesse, e explica o porquê em sua coluna do Terra Magazine. Vou postar alguns trechos aqui e o vídeo com as informações do Bob Fernandes. Se tiver dificuldades em assistir ao vídeo, leia a transcrição completa aqui.
http://terramagazine.terra.com.br/bobfernandes/blog/2013/07/11/espionagem-da-cia-fbi-dea-nsa-e-o-silencio-no-brasil/

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que “nunca soube de espionagem da CIA” no Brasil. O governo atual cobra explicações dos Estados Unidos, e a presidente Dilma trata do assunto com a cúpula do Mercosul, no Uruguai, nesta quinta-feira (11). O Congresso Nacional envia protesto formal ao governo de Barack Obama.

Vamos aos fatos. Entre março de 1999 e abril de 2004, publiquei 15 longas e detalhadas reportagens na revista CartaCapital. Documentos, nomes, endereços, histórias provavam como os Estados Unidos espionavam o Brasil.
images (4)
Documentos bancários mostravam como, no governo FHC, a DEA, agência norte-americana de combate ao tráfico de drogas, pagava operações da Polícia Federal. Chegava inclusive a depositar na conta de delegados. Porque aquele era um tempo em que a PF não tinha orçamento para bancar todas operações e a DEA bancava as de maiores dimensão e urgência.

A CIA, via Departamento de Estado, pagou uma base eletrônica da PF em Brasília, até os tijolos. Nos idos do governo Sarney. Para trabalhar nessa base, até o inicio da gestão do delegado Paulo Lacerda, em 2002, agentes e delegados da PF eram submetidos ao detector de mentiras nos EUA. Não em Langley, sede da CIA, mas em hotéis de Washington.
(…) Carlos Costa chefiou o FBI no Brasil por 4 anos. Em entrevista de 17 páginas, em março de 2004, revelou: serviços de inteligência dos EUA haviam grampeado o Itamaraty. Empresas eram espionadas. Nem o Palácio da Alvorada escapou.

(…) Vicente Chellotti, diretor da PF, caiu depois da reportagem de capa “Os Porões do Brasil”, de 3 de março de 1999. Isso no governo de FHC, que agora, na sua página no Facerbook, disse desconhecer ações da CIA no país.

É como disse o Barão de Itararé, É mais fácil pegar um mentiroso que um coxo. E FHC é um mentiroso contumaz, um mitomaníaco, como demonstra Bob Fernandes.
Blog do Mello e Portal Terra

%d blogueiros gostam disto: