Tag Archives: Golpe de Estado

“Grave momento”

22 abr

Brasil de Fato2

No Oscar de 1977,Vanessa Redgrave fez um discurso pró-palestina
ao ganhar a estatueta.
O evento poderia não ser o mais correto para essa denúncia,mas o momento
e o destaque da mídia internacional para esse evento era o mais propício,
para ser ouvido.
E tem um detalhe muito importante, que muita gente desconhece.
A industria de entretenimento,nos EUA é controlada até hoje por judeus,portanto
Vanessa Redgrave foi muito corajosa ao fazer essa denúncia num terreno totalmente
contrário as suas convicções.
Será que a atriz tinha muito a perder?
Sim e muito.
Atuar é o seu trabalho,o teu sustento.
Podemos traçar um paralelo, com o evento que trata da redução de emissão de dióxido de
carbono e mudanças climáticas, na Organização das Nações Unidas, com o Oscar de 1977?
Não e sim.
Muitos estão dizendo que o evento, não tem nada a ver com política interna brasileira e
sim com situação climática global.
Mas nossa presidenta poderia reservar pelo menos 40 segundos de sua fala e denunciar
a realidade hoje no Brasil.
O “grave momento”naqual já não existe Estado Democrático de Direito no Brasil.
Estamos em situação de exceção, sob um golpe de Estado,com amplos setores do
Judiciário,Legislativo e mídia alinhados com os golpistas, enquanto o Executivo
persiste nos erros primários que nos conduziram a esta crise.
Não dá mais para “conciliações”;vide a surrealidade do Parlamento, o sono profundo do
Supremo, e a alegria da mídia.
Chega de “republicanismo”.
A hora é agora.
Quem vai perder com tudo isso são os 54 milhões de eleitores e o mais importante é a
democracia que a tempos já está perdendo a sua face.

Carlos Roberto Rocha III

Meet the Americans Who Put Together the Coup in Kiev By Steve Weissman, Reader Supported News

19 abr

012211-geoffrey-pyatt-032514

f the US State Department’s Victoria Nuland had not said “Fuck the EU,” few outsiders at the time would have heard of Ambassador Geoffrey Pyatt, the man on the other end of her famously bugged telephone call. But now Washington’s man in Kiev is gaining fame as the face of the CIA-style “destabilization campaign” that brought down Ukraine’s monumentally corrupt but legitimately elected President Viktor Yanukovych.

“Geoffrey Pyatt is one of these State Department high officials who does what he’s told and fancies himself as a kind of a CIA operator,” laughs Ray McGovern, who worked for 27 years as an intelligence analyst for the agency. “It used to be the CIA doing these things,” he tells Democracy Now. “I know that for a fact.” Now it’s the State Department, with its coat-and-tie diplomats, twitter and facebook accounts, and a trick bag of goodies to build support for American policy.

A retired apparatchik, the now repentant McGovern was debating Yale historian Timothy Snyder, a self-described left-winger and the author of two recent essays in The New York Review of Books – “The Haze of Propaganda” and “Fascism, Russia, and Ukraine.” Both men speak Russian, but they come from different planets.

On Planet McGovern – or my personal take on it – realpolitik rules. The State Department controls the prime funding sources for non-military intervention, including the controversial National Endowment for Democracy (NED), which Washington created to fund covert and clandestine action after Ramparts magazine and others exposed how the CIA channeled money through private foundations, including the Ford Foundation. State also controls the far-better-funded Agency for International Development (USAID), along with a growing network of front groups, cut-outs, and private contractors. State coordinates with like-minded governments and their parallel institutions, mostly in Canada and Western Europe. State’s “democracy bureaucracy” oversees nominally private but largely government funded groups like Freedom House. And through Assistant Secretary of State for European and Eurasian Affairs Victoria Nuland, State had Geoff Pyatt coordinate the coup in Kiev.

The CIA, NSA, and Pentagon likely provided their specialized services, while some of the private contractors exhibited shadowy skill sets. But if McGovern knows the score, as he should, diplomats ran the campaign to destabilize Ukraine and did the hands-on dirty work.

Harder for some people to grasp, Ambassador Pyatt and his team did not create the foreign policy, which was – and is – only minimally about overthrowing Ukraine’s duly elected government to “promote democracy.” Ever since Bill Clinton sat in the Oval Office, Washington and its European allies have worked openly and covertly to extend NATO to the Russian border and Black Sea Fleet, provoking a badly wounded Russian bear. They have also worked to bring Ukraine and its Eastern European neighbors into the neoliberal economy of the West, isolating the Russians rather than trying to bring them into the fold. Except for sporadic resets, anti-Russian has become the new anti-Soviet, and “strategic containment” has been the wonky word for encircling Russia with our military and economic power.

Nor did neoconservatives create the policy, no matter how many progressive pundits blame them for it. NED provides cushy jobs for old social democrats born again as neocons. Pyatt’s boss, Victoria Nuland, is the wife and fellow-traveler of historian Robert Kagan, one of the movement’s leading lights. And neocons are currently beating the war drums against Russia, as much to scupper any agreements on Syria and Iran as to encourage more Pentagon contracts for their friends and financial backers. But, encircling Russia has never been just a neocon thing. The policy has bi-partisan and trans-Atlantic support, including the backing of America’s old-school nationalists, Cold War liberals, Hillary hawks, and much of Obama’s national security team.

No matter that the policy doesn’t pass the giggle test. Extending NATO and Western economic institutions into all of a very divided Ukraine had less chance of working than did hopes in 2008 of bringingGeorgia into NATO, which could have given the gung-ho Georgian president Mikheil Saakashvilli the treaty right to drag us all into World War III. To me, that seemed like giving a ten-year-old the keys to the family Humvee.

Western provocations in Ukraine proved more immediately counterproductive. They gave Vladimir Putin the perfect opportunity for a pro-Russian putsch in Crimea, which he had certainly thought of before, but never as a priority. The provocations encouraged him to stand up as a true Russian nationalist, which will only make him more difficult to deal with. And they gave him cover to get away with that age-old tool of tyrants, a quickie plebiscite with an unnecessary return to Joseph Stalin’s old dictum once popular in my homestate of Florida: “It’s not the votes that count, but who counts the votes.”

Small “d” democrats should shun such pretense. Still, most journalists and pollsters on the scene report that – with the exception of the historic Tatar community – the majority of Crimeans want to join the Russian Federation, where they seem likely to stay.

Tensions will also grow as the US-picked interim prime minister Arseniy Yatsenyuk – our man “Yats” – joins with the IMF to impose a Greek, Spanish, or Italian style austerity. Hard-pressed Ukranians will undoubtedly fight back, especially in the predominantly Russian-speaking east. According to Der Spiegel, a whopping three quarters of the people there do not support the coup or government. What a tar patch! A domestic conflict that could split Ukraine in two will inevitably become even further embroiled in the geo-strategic struggle between Russia and the West.

On Planet Snyder, as in most Western media, these realistic considerations make absolutely no difference. Ideology rules, masked as idealism. Fine sounding abstractions fill the air. Ukrainians are making their own history. They are acting with great courage. They are seeking the rule of law and their rightful place in “European Civilization.” They are defending “sovereignty” and “territorial integrity.” Russians remain vicious. Big bad Vlad is the new Hitler. He is seeking his own Eurasian empire (as opposed to NATO’s), which could soon include parts of Moldova, Belarus, and Kazakhstan that the West needs like a “lok in kop,” a hole in the head. And those watching in the West must abandon what Snyder calls “our slightly self-obsessed notions of how we control or don’t control everything.”

“It was a classic popular revolution,” proclaims the professor. An undeniably popular uprising against “an unmistakably reactionary regime.”

Writing in The Nation, Professor Stephen Cohen shreds Snyder’s argument. My concern is more pointed. Popular uprisings deserve our support or opposition depending on who comes to control them and to what ends. As McGovern puts it, “The question is: Who took them over? Who spurred them? Who provoked them for their own particular strategic interests?”

Detailed evidence provides the answers. For all the courage of the Ukrainian minority who took to the barricades, US Ambassador Geoffrey Pyatt and his team spurred the protests in Kiev and exercised extensive – though never complete – control over them. Tactically, Pyatt and his fellow diplomats showed unexpected skill. Strategically, they should have stayed home.

Revolution on Demand

Arriving in the Ukrainian capital on August 3, Pyatt almost immediately authorized a grant for an online television outlet called Hromadske.TV, which would prove essential to building the Euromaidan street demonstrations against Yanukovych. The grant was only $43,737, with an additional $4,796 by November 13. Just enough to buy the modest equipment the project needed.

Many of Hromadske’s journalists had worked in the past with American benefactors. Editor-in-chief Roman Skrypin was a frequent contributor to Washington’s Radio Free Europe / Radio Liberty and the US-funded Ukrayinska Pravda. In 2004, he had helped create Channel 5 television, which played a major role in the Orange Revolution that the US and its European allies masterminded in 2004.

Skrypin had already gotten $10,560 from George Soros’s International Renaissance Foundation (IRF), which came as a recommendation to Pyatt. Sometime between December and the following April, IRF would give Hromadske another $19,183.

Hromadske’s biggest funding in that period came from the Embassy of the Netherlands, which gave a generous $95,168. As a departing US envoy to the Hague said in a secret cable that Wikileaks later made public, “Dutch pragmatism and our similar world-views make the Netherlands fertile ground for initiatives others in Europe might be reluctant, at least initially, to embrace.”

For Pyatt, the payoff came on November 21, when President Yanukovych pulled back from an Association Agreement with the European Union. Within hours Hromadske.TV went online and one of its journalists set the spark that brought Yanukovych down.

“Enter a lonely, courageous Ukrainian rebel, a leading investigative journalist,” writes Snyder. “A dark-skinned journalist who gets racially profiled by the regime. And a Muslim. And an Afghan. This is Mustafa Nayem, the man who started the revolution. Using social media, he called students and other young people to rally on the main square of Kiev in support of a European choice for Ukraine.”

All credit to Nayem for his undeniable courage. But bad, bad history. Snyder fails to mention that Pyatt, Soros, and the Dutch had put Web TV at the uprising’s disposal. Without their joint funding of Hromadske and its streaming video from the Euromaidan, the revolution might never have been televised and Yanukovych might have crushed the entire effort before it gained traction.

For better or for worse, popular uprisings have changed history long before radio, television, or the Internet. The new technologies only speed up the game. Pyatt and his team understood that and masterfully turned soft power and the exercise of free speech, press, and assembly into a televised revolution on demand, complete with an instant overdub in English. Soros then funded a Ukrainian Crisis Media Center “to inform the international community about events in Ukraine,” and I’m still trying to track down who paid for Euromaidan PR, the website of the Official Public Relations Secretariat for the Headquarters of the National Resistance.

Orange Revolution II

Preparing the uprising started long before Pyatt arrived in country, and much of it revolved around a talented and multi-lingual Ukrainian named Oleh Rybachuk, who had played several key roles in the Orange Revolution of 2004. Strangely enough, he recently drew attention when Pando, Silicon Valley’s online news site, attacked journalist Glenn Greenwald and the investor behind his new First Look Media, eBay founder Pierre Omidyar. Trading brickbats over journalistic integrity, both Pando and Greenwald missed the gist of the bigger story.

In 2004, Rybachuk headed the staff and political campaign of the US-backed presidential candidate Victor Yushchenko. As the generally pro-American Kyiv Post tells it, the shadowy Rybachuk was Yushchenko’s “alter ego” and “the conduit” to the State Security Service, which “was supplying the Yushchenko team with useful information about Yanukovych’s actions.” Rybachuk went on to serve under Yushchenko and Tymoshenko as deputy prime minister in charge of integrating Ukraine into NATO and the European Union. In line with US policy, he also pushed for privatization of Ukraine’s remaining state-owned industries.

Despite US and Western European backing, the government proved disastrous, enabling its old rival Yanukovych to win the presidency in the 2010 election. Western monitors generally found the election “free and fair,” but no matter. The Americans had already sowed the seeds either to win Yanukovych over or to throw him over, whichever way Washington and its allies decided to go. As early as October 2008, USAID funded one of its many private contractors – a non-profit called Pact Inc. – to run the “Ukraine National Initiatives to Enhance Reforms” (UNITER). Active in Africa and Central Asia, Pact had worked in Ukraine since 2005 in campaigns against HIV/AIDS. Its new five-year project traded in bureaucratic buzzwords like civil society, democracy, and good governance, which on the public record State and USAID were spending many millions of dollars a year to promote in Ukraine.

Pact would build the base for either reform or regime change. Only this time the spin-masters would frame their efforts as independent of Ukraine’s politicians and political parties, whom most Ukrainians correctly saw as hopelessly corrupt. The new hope was “to partner with civil society, young people, and international organizations” – as Canada’s prestigious Financial Post later paraphrased no less an authority than Secretary of State Hillary Clinton.

By 2009, Pact had rebranded the pliable Rybachuk as “a civil society activist,” complete with his own NGO, Center UA (variously spelled Centre UA, Tsenter UA, or United Actions Center UA). Pact then helped Rybachuk use his new base to bring together as many as 60 local and national NGOs with activists and leaders of public opinion. This was New Citizen, a non-political “civic platform” that became a major political player. At the time, Pact and Soros’s IRF were working in a joint effort to provide small grants to some 80 local NGOs. This continued the following year with additional money from the East Europe Foundation.

“Ukraine has been united by common disillusionment,” Rybachuk explained to the Kyiv Post. “The country needs a more responsible citizenry to make the political elite more responsible.”

Who could argue? Certainly not Rybachuk’s Western backers. New Citizen consistently framed its democracy agenda as part of a greater integration within NATO, Europe, and the trans-Atlantic world. Rybachuk himself would head the “Civil Expert Council” associated with the EU-Ukraine Cooperation Committee.

Continuing to advise on “strategic planning,” in May 2010 Pact encouraged New Citizen “to take Access to Public Information as the focus of their work for the next year.” The coalition campaigned for a new Freedom of Information law, which passed. Pact then showed New Citizen how to use the law to boost itself as a major player, organize and train new activists, and work more closely with compliant journalists, all of which would seriously weaken the just-elected Yanukovych government. Part of their destabilization included otherwise praiseworthy efforts, none more so than the movement to “Stop Censorship.”

“Censorship is re-emerging, and the opposition is not getting covered as much,” Rybachuk told theKyiv Post in May 2010. He was now “a media expert” as well as civic activist. “There are some similarities to what Vladimir Putin did in Russia when he started his seizure of power by first muzzling criticism in the media.”

One of Rybachuk’s main allies in “Stop Censorship” was the journalist Sergii Leshchenko, who had long worked with Mustafa Nayem at Ukrayinska Pravda, the online newsletter that NED publicly took credit for supporting. NED gave Leshchenko its Reagan Fascell Democracy Fellowship, while New Citizen spread his brilliant exposés of Yanukovych’s shameless corruption, focusing primarily on his luxurious mansion atMezhyhirya. Rybachuk’s Center UA also produced a documentary film featuring Mustafa Nayem daring to ask Yanukovych about Mezhyhirya at a press conference. Nothing turned Ukrainians – or the world – more against Yanukovych than the concerted exposure of his massive corruption. This was realpolitik at its most sophisticated, since the US and its allies funded few, if any, similar campaigns against the many Ukrainian kleptocrats who favored Western policy.

Under the watchful eye of Pact, Rybachuk’s New Citizen developed a project to identify the promises of Ukrainian politicians and monitor their implementation. They called it a “Powermeter” (Vladometer), an idea they took from the American website “Obamameter.” Funding came from the US Embassy, through its Media Development Fund, which falls under the State Department’s Bureau of Democracy, Human Rights, and Labor. Other money came from the Internews Network, which receives its funding from the State Department, USAID, the United States Institute of Peace (USIP) and a wide variety of other government agencies, international organizations, and private donors. Still other money came from Soros’s IRF.

New Citizen and its constituent organizations then brought together 150 NGOs from over 35 cities, along with activists and journalists like Sergii Leschchenko, to create yet another campaign in 2011. They called it the Chesno Movement, from the Ukrainian word for “honestly. ” Its logo was a garlic bulb, a traditional disinfectant widely believed to ward off evil. The movement’s purpose was “to monitor the political integrity of the parliamentary candidates running in the 2012 elections.”

This was a mammoth project with the most sophisticated sociology. As expected, the Chesno monitoring found few honest politicians. But it succeeded in raising the issue of public integrity to new heights in a country of traditionally low standards and in building political interest in new areas of the country and among the young. The legislative elections themselves proved grim, with President Yanukovych’s Party of the Regions taking control of parliament.

What then of all New Citizen’s activism, monitoring, campaigning, movement-building, and support for selective investigative journalism? Where was all this heading? Rybachuk answered the question in May 2012, several months before the election.

“The Orange Revolution was a miracle, a massive peaceful protest that worked,” he told Canada’sFinancial Post. “We want to do that again and we think we will.”

He Who Pays the Piper

Rybachuk had good reason for his revolutionary optimism. His Western donors were upping the ante. Pact Inc. commissioned a financial audit for the Chesno campaign, covering from October 2011 to December 2012. It showed that donors gave Rybachuk’s Center UA and six associated groups some $800,000 for Chesno. PACT, which regularly got its money from USAID, contributed the lion’s share, $632,813, though part of that came from the Omidyar Network, a foundation set up by Pierre and his wife.

In a March 12th press release, the network tried to explain its contributions to Rybachuk’s Center UA, New Citizen, and the Chesno Movement. These included a two-year grant of $335,000, announced in September 2011, and another $769,000, committed in July 2013. Some of the money went to expand Rybachuk’s technology platforms, as New Citizen explained.

“New Citizen provides Ukrainians with an online platform to cooperatively advocate for social change. On the site, users can collectively lobby state officials to release of public information, participate in video-advocacy campaigns, and contribute to a diverse set of community initiatives,” they wrote. “As a hub of social justice advocates in Kiev, the organization hopes to define the nation’s ‘New Citizen’ through digital media.”

Omidyar’s recent press release listed several other donors, including the USAID-funded Pact, the Swiss and British embassies, the Swedish International Development Cooperation Agency, the National Endowment for Democracy, and Soros’s International Renaissance Foundation. The Chesno Movement also received money from the Canadian International Development Agency (CIDA).

Figures for fiscal year 2013 are more difficult to track. Washington’s foreignassistance.gov shows USAID paying PACT in Ukraine over $7 million under the general category of “Democracy, Human Rights, and Governance.” The data does not indicate what part of this went to Center UA, New Citizen, or any of their projects.

What should we make of all this funding? Some of it looks like private philanthropy, as back in the days when the CIA channeled its money through foundations. Was the Soros and Omidyar money truly private or government money camouflaged to look private? That has to remain an open question. But, with Rybachuk’s campaigns, it makes little difference. USAID and other government funding dominated. The US Embassy, through Pact, coordinated most of what Rybachuk did. And, to my knowledge, neither Soros nor Omidyar ever broke from the State Department’s central direction.

Strategic Containment, OK?

When Ambassador Pyatt arrived in Kiev, he inherited Pact and its Rybachuk network well on its way to a second Orange Revolution, but only if they thought they needed it to win integration into Europe. That was always the big issue for the State Department and the Ukrainian movement they built, far more telling than censorship, corruption, democracy, or good governance. As late as November 14, Rybachuk saw no reason to take to the streets, fully expecting Yanukovych to sign the Association Agreement with the European Union at a November 28-29 summit in Vilnius. On November 21, Yanukovych pulled back, which Rybachuk saw as a betrayal of government promises. That is what “brought people to the streets,” he told Kyiv Post. “It needed to come to this.”

Euromaidan would become a “massive watchdog,” putting pressure on the government to sign the association and free trade deal with the EU, he said. “We’ll be watching what the Ukrainian government does, and making sure it does what it has to do.”

That is where the State Department’s second Orange Revolution started. In my next article, I’ll show where it went from there and why.

 


A veteran of the Berkeley Free Speech Movement and the New Left monthly Ramparts, Steve Weissman lived for many years in London, working as a magazine writer and television producer. He now lives and works in France, where he is researching a new book, “Big Money and the Corporate State: How Global Banks, Corporations, and Speculators Rule and How to Nonviolently Break Their Hold.”

Reader Supported News is the Publication of Origin for this work. Permission to republish is freely granted with credit and a link back to Reader Supported News.

http://readersupportednews.org/opinion2/277-75/22758-meet-the-americans-who-put-together-the-coup-in-kiev

————————————————————————————————————————————

Tradução para o português by “Uncle G.”

Conheça os americanos que reuniu o golpe em Kiev

Por Steve Weissman, Leitor Apoiado Notícias

25 março 14

 

f do Departamento de Estado dos EUA Victoria Nuland não disse “Foda-se a UE,” poucas pessoas de fora no momento teria ouvido do embaixador Geoffrey Pyatt, o homem do outro lado de sua famosa telefonema grampeado. Mas agora o homem de Washington em Kiev está ganhando fama como a face da CIA em estilo “campanha de desestabilização” que derrubou o presidente monumentalmente corrupto mas legitimamente eleito Viktor Yanukovych da Ucrânia.

“Geoffrey Pyatt é um desses altos funcionários do Departamento de Estado que faz o que ele disse e se imagina como uma espécie de um operador da CIA”, ri Ray McGovern , que trabalhou por 27 anos como analista de inteligência para a agência. “Ela costumava ser a CIA fazer essas coisas”, ele diz Democracy Now. “Eu sei que é um fato.” Agora é o Departamento de Estado, com os seus diplomatas casaco e gravata, Twitter e Facebook contas, e um saco de guloseimas truque para construir o apoio para a política norte-americana.

Um apparatchik aposentado, o McGovern agora arrependido estava debatendo Yale historiador Timothy Snyder, que se descreve como esquerdista e autor de dois ensaios recentes em The New York Review of Books – ” A neblina da Propaganda “e” fascismo, Rússia e Ucrânia “. Ambos os homens falam russo, mas eles vêm de planetas diferentes.

No Planeta McGovern – ou a minha opinião pessoal sobre ele – Regras realpolitik. O Departamento de Estado controla as fontes de financiamento principais para a intervenção não militar, incluindo o controversoNational Endowment for Democracy (NED), que Washington criado para financiar a ação secreta e clandestina após revista Ramparts e outras pessoas expostas como a CIA canalizou o dinheiro através de fundações privadas, inclusive a Fundação Ford. Estado controla também a Agência-melhor-financiado longe para o Desenvolvimento Internacional (USAID), juntamente com uma crescente rede de grupos de frente, cut-outs, e empresas privadas. Estado coordena com os governos da mesma opinião e as suas instituições paralelas, principalmente no Canadá e na Europa Ocidental. “Estado burocracia democracia “supervisiona grupos nominalmente privados, mas em grande parte financiados pelo governo, como a Freedom House. E através de Secretário de Estado Adjunto dos Assuntos Europeus e da Eurásia Victoria Nuland, Estado teve coordenar Geoff Pyatt o golpe em Kiev.

A CIA, NSA, eo Pentágono provavelmente desde que os seus serviços especializados, enquanto alguns dos empreiteiros privados exibiu habilidades sombrias. Mas se McGovern sabe o resultado, como deveria, os diplomatas correu a campanha para desestabilizar a Ucrânia e fez o trabalho hands-on sujo.

Mais difícil para algumas pessoas a entender, o embaixador Pyatt e sua equipe não criou a política externa, que era – e é – “. Promover a democracia” apenas minimamente sobre derrubar o governo eleito da Ucrânia Desde que Bill Clinton estava sentado no Salão Oval, Washington e seus aliados europeus têm trabalhado de forma aberta e secretamente para estender NATO para a fronteira russa e da Frota do Mar Negro, provocando um urso russo gravemente ferido. Eles também têm trabalhado para trazer a Ucrânia e os seus vizinhos do Leste Europeu na economia neoliberal do Ocidente, isolando os russos ao invés de tentar trazê-los para o rebanho. Exceto para resets esporádicos, anti-russo tornou-se o novo anti-soviética e “contenção estratégica” tem sido a palavra vacilante para cercar a Rússia com nosso poder militar e econômico.

Nem neoconservadores criar a política, não importa quantos especialistas progressiva culpá-los por isso. NED oferece empregos cómodos para os social-democratas de idade nascidos de novo como neocons.O chefe de Pyatt, Victoria Nuland, é a esposa e companheiro de viagem do historiador Robert Kagan, um dos expoentes do movimento. E neocons estão batendo os tambores de guerra contra a Rússia, tanto para inviabilizar qualquer acordo sobre a Síria eo Irã a incentivar mais contratos do Pentágono para os seus amigos e financiadores. Mas, cercando a Rússia nunca foi apenas uma coisa neocon. A política tem apoio bipartidário e trans-Atlântico, incluindo o apoio dos nacionalistas da velha escola dos Estados Unidos, os liberais da Guerra Fria, falcões Hillary, e grande parte da equipe de segurança nacional de Obama.

Não importa o que a política não passa no teste risadinha. Estendendo a NATO e as instituições econômicas ocidentais em tudo de uma Ucrânia muito divididos tinham menos chance de trabalhar do que em 2008, as esperanças de trazer a Geórgia na NATO , o que poderia ter dado o presidente entusiasta da Geórgia, Mikheil Saakashvili o direito tratado a todos nos arrastar para Mundial War III. Para mim, isso parecia dar um prazo de dez anos, as chaves para o Humvee família.

Provocações ocidentais na Ucrânia revelou-se mais imediatamente contraproducente. Deram Vladimir Putin a oportunidade perfeita para um golpe pró-russa na Criméia, que ele certamente tinha pensado antes, mas nunca como uma prioridade. As provocações encorajou-o a levantar-se como um verdadeiro nacionalista russo, que só vai torná-lo mais difícil de lidar. E deram-lhe cobrir de fugir com essa ferramenta milenar de tiranos, um plebiscito rapidinha com um retorno desnecessário de Joseph Stalin velho ditado que já foi popular na minha homestate da Flórida: “Não são os votos que contam, mas quem conta os votos . “

Pequenos “d” democratas devem evitar tal pretensão. Ainda assim, a maioria dos jornalistas e pesquisadores sobre o relatório cena que – com exceção da comunidade histórica tártaro – a maioria dos Crimeans querem aderir à Federação Russa, onde eles parecem propensos a permanecer.

As tensões também irá crescer à medida que o ministro pegou US-interino principal Arseniy Yatsenyuk – o nosso homem “Yats” – se junta com o FMI para impor uma, espanhol ou italiano austeridade estilo grego. Ukranians duramente pressionado, sem dúvida, lutar para trás, especialmente no leste de língua russa predominantemente. Segundo a Der Spiegel , um colossal três quartos das pessoas lá não apoiar o golpe ou o governo. O que um patch de alcatrão! Um conflito interno que poderia dividir a Ucrânia em dois inevitavelmente se tornará ainda mais envolvido na luta geo-estratégica entre a Rússia eo Ocidente.

No Planeta Snyder, como na maioria dos meios de comunicação ocidentais, estas considerações realistas fazer absolutamente nenhuma diferença. Regras Ideologia, mascarado como idealismo. Abstrações Belas som encher o ar. Ucranianos estão fazendo sua própria história. Eles estão agindo com muita coragem.Eles estão buscando o Estado de direito e seu lugar na “civilização europeia”. Eles estão defendendo a “soberania” e “integridade territorial”. Russos permanecem vicioso. Big bad Vlad é o novo Hitler. Ele está buscando seu próprio império eurasiático (em oposição à OTAN), que em breve poderá incluir partes da Moldávia, Belarus, Cazaquistão e que o Ocidente precisa como um ” lok em Kop “, um buraco na cabeça. E aqueles que nos vêem no Ocidente deve abandonar o que Snyder chama de “nossas noções um pouco de auto-obcecado de como podemos controlar ou não controlar tudo.”

“Foi uma revolução popular clássico”, proclama o professor. Um levante popular contra inegavelmente “um regime inequivocamente reacionário.”

Escrevendo em The Nation, Professor Stephen Cohen destrói o argumento de Snyder . Minha preocupação é mais pontiagudo. Levantes populares merecem o nosso apoio ou oposição, dependendo de quem vem para controlá-los e para que fins. Como McGovern coloca, “A pergunta é: Quem os tomou conta Quem os estimulou Quem os provocada por seus próprios interesses estratégicos particulares??”

Evidência detalhada fornece as respostas. Por toda a coragem da minoria ucraniano que levou para as barricadas, o embaixador dos EUA Geoffrey Pyatt e sua equipe estimulou os protestos em Kiev e exerceu amplo – embora nunca completa – controle sobre eles. Taticamente, Pyatt e seus colegas diplomatas mostrou habilidade inesperada. Estrategicamente, eles devem ter ficado em casa.

Revolution on Demand

Chegando na capital ucraniana em 3 de agosto, Pyatt quase que imediatamente autorizou uma subvenção para uma rede de televisão on-line chamado Hromadske.TV, que iria provar essencial para a construção das manifestações de rua contra Euromaidan Yanukovych. A concessão foi apenas 43.737 dólares , com um adicional de $ 4.796 por 13 de novembro. Apenas o suficiente para comprar o equipamento modesto do projeto necessário.

Muitos dos jornalistas do Hromadske tinha trabalhado no passado com os benfeitores americanos.Editor-in-chief Skrypin romano era um colaborador freqüente de Washington Radio Free Europe / Radio Liberty e financiado pelos EUA Ukrayinska Pravda . Em 2004, ele ajudou a criar o Canal 5 de televisão, que desempenhou um papel importante na Revolução Laranja que os EUA e seus aliados europeus idealizou em 2004.

Skrypin já tinha conseguido $ 10.560 a partir de Fundação George Soros Internacional Renascença (IRF), que veio como uma recomendação para Pyatt. Em algum momento entre dezembro e abril do ano seguinte, IRF daria Hromadske outro 19183 dólares .

Maior financiamento do Hromadske nesse período veio da Embaixada dos Países Baixos, o que deu um generoso $ 95.168 . Como um enviado dos EUA para a partida Hague, disse em um telegrama secretoque o Wikileaks depois tornado público, “pragmatismo holandês e nossas visões de mundo semelhantes tornar o terreno fértil para iniciativas Holanda outros na Europa pode estar relutante, pelo menos inicialmente, a abraçar.”

Para Pyatt, a recompensa veio em 21 de novembro, quando o presidente Yanukovych se afastou de um Acordo de Associação com a União Europeia. Poucas horas depois Hromadske.TV fui em linha e um de seus jornalistas definir a faísca que trouxe Yanukovych para baixo.

“Enter, um rebelde ucraniano corajoso solitário, um jornalista investigativo que conduz”, escreve Snyder. “Um jornalista de pele escura que fica racialmente perfilado pelo regime. E um muçulmano. E um afegão. Esta é Mustafa Nayem, o homem que começou a revolução. Usando a mídia social, ele chamou os alunos e outros jovens para reunir na principal praça de Kiev, em apoio de uma opção europeia para a Ucrânia “.

Todo o crédito para Nayem por sua inegável coragem. Mas mau, mau história. Snyder não menciona que Pyatt, Soros, e os holandeses tinham posto TV Web à disposição do levante. Sem o seu financiamento conjunto de Hromadske e seu streaming de vídeo a partir do Euromaidan, a revolução poderia nunca ter sido televisionado e Yanukovych poderia ter esmagado todo o esforço antes que ele ganhou força.

Para melhor ou para pior, revoltas populares mudaram a história muito antes de rádio, televisão, ou na Internet. As novas tecnologias só acelerar o jogo. Pyatt e sua equipe entendeu que magistralmente e virou soft power eo exercício da liberdade de expressão, de imprensa e de reunião em uma revolução na televisão sob demanda, com um overdub instante em Inglês. Soros então financiou uma crise ucraniana Media Center“para informar a comunidade internacional sobre os acontecimentos na Ucrânia”, e eu ainda estou tentando rastrear quem pagou por Euromaidan PR, o site da Secretaria de Relações Públicas do oficial para o quartel-general da Resistência Nacional .

Revolução Laranja II

Preparando o levante começou muito antes Pyatt chegou a país, e muito do que girava em torno de um talentoso e multi-lingual ucraniano chamado Oleh Rybachuk, que havia tocado várias funções-chave na Revolução Laranja de 2004. Estranhamente, ele recentemente chamou a atenção quando Pando , site de notícias do Vale do Silício, o jornalista atacou Glenn Greenwald eo investidor por trás de sua nova First Look Mídia , fundador do eBay, Pierre Omidyar,. Pedradas de negociação mais de integridade jornalística, tanto Pando e Greenwald perdeu a essência da história maior.

Em 2004, chefiou a equipe Rybachuk e campanha política do candidato presidencial apoiado pelos EUA Victor Yushchenko. Como o geralmente pró-americano Kyiv Mensagem diz ele, o Rybachuk sombrio foi Yushchenko de “alter ego” e “o canal” para o Serviço de Segurança do Estado, que “estava fornecendo a equipe Yushchenko com informações úteis sobre as ações de Yanukovych.” Rybachuk passou a servir sob Yushchenko e Tymoshenko como primeiro-ministro-adjunto encarregado da integração da Ucrânia na NATO e da União Europeia. Em linha com a política dos EUA, ele também empurrou para a privatização de restantes indústrias estatais da Ucrânia.

Apesar dos EUA e da Europa Ocidental apoio, o governo revelou-se desastrosa, permitindo que o seu antigo rival Yanukovych para ganhar a presidência na eleição de 2010. Monitores ocidentais geralmente encontrada a eleição “livre e justa”, mas não importa. Os norte-americanos já havia semeado as sementes quer ganhar Yanukovych cima ou para jogá-lo mais, do jeito que Washington e seus aliados decidiram ir. Já em outubro de 2008, a USAID financiou uma das suas muitas empresas privadas – sem fins lucrativos chamado Pacto Inc. – para executar os “Iniciativas Nacionais Ucrânia para melhorar Reformas” (unificador).Ativo na África e na Ásia Central, Pacto havia trabalhado na Ucrânia desde 2005, em campanhas contra o HIV / AIDS. Seu projeto novo de cinco anos negociadas em buzzwords burocráticas, como a sociedade civil, democracia e boa governação, que no registro público do Estado e da USAID foram gastos muitos milhões de dólares por ano para promover, na Ucrânia.

Pacto iria construir a base para qualquer reforma ou mudança de regime. Só que desta vez os spin-mestres iria enquadrar seus esforços, independente de políticos da Ucrânia e dos partidos políticos, aos quais a maioria dos ucranianos viram corretamente como irremediavelmente corruptos. A nova esperança era “a parceria com a sociedade civil, os jovens e as organizações internacionais” – como prestigioso Financial Post do Canadá depois parafraseou nada menos do que uma autoridade a secretária de Estado Hillary Clinton.

Até 2009, o Pacto tinha remarcado a Rybachuk flexível como ” um ativista da sociedade civil “, completo com sua própria ONG, Centro UA (variadamente escrito Centre UA, Tsenter UA, ou Ações United Center UA). Pacto depois ajudou Rybachuk usar sua nova base de reunir cerca de 60 ONGs locais e nacionais com os ativistas e líderes de opinião pública. Este foi Cidadão novo , uma “plataforma cívica” não-político que se tornou um importante ator político. Na época, o Pacto e IRF de Soros estavam trabalhando em um esforço conjunto para fornecer pequenas doações para cerca de 80 ONGs locais. Isto continuou no ano seguinte com o dinheiro adicional da Fundação Europa de Leste .

“A Ucrânia tem sido unidos pela desilusão comum”, explicou à Rybachuk Kyiv Mensagem . “O país precisa de uma cidadania mais responsável para fazer a elite política mais responsável.”

Quem poderia argumentar? Certamente não aliados ocidentais do Rybachuk. Cidadão novo consistentemente enquadrada sua agenda a democracia como parte de uma maior integração no âmbito da NATO, da Europa e do mundo trans-Atlântico. Se Rybachuk iria dirigir o ” Conselho de Especialistas Civil“associado Comité de Cooperação UE-Ucrânia.

Continuando a aconselhar sobre ” planejamento estratégico “, maio 2010 Pacto encorajados Cidadão novo” para levar o acesso à informação pública como foco de seu trabalho para o próximo ano. ” A coalizão fez campanha para uma nova lei de Liberdade de Informação, que passou. Pacto então mostrou Cidadão novo como usar a lei para impulsionar-se como um grande jogador, organizar e treinar novos ativistas, e trabalhar mais estreitamente com os jornalistas complacentes, os quais seria enfraquecer seriamente o governo Yanukovych recém-eleito. Parte de sua desestabilização incluiu esforços louváveis ​​de outra forma, ninguém mais do que o movimento de “Stop Censorship”.

“A censura é re-emergente, ea oposição não está sendo coberto tanto”, disse o Rybachuk Kyiv Publicar em maio 2010. Ele era agora “um especialista em mídia”, bem como ativista cívico. “Há algumas semelhanças com o que Vladimir Putin fez na Rússia, quando ele começou a sua tomada do poder pela primeira amordaçar críticas nos meios de comunicação “.

Um dos principais aliados de Rybachuk em “Stop Censorship” foi o jornalista Sergii Leshchenko, que por muito tempo trabalhou com Mustafa Nayem em Ukrayinska Pravda, o jornal on-line que NED assumiu publicamente o crédito para apoio. NED deu Leshchenko sua Reagan Fascell Democracia Fellowship, enquanto Cidadão novo estendeu as denúncias de corrupção descarada brilhantes Yanukovych, concentrando-se principalmente em sua luxuosa mansão em Mezhyhirya . Rybachuk do Centro UA também produziu um documentário com Mustafa Nayem ousar perguntar Yanukovych sobre Mezhyhirya numa conferência de imprensa. Nada virou ucranianos – ou do mundo – mais contra Yanukovych do que a exposição concertada de sua enorme corrupção. Este foi realpolitik, na sua mais sofisticada, já que os EUA e seus aliados financiado poucos, se houver, campanhas semelhantes contra os muitos cleptocratas ucranianos que favoreceu a política ocidental.

Sob o olhar atento do Pacto, Nova Cidadão Rybachuk desenvolveu um projeto para identificar as promessas de políticos ucranianos e monitorar sua implementação. Chamavam-lhe um ” Powermeter “(Vladometer), uma ideia que teve a partir do site americano” Obamameter “. O financiamento veio daEmbaixada dos EUA , através do seu Fundo de Desenvolvimento dos Media, que está sob Bureau de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado. Outros dinheiro veio da Rede Internews , que recebe financiamento do Departamento de Estado, USAID, do United States Institute of Peace (USIP) e uma grande variedade de outras agências do governo, organizações internacionais e doadores privados. Ainda outro dinheiro veio do IRF de Soros.

Cidadão novo e suas organizações constituintes, em seguida, reuniu 150 ONGs de mais de 35 cidades, junto com ativistas e jornalistas como Sergii Leschchenko , para criar mais uma campanha em 2011. Chamavam-lhe o Movimento Chesno, da palavra ucraniana para “honestamente”. Sua logotipo era um bulbo do alho , um desinfetante tradicional acredita-se afastar o mal. O objetivo do movimento era “para monitorar a integridade política dos candidatos parlamentares em execução nas eleições de 2012.”

Este foi um projeto gigantesco com a sociologia mais sofisticado . Como esperado, o monitoramento Chesno encontrado poucos políticos honestos. Mas conseguiu levantar a questão da integridade pública a novas alturas em um país de normas tradicionalmente baixa e na construção de interesse político em novas regiões do país e entre os jovens. As próprias eleições legislativas provou sombrio, com o Partido das Regiões, assumindo o controle do parlamento do presidente Yanukovych.

O que, em seguida, do activismo de tudo Cidadão novo, monitoramento, campanhas, construção de movimento e suporte para o jornalismo investigativo seletivo? Onde estava todo esse título? Rybachuk respondeu a pergunta em Abril 2012, vários meses antes da eleição.

“A Revolução Laranja foi um milagre, um protesto pacífico em massa que funcionou”, disse ele do Canadá Financial Mensagem . “Nós queremos fazer isso de novo e achamos que vamos.”

Quem paga o gaiteiro

Rybachuk tinha uma boa razão para seu otimismo revolucionário. Seus doadores ocidentais foram aumentando as apostas. Pacto Inc. encomendou uma auditoria financeira para a campanha Chesno, cobrindo desde Outubro de 2011 a Dezembro de 2012. Ele mostrou que os doadores deram de Rybachuk Centro UA e seis grupos associados cerca de US $ 800.000 para Chesno. PACT, que tem regularmente o seu dinheiro da USAID, contribuiu com a parte do leão, $ 632.813, embora parte do que veio da Omidyar Network, uma fundação criada por Pierre e sua esposa.

Em 12 de março de imprensa , a rede tentou explicar suas contribuições para o Rybachuk Centro UA, Cidadão novo, eo Movimento Chesno. Estes incluíram uma doação de 335 mil dólares, anunciou em setembro de 2011, e outro $ 769,000, comprometida em julho de 2013 de dois anos. Parte do dinheiro foi para expandir plataformas tecnológicas de Rybachuk , como New Citizen explicou .

“Novo Cidadão oferece ucranianos com uma plataforma on-line para defender de forma cooperativa para a mudança social. No site, os usuários podem pressionar coletivamente funcionários do Estado a liberação de informações públicas, participar em campanhas de vídeo-defesa, e contribuir para um conjunto diversificado de iniciativas comunitárias”, eles escreveram. “Como um centro de defensores da justiça social, em Kiev, a organização espera a definição da nação ‘Novo Cidadão” através de meios digitais. “

Recente comunicado de imprensa da Omidyar listados vários outros doadores, incluindo o Pacto financiado pela USAID, as embaixadas da Suíça e do Reino Unido, a Agência de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional da Suécia, a National Endowment for Democracy, e Fundação Internacional Renascimento de Soros. O Movimento Chesno também recebeu dinheiro da Agência Canadense de Desenvolvimento Internacional (CIDA).

Figuras para o ano fiscal de 2013 são mais difíceis de controlar. Washington foreignassistance.govmostra USAID pagar PACT na Ucrânia mais de $ 7 milhões de acordo com a categoria geral de “Democracia, Direitos Humanos e Governança”. Os dados não indicam que parte desta foi a Centro UA, Cidadão novo, ou qualquer um dos seus projetos.

O que devemos fazer de tudo este financiamento? Alguns dos que se parece com a filantropia privada, de volta nos dias em que a CIA canalizados seu dinheiro através de fundações. Foi o dinheiro Soros e Omidyar dinheiro verdadeiramente privada ou do governo camuflou a olhar particular? Isso tem que continuar a ser uma questão em aberto. Mas, com as campanhas de Rybachuk, faz pouca diferença. Outro financiamento governamental USAID e dominado. A Embaixada dos EUA, através do Pacto, coordenado mais do que Rybachuk fez. E, que eu saiba, nem Soros nem Omidyar nunca rompeu com direção central do Departamento de Estado.

Contenção Estratégico, OK?

Quando o embaixador Pyatt chegou em Kiev, ele herdou Pacto e sua rede Rybachuk bem no seu caminho para uma segunda Revolução Laranja, mas somente se eles achavam que precisava para ganhar integração na Europa. Esse sempre foi o grande problema para o Departamento de Estado e do movimento ucraniano eles construíram, muito mais revelador do que a censura, a corrupção, a democracia, ou da boa governação. Ainda em 14 de novembro de Rybachuk viu nenhuma razão para ir para as ruas, esperando Yanukovych a assinar o Acordo de Associação com a União Europeia na cimeira 28-29 novembro em Vilnius. Em 21 de novembro, Yanukovych puxado para trás, o que Rybachuk viu como uma traição das promessas do governo. Isso é o que “trouxe as pessoas para as ruas”, disse à Kyiv Post. “É necessário para chegar a isso.”

Euromaidan se tornaria um “cão de guarda enorme”, colocando pressão sobre o governo para assinar a associação e de comércio livre acordo com a UE, disse ele. “Vamos ver o que o governo ucraniano faz, e ter certeza que ele faz o que tem de fazer.”

É aí que a segunda Revolução Laranja do Departamento de Estado começou. No meu próximo artigo, vou mostrar para onde foi de lá e por quê.


Um veterano da Berkeley Movimento Free Speech e da Nova Esquerda mensais Baluartes, Steve Weissman viveu por muitos anos em Londres, trabalhando como produtor escritor de revistas e televisão. Ele agora vive e trabalha na França, onde ele está pesquisando um novo livro, “Big Money eo Estado Corporativo: Como os bancos globais, empresas e especuladores regra e Como quebrar nonviolently seu domínio.”

Vladimir Putin entrevistado sobre a situação na Ucrânia

7 mar
VLADIMIR PUTIN, PRESIDENTE DA RÚSSIA: Boa-tarde, senhores.
 
Sugiro que organizemos as coisas do seguinte modo, como uma conversa, mais do que como entrevista. Peço então que apresentem suas perguntas, vou reunindo e tentarei respondê-las todas. Em seguida, podemos ter conversa mais detalhada sobre pontos específicos que os interessem mais. Podemos começar.
 
PERGUNTA: Sr. Presidente, queria perguntar-lhe (faz tempo que o senhor não conversa conosco, então há muitas perguntas) como o senhor avalia os eventos em? O senhor entende que o Governo e o presidente em exercício, que estão no poder em Kiev, são legítimos? O senhor está disposto a fazer contato com eles, e sob que termos? O senhor entende que seja possível agora voltar aos acordos de 21/2, sobre o qual todos nós falamos tanto?
 
PERGUNTA: Sr. Presidente, a Rússia prometeu ajuda financeira à Crimeia e, ontem, o Ministério das Finanças recebeu instruções. Já se sabe claramente quanto estamos dando, de onde está saindo o dinheiro, sob que condições está sendo entregue e quando? A situação lá é muito difícil.
 
PERGUNTA: Quando, em que termos e para que objetivo pode ser usada força militar na Ucrânia? Em que medida o movimento está sendo feito conforme acordos internacionais assinados pela Rússia? Os exercícios militares que acabam de ser encerrado tem algo a ver com o possível uso da força?
 
PERGUNTA: Queremos saber mais sobre a Crimeia. O Sr. entende que acabaram as provocações, ou que ainda há alguma ameaça contra os cidadãos russos que estão agora na Crimeia e contra os falantes de russo? Qual a dinâmica geral da situação lá – as coisas estão mudando para melhor ou para pior? Ouvem-se os relatos mais diferentes.
 
PERGUNTA: Se o senhor decidir usar a força, o senhor já avaliou os possíveis riscos para o senhor, para o país e para o mundo: sanções econômicas, menos segurança global, possível fim dos vistos de entrada em vários países ou maior isolamento para a Rússia, como estão exigindo políticos ocidentais?
 
PERGUNTA: Ontem, o mercado de ações caiu muito na Rússia, em resposta à votação no Conselho da Federação, e o rublo atingiu o recorde de menor valor de câmbio. O senhor esperava essa reação? Quais, na sua avaliação, são as possíveis consequências para a economia? São necessárias medidas especiais agora, e de que tipo? Por exemplo, o Sr. acha que a decisão do Banco Central de mover-se para uma taxa flutuante de câmbio para o rublo, pode ter sido prematura? Na sua opinião, a decisão deve ser revogada?
 
VLADIMIR PUTIN: Ótimo. Comecemos por essas perguntas. Depois, continuamos. Não se preocupem: tentarei responder o maior número possível de perguntas.
 
Para começar, minha avaliação de o que aconteceu em Kiev e na Ucrânia em geral. Só pode haver uma avaliação: foi tomada anticonstitucional, tomada armada, do poder. Alguém questiona isso? Não, ninguém questiona. Há aqui uma pergunta que nem eu nem meus colegas com os quais discuti muito a situação na Ucrânia nos últimos dias, como vocês sabem – uma pergunta que nenhum de nós pode responder. A pergunta é: por que tudo aquilo foi feito?
 
Queria chamar a atenção de vocês para o fato de que o presidente Yanukovych, através da mediação de Ministros de Relações Exteriores de três países europeus – Polônia, Alemanha e França – e na presença de um de meus representantes (o Comissário Russo para Direitos Humanos, Vladimir Lukin) assinou um acordo com a oposição, dia 21 de fevereiro. Quero destacar que, nos termos desse acordo (e não estou dizendo que seja bom ou ruim, só estabelecendo um fato), o Sr. Yanukovych, na verdade, entregou o poder.
 
Aceitou todas as demandas da oposição: aceitou que se antecipassem as eleições parlamentares, as eleições presidenciais, e o retorno à Constituição de 2004, como a oposição demandava. Deu resposta positiva ao nosso pedido, ao pedido dos países ocidentais e, sobretudo, ao pedido da oposição, para que não usasse a força. Não emitiu uma única ordem ilegal, para atirar naqueles infelizes manifestantes. Além disso, ordenou a retirada de todas as forças policiais da capital, o que elas fizeram. Foi a Carcóvia, para participar de um evento e, no momento em que ele saiu, em vez de esvaziar e liberar os prédios públicos ocupados, eles imediatamente ocuparam a residência do presidente e o prédio do governo. Exatamente o oposto do acordo que acabavam de assinar.
 
Pergunto-me a mim mesmo, qual o objetivo disso tudo? Quero muito entender por que isso foi feito. O presidente de fato já cedera o poder, e creio que, como eu disse a ele, ele não tinha chances de ser reeleito. Quanto a isso, todos concordam, todos com quem falei pelo telefone nos últimos dias. Qual o objetivo de todas aquelas ações ilegais e inconstitucionais? Por que criaram tamanho caos no país? As ruas de Kiev ainda estão cheias de milicianos mascarados e armados. Aí estão uma questão ainda sem resposta. Queriam humilhar alguém e mostrar poder? Aí, só vejo ações absolutamente tresloucadas. O resultado é o exato oposto do que esperavam, porque suas ações desestabilizaram significativamente o leste e o sudeste da Ucrânia.
 
Agora, sobre como isso tudo aconteceu.
 
Na minha opinião, essa situação revolucionária já estava fermentando há muito tempo, desde os primeiros dias da independência da Ucrânia. O cidadão ucraniano comum, a gente comum, sofreu durante o reinado de Nicolau 2º, durante o governo de Kuchma, e Yushchenko e Yanukovych. Nada, ou praticamente nada, jamais mudou para melhor. A corrupção alcançou dimensões das quais nunca nem se ouviu falar na Rússia. Acumulação de riqueza e estratificação social – problema também agudo na Rússia – são muito piores, radicalmente piores na Ucrânia. A coisa lá é além do que possamos imaginar. De modo geral, todas as pessoas queriam mudanças. Mas ninguém apoiará mudança ilegal.
 
 No espaço pós-soviético, onde as estruturas políticas ainda são frágeis e as economias ainda são fracas, é essencial que se usem só meios constitucionais. Nessa situação, ir além do marco constitucional sempre será erro cardinal. Devo dizer que compreendo aquelas pessoas na praça Maidan, embora não apoie o rumo que as coisas tomaram. Entendo que as pessoas em Maidan exigissem mudança radical, não alguma simples remodelagem cosmética, do poder. Por que exigem isso? Porque cresceram vendo um grupo de ladrões trocar de lugar com outro grupo de ladrões. Além do mais, as pessoas da Regiões não participam sequer da formação de seus próprios governos regionais. Houve tempo, na Rússia, quando o presidente nomeava os líderes regionais, mas eles tinham de ser aprovados pelas autoridades regionais. Na Ucrânia, são diretamente noemados. Nós já temos eleições; eles ainda não estão nem perto disso. E, lá, puseram-se a nomear todos os tipos de oligarcas e bilionários para governarem as regiões leste do país. Não é surpresa que as pessoas não aceitassem isso. Não é surpresa que vejam que, como resultado de uma privatização desonesta (e também aqui há muita gente que tem o mesmo pensamento), alguns tenham ficado imensamente ricos e que, agora, estivessem sendo levados ao poder.
 
Por exemplo: Kolomoisky foi nomeado Governador de Dnepropetrovsk. É escroque conhecido. Conseguiu ludibriar até um oligarca russo, Roman Abramovich, há dois ou três anos. “Tungou” Roman Abramovich, como nossos intelectuais gostam de dizer. Os dois assinaram um negócio; Abramovich transferiu vários bilhões de dólares; o sujeito jamais entregou o que vendera e embolsou o dinheiro. Quando eu perguntei a ele [Roman Abramovich]: “Por que você fez aquele negócio?”, ele disse: “Nunca pensei que esse golpe fosse possível”. Não sei, até hoje, se conseguiu reaver seu dinheiro, ou se acabaram por consumar o negócio. Mas aconteceu, realmente, bem assim, há alguns anos. Agora, esse mesmo escroque aparece nomeado Governador de Dnepropetrovsk. Não surpreende que as pessoas estejam insatisfeitas. Estavam insatisfeitas e continuarão insatisfeitas, se os que se autodesignam autoridades legítimas continuam a gir do mesmo modo.
 
O mais importante é que as pessoas têm de ter o direito de decidir o próprio futuro, de suas família, da região onde vivem, e têm de ter participação igual. Aí está algo que quero destacar: não importa em que parte do país alguém viva, ele ou ela tem de ter o direito de participar em condições de igualdade, para determinar o futuro do país.
 
As atuais autoridades são legítimas? O Parlamento tem ainda alguma legitimidade, mas os demais não, não são legítimos. O presidente-em-exercício, esse, definitivamente não é legítimo. De um ponto de vista legal, só a um presidente. Sabemos que não tem poder. Mas, ainda assim, já disse e repito: Yanukovych é o único presidente legítimo.
 
Pela lei ucraniana há três modos de remover um presidente: por morte, se ele pessoalmente renuncia, ou por impeachment. O impeachment é processo constitucional, com regras bem claras. Envolve a Corte Constitucional, a Suprema Corte e o Rada (Parlamento). É procedimento complicado e demorado. Não houve nada disso. Portanto, do ponto de vista legal, não há sequer o que discutir.
  Acredito, além do mais, que essa foi a razão pela qual extinguiram a Corte Constitucional – o que contradiz todas as normas legais, da Ucrânia e da Europa. Não apenas dissolveram a Corte Constitucional de modo ilegítimo, mas eles também – vejam só! – deram ordens ao Gabinete do Procurador Geral para iniciar processos criminais contra todos os juízes da Corte Constitucional. O que é isso? É o que chamam de justiça? Como é possível alguém mandar alguém iniciar processo criminal, sem acusação formal, sem inquérito? Iniciar um processo criminal por ordem superior é nonsense. É falcatrua.
Agora, sobre a ajuda financeira à Crimeia. Como vocês talvez já saibam, decidimos organizar o trabalho nas regiões russas, para ajudar a Crimeia, que nos pediu apoio humanitário. Claro que atenderemos o pedido. Não posso ainda dizer quanto, quando ou como – o governo está trabalhando nisso, reunindo as regiões que têm fronteira com a Crimeia, garantindo apoio adicional às nossas regiões, para que possam ajudar o povo da Crimeia. Não há dúvida de que ajudaremos, é claro.
 
Sobre o deslocamento de tropas, o uso de forças armadas. Até aqui, não houve necessidade, mas a possibilidade permanece. Quero dizer aqui que os exercícios militares que fizemos recentemente nada têm a ver com os eventos na Ucrânia. São exercícios planejados há muito tempo, mas não foram divulgados, naturalmente, porque era inspeção surpresa da prontidão da forças para combate. Estava planejado há muito tempo, o Ministro da Defesa informou-me e eu já tinha a ordem pronta para iniciar o exercício. Vocês talvez já saibam que os exercícios já foram concluídos; ontem, dei ordem para que as tropas voltem aos deslocamentos regulares.
 
 O que daria motivo para usar as Forças Armadas? – uma medida que, com certeza, só será tomada como último recurso.
 
Em primeiro lugar, a questão da legitimidade. Como vocês devem saber, recebemos pedido direto do presidente eleito e, como eu disse, do único presidente legítimo da Ucrânia, Sr. Yanukovich, que nos pediu o uso das forças armadas para proteger a vida, a liberdade e a integridade física dos cidadãos da Ucrânia.
 
Qual a nossa maior preocupação? Vemos o crescimento de forças reacionárias, nacionalistas e antissemitas em várias partes da Ucrânia, inclusive em Kiev. Vocês, jornalistas, com certeza viram um dos governadores algemado e preso com correntes a um poste, e atacado com baldes de água, no auge do inverno. Depois disso, foi trancado num celeiro e torturado. O que é isso? Seria democracia? Seria manifestação democrática? Esse governador havia sido nomeado recentemente, em dezembro, me parece. Ainda que se aceite que, lá, todos são corruptos, esse governador ainda nem teria tido tempo de roubar coisa alguma.
 
 Sabem o que aconteceu quando tomaram o prédio do Partido das Regiões. Não havia no prédio membros do partido. Apenas dois, três empregados saíram, um deles um engenheiro, que disse aos invasores: “Por favor, deixem-nos sair. Deixem sair as mulheres, por favor. Sou engenheiro, nada tenho a ver com política”. Esse foi assassinado a tiros, ali, à frente de todos. Outro dos empregados foi preso num celeiro e o celeiro incendiado com coquetéis molotov. Foi queimado vivo. Seria manifestação de democracia?
 Quando se veem essas coisas, entende-se o que preocupa os cidadãos da Ucrânia, sejam russos ou ucranianos, e a população que fala russo nas regiões leste e sul da Ucrânia. O que os preocupa é esse crime descontrolado.
 Assim sendo, se virmos esse crime descontrolado espalhando-se para as regiões leste do país, e se aquele povo nos pedir ajuda, dado que já temos o pedido formal, legal do presidente legítimo, nos reservamos o direito de usar todos os meios ao nosso alcance para proteger aquelas pessoas. É resposta absolutamente legítima. Será usada como último recurso.
 Há uma coisa que eu gostaria de dizer: nós sempre consideramos a Ucrânia não só como vizinho, mas como república vizinha irmã. E assim continuaremos. Nossas Forças Armadas são camaradas em armas, amigos, muitos dos quais se conhecem pessoalmente. Tenho certeza, e insisto, que militares ucranianos e russos jamais se enfrentarão: em combate, todos estarão do mesmo lado.
 
Aliás, isso de que estou falando – essa unidade – é o que já se vê na Crimeia. Vocês sabem que, graças a Deus, nenhum tiro foi disparado ali; não há mortes, exceto um atropelamento na praça há uma semana. O que se viu ali? As pessoas chegaram, cercaram unidades das forças armadas e conversaram com os soldados, convencendo-os a atender às demandas populares e o desejo do povo que vive ali. Não houve um tiro, um único confronto armado.
Assim, a tensão na Crimeia, associada à possibilidade de usarmos nossas forças armadas simplesmente se esvaiu, e não foi preciso usá-las. A única coisa que tínhamos de fazer e fizemos, foi reforçar a defesa de nossas instalações militares, porque estavam recebendo ameaças, e sabíamos de nacionalistas armados que tentavam aproximar-se. Reforçamos nossa proteção, e era a coisa certa a fazer e fizemos no momento certo. Parto da ideia de que não será necessário fazer nada desse tipo, no leste da Ucrânia.
 
Mas há algo que quero destacar. Obviamente, o que vou dizer não está compreendido na minha autoridade e não temos nenhuma intenção de interferir. Mas cremos firmemente que todos os cidadão da Ucrânia, repito: vivam onde viverem, devem ter iguais direitos de participar na vida de seu país e determinar seu futuro.
 
 Se eu estivesse na pele daqueles que se consideram autoridades legítimas, não perderia tempo e cuidaria de seguir logo todos os procedimentos legais necessários, porque eles não tem mandato nacional para conduzir políticas domésticas, externas ou econômicas, e nem, especialmente, para determinar o futuro da Ucrânia.
 
 Agora, a questão das Bolsas de Ações. Como vocês talvez saibam, o mercado já estava oscilante antes de que a situação na Ucrânia deteriorasse. Tem a ver, basicamente, com a política do Federal Reserve dos EUA, cujas decisões recentes tornaram mais atraente investir na economia dos EUA, e os investidores puseram a mover seus investimentos, dos países emergentes para o mercado norte-americano. É uma tendência geral e nada tem a ver com a Ucrânia. Parece-me que o país que mais sofreu, dentre os BRICS, foi a Índia. A Rússia também foi atingida, não tão duramente como a Índia, mas foi atingida. A razão fundamental é essa.
 
 Quanto aos eventos na Ucrânia, a política sempre influencia os mercados de ações, de um modo ou de outro. O dinheiro gosta de tranquilidade, estabilidade e calma. Mas acho que é desenvolvimento só tático, temporário, e influência temporária
 
 _________________________
 
 VLADIMIR PUTIN, PRESIDENTE DA RÚSSIA: Suas perguntas, por favor.
 
 PERGUNTA: Sr. Presidente, pode dizer se o senhor esperava reação tão forte dos seus parceiros ocidentais, contra as ações da Rússia? Pode dar-nos detalhes de suas conversas com seus parceiros ocidentais? A única coisa que se ouviu foram notícias do seu serviço de imprensa. E o que pensa sobe a reunião do G8 em Sochi – acontecerá?
 
 VLADIMIR PUTIN: Sobre a reação esperada, se o G8 se realizará e sobre as conversas. Todas essas conversas são confidenciais, algumas acontecem até por linhas protegidas. Assim sendo, não estou autorizado a divulgar o que discuti com os parceiros. Mas posso comentar algumas declarações públicas, feitas por meus colegas ocidentais; sem dar nomes; comento-as só em termos gerais.
 
 A que prestar atenção? Sempre há alguém a dizer que o que a Rússia faz não seria ilegítimo. Pergunto: “Será que supõem que tudo que o que eles fazem é sempre legítimo?” A resposta é “Sim, eles supõem”. Então, tenho de lembrar-lhes o que os EUA fizeram no Afeganistão, Iraque e Líbia, onde agiram sem autorização da ONU ou distorceram completamente o conteúdo daquelas resoluções, como no caso da Líbia. Nesse caso, como vocês sabem, a resolução só autorizava a fechar o espaço aéreo para a aviação de Gaddafi. E a coisa terminou, como se sabe, com bombardeios aéreos e operação em terra, pelas forças especiais.
 
 O que se vê é que nossos parceiros, especialmente os EUA, sempre claramente formular seus próprios interesses geopolíticos e de estado, e os seguem persistentemente. Então, usando o princípio “Ou estão conosco ou estão contra nós”, dividem o mundo. E os que não se enquadrem, são “espancados” até se enquadrar.
 
 Nossa abordagem é diferente. Partimos da convicção de que sempre temos de agir com legitimidade. Eu, pessoalmente, sempre defendi que temos de agir em estrito cumprimento da lei internacional. Quero reforçar, mais uma vez, que, se tomarmos a decisão, se eu decidir usar as Forças Armadas russas, será decisão legítima, em plena obediência a todas as normas gerais da lei internacional – porque recebemos um pedido de ajuda do presidente legítimo –, e, também, em plena obediência aos nossos compromissos, que, nesse caso, coincidem com nossos interesses de proteger um povo com o qual temos estreitos laços históricos, culturais e econômicos. Essa é missão humanitária. Não visamos a subjugar ninguém nem a dar ordens a ninguém. Mas não podemos ficar indiferentes se vemos aquele povo ser perseguido, destruído e humilhado.
 
 Seja como for, espero sinceramente que não seja necessário chegar até isso.
 
 PERGUNTA: Como o senhor avalia a reação do ocidente aos eventos na Ucrânia e as ameaças contra a Rússia: estamos diante de possíveis sanções ou da expulsão do G8?
 
 VLADIMIR PUTIN: Quanto às sanções. Quem mais se deve preocupar com as consequências das sanções é quem aplica as sanções. Entendo que, no mundo moderno, no qual tudo está interconectado e é interdependente, é possível causar danos a outro país, mas sempre será dano mútuo. Aí está algo que todos devem manter sempre em mente. Isso é uma coisa.
 
 A segunda coisa, e a mais importante: já disse aos senhores o que nos motiva. Mas… o que motiva nossos parceiros? Eles apoiaram um golpe para tomada armada e inconstitucional do poder; declararam o novo poder legítimo e agora estão tentando dar-lhes apoio.
 
Devo dizer que, apesar de tudo isso, temos sido pacientes e até dispostos a cooperar; não queremos romper nossa cooperação. Como vocês devem saber, há alguns dias instruí o governo a considerar como se podem preservar os contatos até com aqueles poderes em Kiev que não consideramos legítimos, para não comprometer nossos laços na economia e na indústria. Entendemos que nossas ações têm sido absolutamente razoáveis. Entendemos também que ameaçar a Rússia sempre é contraproducente e danoso.
 
 Quanto ao G8, não sei. Estaremos prontos para hospedar o encontro com nossos colegas. Se não querem vir… que seja.
 
 PERGUNTA: Posso acrescentar algo, sobre os contatos? Como vejo as coisas, o senhor considera legítimo o primeiro-ministro da Crimeia, sr. Aksyonov, como representante das autoridades do governo. O senhor está pronto a ter contatos com os que se consideram legítimas autoridades em Kiev?
 
 VLADIMIR PUTIN: Já falei sobre isso. O senhor talvez não tenha ouvido.
 
 PERGUNTA: Quero dizer, em alto nível, para uma solução política.
 
 VLADIMIR PUTIN: Não parceiro no alto nível, lá. Lá não há presidente. E não pode haver, até que haja eleições gerais.
 
 Quanto à Crimeia, o Parlamento foi formado em 2010, em dezembro de 2010, se bem me lembro. Há 100 deputados eleitos, que representam seis partidos políticos. Depois da renúncia do ex-primeiro-ministro, o Parlamento da Crimeia, como ordena a legislação vigente e pelos procedimentos legais, elegeram um novo primeiro-ministro em sessão do Conselho Superior da Crimeia. É claro que é definitivamente legítimo. Foram respeitados todos os procedimentos de lei; não houve sequer um ato ilegal.
 
 E quando, há alguns dias, um grupo de homens armados tentou ocupar o prédio do Soviet Superior da Crimeia, houve indignação dos habitantes locais. Pareceu-lhes que alguém tentava aplicar na Crimeia o mesmo cenário de Kiev, lançar séries de atos terroristas e provocar o caos. É claro que os habitantes locais têm boas razões para preocupação. Por isso organizaram comitês de autodefesa e assumiram o controle sobre as forças armadas da Crimeia.
 
 Casualmente, examinei as notícias, ontem, para ver sobre o que, exatamente, a população da Crimeia assumiu o controle. Há várias dúzias de unidades C-300, várias dúzias de sistemas de mísseis de defesa aérea, 22 mil soldados e mais. Mas, como eu disse, tudo já está sob controle do povo da Crimeia, e sem disparar um único tiro.
 
PERGUNTA: Sr. Presidente, um esclarecimento, por favor. As pessoas que bloqueavam o acesso às unidades do Exército da Crimeia usavam uniformes muito parecidos com o uniforme do Exército Russo. Eram soldados russos, o exército russo?
 
VLADIMIR PUTIN: Examine os uniformes dos exércitos dos soldados dos estados pós-soviéticos. Há muitos uniformes parecidos. E sempre se pode entrar numa loja e comprar qualquer tipo de fardamento.
 
 PERGUNTA: Mas eram ou não eram soldados russos?
 
 VLADIMIR PUTIN: Eram unidades locais de autodefesa.
 
 PERGUNTA: Eram treinados? Se se comparam aqueles soldados com as unidades de autodefesa em Kiev…
 
VLADIMIR PUTIN: Meu caro amigo, veja o quão bem treinado era o pessoal que operou em Kiev. Todos sabemos que foram treinados em bases especiais em estados vizinhos: na Lituânia, na Polônia e na própria Ucrânia. Foram treinados por instrutores, por longos períodos. Foram divididos em dúzias e centenas, as ações foram coordenadas e havia bons sistemas de comunicação. Funcionava como um relógio. Você os viu em ação? Operavam como profissionais, pareciam forças especiais. Por que você pressupõe que os defensores da Crimeia teriam de ser menos bem organizados, piores?
 
 PERGUNTA: Então, me explico melhor: tomamos parte no treinamento das forças de autodefesa da Crimeia?
 
 VLADIMIR PUTIN: Não.
 
 PERGUNTA: Como o senhor vê o futuro da Crimeia? O senhor considera a possibilidade de a Crimeia unir-se à Rússia?
 
 VLADIMIR PUTIN: Não, não consideramos. De modo geral, creio que só residentes de um determinado país, com plena liberdade para escolher e em completa segurança, podem determinar o futuro do próprio país. Se isso sempre tivesse sido garantido aos albaneses do Kosovo, se fosse tornado possível em muitas diferentes partes do mundo, ninguém teria roubado a ninguém o direito à autodeterminação, o qual, que eu saiba, está fixado em vários documentos da ONU. Não, de modo algum. Não provocaremos essa decisão, nem promoveremos esses sentimentos.
 
 Quero destacar que acredito que só quem viva num dado território tem o direito de determinar o próprio destino naquele território.
 
 
PERGUNTA: Duas perguntas. O senhor disse que enviar tropas à Ucrânia é medida extrema, mas o senhor não a descartou. Mas, se tropas russas entrarem na Ucrânia, pode ser o início de uma guerra. Isso não o preocupa? E uma segunda pergunta: o senhor diz que Yanukovich não deu ordem para seus policiais atirarem contra o povo. Mas alguém atirou e, claramente, eram atiradores treinados.
 
VLADIMIR PUTIN: Muita gente, inclusive pessoas que estavam entre os manifestantes, manifestaram a opinião de que eram provocadores, de um dos partidos da oposição. O senhor não ouviu esses relatos?
 
 RESPOSTA: Não, não ouvi.
 
 VLADIMIR PUTIN: Procure esses relatos – não é difícil encontrá-los. Por isso é tão difícil chegar ao fundo dessa situação. Mas não há dúvidas de que o senhor e eu vimos, com certeza, quando os policiais Berkut lá estavam, só com seus escudos, sob fogo – e não eram armas de ar comprimido, que foram usadas contra eles, mas armas de assalto, que perfuraram os escudos. Isso, com certeza, nós vimos, todo mundo viu. E quanto a quem ordenou os tiros, não sei. Sei o que o sr. Yanukovich contou-me. E ele me disse que não deu ordem de tiro, em nenhum momento. Mais do que isso, depois de assinar o acordo de 21/2/2014, ele deu instruções para que todas as unidades policiais se retirassem da capital.
 
 Posso, até, lhe contar mais. Yanukovich telefonou-me; e eu lhe disse que não retirasse os policiais das ruas. Disse a ele: “Você terá anarquia, você gerará o caos na capital. Pense no povo”. Mas, mesmo assim, ele retirou os policiais. Imediatamente seu próprio gabinete foi tomado, e o prédio do governo, e foi o caos, o mesmo do qual eu falei a Yanukovich, e que continua até hoje.
 
 PERGUNTA: E sobre a primeira pergunta? Não o preocupa a possibilidade de uma guerra?
 
 VLADIMIR PUTIN: Não. Porque não planejamos guerra alguma, nem combateremos contra o povo da Ucrânia.
 
 PERGUNTA: Mas há soldados ucranianos, o exército ucraniano.
 
 VLADIMIR PUTIN: Ouça com atenção. Quero que me compreendam claramente: se nós tomarmos essa decisão, será, sempre e necessariamente e unicamente, para proteger os cidadãos da Ucrânia. Quero ver que exército ucraniano se atreverá a atirar contra o próprio povo, com os russos lá, com os ucranianos; por trás dos ucranianos, não à frente, mas no apoio. Queria saber quem, na Ucrânia, daria ordem ao exército ucraniano para atirar contra mulheres e criança ucranianas que estão sob nossa proteção.
 
 PERGUNTA: Posso fazer uma pergunta, sr. presidente? Nossos colegas, meus colegas jornalistas que estão atualmente trabalhando na Ucrânia, dizem, todos os dias, que a situação dos Berkut piora dia a dia (com exceção, talvez, da Crimeia). Em Kiev, especialmente, há oficiais da polícia antitumultos feridos, agora hospitalizados, mas que não recebem nenhum tipo de tratamento. Alguns, sequer recebem comida. E as famílias deles não podem nem sair de casa, porque estão cercados: há barricadas em torno das casas. Não têm comida, são humilhados. O senhor pode comentar isso? Há meio de a Rússia ajudar aquelas famílias e os policiais?
 
VLADIMIR PUTIN: Sim, é assunto que muito nos preocupa. Não são soldados nossos, nem estamos diretamente envolvidos nessa situação. Mas é, sim, uma questão humanitária grave. Seria oportuno que nossas organizações de direitos humanos se envolvessem nessa questão. Podemos pedir que Vladimir Lukin, só ou com seus colegas [da ONU], representantes da França, Alemanha e Polônia, que trabalharam para construir o conhecido acordo de 21/2/2014, que viajem até lá e verifiquem in loco a situação desses policiais Berkut, que não ofenderam nenhuma lei e agiram em obediência às ordens. São oficiais militares, enfrentaram os tiros, os coquetéis molotov, foram feridos. Aquela situação é difícil até de imaginar. Há leis que obrigam a alimentar e dar tratamento médico até a prisioneiros de guerra. As organizações de direitos humanos devem dar toda a atenção a esse caso. Desde já, garanto que receberão atendimento médico aqui na Rússia.
 
PERGUNTA: Sr. Presidente, voltando à reação ocidental. Depois do duro pronunciamento do secretário de Estado dos EUA, o Conselho da Federação sugeriu que chamássemos de volta nosso embaixador nos EUA. O senhor apoia essa ideia?
 
 VLADIMIR PUTIN: O secretário de Estado dos EUA é, sem dúvida, homem muito importante, mas não é a autoridade que determina a política externa dos EUA. Ouvimos declarações de vários políticos e representantes de variadas forças políticas. A medida sugerida é medida extrema. Será usada, se for necessária. Mas realmente não quero usá-la, porque acho que a Rússia não é a única interessada na cooperação com nossos parceiros num plano internacional, e em áreas como economia, política e segurança internacional, a cooperação interessa tanto a nossos parceiros quanto a nós. É muito fácil destruir esses instrumentos de cooperação, e seria muito difícil reconstruí-los.
 
 PERGUNTA: Rússia envolveu-se no destino de Yanukovych. Como o senhor vê seu papel futuro e seu destino futuro?
 
 VLADIMIR PUTIN: É difícil dizer, não analisei detidamente essas questões. Acho que ele não tem nenhum futuro político – e disse a ele. Quanto a nos ter envolvido no “destino” dele – o que fizemos foi feito por questão de consideração humanitária. Assassinar presidente legítimo é o meio mais fácil para livrar-se dele. Acho que, se ficasse lá, teria sido assassinado. Mais uma vez, ressurge a mesma pergunta: mas por quê?
 
Afinal, vejam como tudo começou, o que desencadeou esses eventos. A razão formal é que ele não assinou o Tratado de Associação com a União Europeia. Hoje, já soa como total nonsense; é ridículo, até, falar disso. Mas o que quero dizer é que ele não se recusou a assinar o tal Tratado.
 
 Yanukovich disse: “Analisamos detidamente esse Tratado e o conteúdo dele não atende aos nossos interesses nacionais. Não podemos aumentar o preço do combustível para os ucranianos, tanto quanto o Tratado exige, porque os ucranianos já vivem situação muito difícil. Não podemos fazer isso, nem isso, nem aquilo. Não podemos romper completamente e imediatamente nossos laços econômicos com a Rússia, porque nossa cooperação é muito extensa. (…) Yanukovich disse “Não posso fazer isso, assim, de repente. Vamos discutir mais”. Yanukovich não se recusou a assinar o Tratado: só pediu mais tempo para discutir o documento. E, na sequência, essa loucura toda começou.
 
 E por quê? Teria feito algo que extrapolasse a autoridade que tinha? Não. Agiu estritamente no limite de sua autoridade; não infringiu lei alguma. Simplesmente se recusou a apoiar as forças que lhe faziam oposição, numa luta pelo poder. Nada há aí de excepcional. Como, por que, esse “nada” inicial foi levado ao atual nível de anarquia, à derrubada ilegal de governo legítimo, com a Ucrânia lançada no caos em que está hoje? Tudo, aí, me parece inaceitável.
 
 Não é a primeira vez que nossos parceiros ocidentais fazem isso na Ucrânia. Às vezes tenho a sensação de que em algum lugar naquele poço imenso, nos EUA, alguém senta-se num laboratório e põe-se a fazer testes, como se todos fôssemos ratos de gaiola, sem realmente compreender as consequências do que fazem. Por que tinham de fazer isso? Quem explica o que fizeram? Não há explicação.
 
 O mesmo aconteceu durante o primeiro levante na praça Maidan, quando Yanukovych foi bloqueado longe do poder. Quem precisava daquele terceiro turno de eleições? Em outras palavras, a coisa toda virou farsa – a vida política da Ucrânia foi convertida em farsa. Nenhuma consideração à Constituição. Agora, vocês veem, estão ensinando às pessoas que, se uma pessoa pode violar a lei, todos podem; assim, geraram o caos. O perigo é esse.
 
 Em vez disso, é preciso ensinar as sociedades a seguir outras tradições: a tradição de respeitar a lei maior do país, a Constituição, e todas as demais leis. Claro, nem sempre se conseguirá. Mas… agir como touro em loja de porcelana é contraproducente e muito perigoso. Há mais perguntas, por favor?
 
__________________________
 
 PERGUNTA: Sr. presidente, Turchynov é ilegítimo, do seu ponto de vista.
 
 VLADIMIR PUTIN: Como presidente, sim.
 
 PERGUNTA: Mas o Rada [Parlamento] é parcialmente legítimo.
 
 VLADIMIR PUTIN: Sim.
 
 PERGUNTA: Yatsenyuk e o Gabinete são legítimos? A Rússia está preocupada com a força crescente dos elementos radicais. Eles se fortalecem, sempre que se veem diante de um inimigo hipotético, o qual, hoje, eles entendem que seria a Rússia. Há também a posição russa, de declarar-se pronta para enviar tropas [para a Ucrânia]. Pergunto: faz sentido é será possível manter conversações com as forças moderadas no governo da Ucrânia, com Yatsenyuk? Yatsenyuk é legítimo?
 
 VLADIMIR PUTIN: Parece que o senhor não ouviu o que eu disse. Eu já disse que, há três dias, dei instruções ao governo para renovar os contatos em nível de governo com seus correspondentes ministérios e departamentos na Ucrânia, para não cortar laços econômicos, e para apoiar suas tentativas para reconstruir a economia. Foram instruções que dei diretamente ao governo russo. O primeiro-ministro, sr. Medvedev, está em contato com [Arseniy] Yatsenyuk. E sei que Sergei Naryshkin, presidente do Parlamento russo, está em contato com [Oleksandr] Turchynov. Mas, repito: nossos contatos comerciais e econômicos, e outros, nossos contatos humanitários, só se poderão desenvolver plenamente depois que a situação se normalizar e houver eleições presidenciais.
 
 PERGUNTA: Gazprom já disse que está voltando aos velhos preços do gás, a partir de abril.
 
 VLADIMIR PUTIN: Não. A Gazprom não pode ter dito isso. O senhor não ouviu bem, ou alguém não se expressou com clareza. A Gazprom não está voltando aos velhos preços. A empresa simplesmente não quer manter os atuais descontos, que ela só aceita aplicar ou não aplicar, por períodos trimestrais. Já era assim antes desses eventos, antes de a crise se agravar. Conheço as negociações entre a Gazprom e seus parceiros. A Gazprom e o governo da Federação Russa acordaram que a Gazprom introduziria um desconto, reduzindo os preços do gás para US $268,50 por mil metros cúbicos. O governo da Rússia provê a primeira parte do empréstimo, que não é formalmente um empréstimo, mas uma compra de papéis – um quase-empréstimo, US $3 bilhões de dólares no primeiro estágio. E o lado ucraniano assume o compromisso de pagar a dívida que se criou no segundo semestre do ano passado e de fazer pagamentos regulares do que estão consumindo – pelo gás. A dívida não foi paga, nem estão sendo feitos integralmente os demais pagamentos.
 
 Além disso, o parceiro ucraniano não depositou o pagamento que venceu em fevereiro, o que fez aumentar o montante da dívida. Hoje, está em torno de US $1,5-1,6 bilhões. E se não pagarem tudo o que vence em fevereiro, a dívida se aproximará de US $2 bilhões. Naturalmente, nessas circunstâncias, a Gazprom diz: “Escutem aqui, já que vocês não vão mesmo pagar, e a única coisa que aumenta é a dívida de vocês, vamos fechar negócio com o preço regular, que já é reduzido”. É movimento puramente comercial, parte das atividades da Gazprom, que planeja retornos e gastos em seus investimentos, como qualquer grande empresa. Se não recebem a tempo o dinheiro dos parceiros ucranianos, eles têm de cortar os próprios programas de investimentos; é problema real, para eles. Mas, lembro, nada disso tem qualquer coisa a ver com os eventos na Ucrânia, nem com qualquer movimento político. Havia um acordo: “Damos a vocês dinheiro e preços reduzidos de gás, e vocês fazem pagamentos regulares”. A empresa deu a eles dinheiro e preços reduzidos de gás, mas os pagamentos não estão sendo feitos. Naturalmente, a Gazprom diz “Não, pessoal, a coisa não está funcionando”.
 
 PERGUNTA: Sr. Presidente, o serviço de imprensa da chanceler alemã Merkel disse, depois da conversa telefônica entre ela e o senhor, que havia ficado acertado que o senhor enviaria uma missão de investigação em campo, à Ucrânia, para saber o que acontece por lá, e que seria constituído um grupo de contato.
 
 VLADIMIR PUTIN: Eu disse que temos pessoal com treinamento e competências para examinar a questão e para discuti-la com nossos colegas alemães. Pode-se fazer. Já dei as instruções necessárias ao nosso ministro de Relações Exteriores, que estava para encontrar-se, ou vai encontrar-se com o ministro de Relações Exteriores da Alemanha, sr. Steinmeier, ontem ou hoje, para discutirem esse assunto.
 
 PERGUNTA: Todos os olhos estão na Crimeia, agora, é claro, mas vê-se também o que está acontecendo em outras partes da Ucrânia, no leste e no sul. Vê-se o que está acontecendo em Carcóvia, Donetsk, Lugansk e Odessa. As pessoas içam bandeiras da Rússia nos prédios do governo e pedem ajuda e apoio à Rússia. A Rússia responderá a esses eventos?
 
 VLADIMIR PUTIN: Você acha que não demos nenhuma resposta? Acho que estamos aqui, há uma hora, discutindo essa resposta. Mas, em alguns casos, os desenvolvimentos que se veem são, me parece, inesperados. Não vou entrar aqui em detalhes específicos sobre o que quero dizer com isso, mas a reação que estamos vendo é, em princípio, compreensível.
 
 É possível que nossos parceiros no ocidente e os que se dizem governo em Kiev não tenham previsto que os eventos tomariam esse rumo? Eu perguntei a eles, repetidas vezes: por que vocês estão empurrando o país para esse frenesi? O que estão fazendo? Eles continuaram a trabalhar para o frenesi. É claro que o povo do leste da Ucrânia sabe que foi deixado de fora do processo de decisão.
 
 Essencialmente, o que é preciso fazer agora é adotar uma nova Constituição e submetê-la a um referendo, para que todos os cidadãos de toda a Ucrânia participem do processo e influenciem os princípios básicos que serão o fundamento do governo do país deles. Mas esse não é assunto dos russos. Esse assunto é algo que só o povo e o governo da Ucrânia podem decidir, para um lado ou para outro. Acho que, tão logo haja um governo legítimo e novo presidente e novo Parlamento eleitos, que é o que está planejado, as coisas provavelmente andarão em frente. Se eu fosse eles, voltaria ao assunto de adotar uma Constituição e submetê-la a referendo, para que todos se possam manifestar, votar, e, depois, todos terão de respeitar suas próprias decisões. Se as pessoas sentem que estão sendo deixadas fora do processo, jamais o aceitarão e continuarão a resistir contra ele. Quem precisa desse tipo de coisa? Mas, como já disse, esse não é assunto nosso.
 
 PERGUNTA: A Rússia reconhecerá a planejada eleição presidencial que acontecerá na Ucrânia?
 
 VLADIMIR PUTIN: Vamos ver como a coisa anda. Se for acompanhada pelo mesmo tipo de terror que é tudo que hoje se vê em Kiev, não reconheceremos.
 
 PERGUNTA: Queria voltar à reação do ocidente. Continua toda essa conversa dura, temos, em poucos dias a abertura dos Jogos Paraolímpicos em Sochi. Esses jogos estão em risco, a ponto de fracassar, pelo menos no que tenha a ver com a cobertura jornalística?
 
 VLADIMIR PUTIN: Não sei. Parece-me o cume do cinismo criar ameaças contra os Jogos Paraolímpicos. Todos sabemos que é evento internacional de esportes nos quais portadores de necessidades especiais podem mostrar suas capacidades, provar a eles mesmos e ao mundo que não são pessoas limitadas, mas, ao contrário, gente cheia de ilimitadas capacidades e mostrar, no esporte suas realizações. Se há gente interessada em fazer fracassar esses jogos, só mostram que são gente para quem nada é respeitável, nada é sagrado.
 
 PERGUNTA: Queria perguntar sobre a possibilidade hipotética de usar o exército. Há quem diga, no ocidente, que se a Rússia tomar essa decisão estará violando o Memorando de Budapeste, pelo qual EUA e alguns parceiros da             OTAN consagraram  a integridade territorial da Ucrânia, em troca da promessa de que o país não desenvolveria armas atômicas. Se os desenvolvimentos tomarem esse rumo, atores internacionais poderão intervir nesse conflito local e fazer dele um conflito global? O senhor considerou esse risco?
 
 VLADIMIR PUTIN: Antes de fazer ‘declarações’ e sobretudo, antes de qualquer passo concreto, temos o hábito de dar a devida atenção às questões e analisar consequências e reações possíveis dos vários atores.
 
 Quanto ao Memorando de que você fala… Você disse que é da Reuters, é isso?
 
 RESPOSTA: Sim.
 
 VLADIMIR PUTIN: Como os círculos populares e políticos em seu país veem os eventos em andamento? É claro, afinal, que foi evidente tomada do poder por um grupo armado. Esse é fato claro e evidente. E é claro, também que é golpe anticonstitucional. É fato claro, não é?
 
 RESPOSTA: Eu vivo na Rússia.
 
 VLADIMIR PUTIN: Bom para você! Você deveria trabalhar no corpo diplomático; seria um bom diplomata. A língua dos diplomatas, como se sabe, existe para esconder o que eles pensam. Então, dizemos que o que estamos vendo é um golpe armado anticonstitucional, e nos dizem que não, não é. Você com certeza ouviu muitas e muitas vezes que não se trata de golpe anticonstitucional nem tomada armada do poder, mas que seria uma revolução. Você já ouviu isso?
 
 RESPOSTA: Já.
 
 VLADIMIR PUTIN: Sim, mas, se é uma revolução, o que significa tudo isso? Em alguns casos é difícil não concordar com alguns especialistas que dizem que um novo estado está emergindo nesse território. Exatamente o que aconteceu quando do colapso do Império Russo, depois da revolução de 1917, e um novo estado emergiu. E esse seria um novo estado, com o qual nós não assinamos nenhum acordo ou Memorando.
 
 PERGUNTA: Queria esclarecer um ponto. O senhor disse que se os EUA impuserem sanções, implicaria um golpe contra ambas as economias. Isso implica que a Rússia pode impor contra-sanções, ela mesma? Nesse caso, a resposta seria simétrica?
 
 O senhor também falou sobre os descontos no preço do gás. Mas há também o acordo de comprar $15 bilhões de papéis da Ucrânia. A Ucrânia recebeu a primeira parcela, no final do ano passado. O restante do dinheiro foi suspenso? Se a Rússia oferecer ajuda, em que exatos termos econômicos e políticos isso será feito? E que riscos econômicos e políticos o senhor está considerando nesse caso?
 
 VLADIMIR PUTIN: Respondendo sua pergunta, estamos, em princípio, dispostos a tomar as medidas necessárias para tornar disponíveis as demais parcelas referentes à compra de papéis. Mas nossos parceiros ocidentais nos pediram que não façamos isso. Pediram-nos para trabalharmos em conjunto com o FMI, para encorajar as autoridades ucranianas a fazerem as reformas necessárias que levem à recuperação da economia ucraniana. Continuamos trabalhando nessa direção. Mas, dado que a Naftogaz ucraniana não está pagando o que deve à Gazprom, o governo, agora, considera várias alternativas.
 
 PERGUNTA: Sr. Presidente, a dinâmica dos eventos na Ucrânia está mudando para melhor ou para pior?
 
 VLADIMIR PUTIN: Acima de tudo, acho que está gradualmente começando a nivelar-se. Temos absolutamente de sinalizar para o povo do sudeste da Ucrânia que todos podem sentir-se seguros, e sabendo que poderão tomar parte no processo político geral de estabilizar o país.
 
PERGUNTA: O senhor falou várias vezes de futuras eleições legítimas na Ucrânia. Quem o senhor vê como candidato sério? Claro que o senhor vai dizer que cabe ao povo ucraniano decidir, mas pergunto mesmo assim.
 
 VLADIMIR PUTIN: Honestamente, não sei mesmo.
 
RESPOSTA: Parece que ninguém sabe, porque todos com quem se fala parecem estar completamente perdidos.
 
VLADIMIR PUTIN: Realmente, não sei dizer. Você sabe, é difícil fazer previsões em eventos desse tipo. Já disse que não concordo com esse método de tomar o poder e derrubar autoridades eleitas, e o presidente eleito, e que me oponho fortemente a esse tipo de método na Ucrânia e em geral em todo o espaço pós-soviético.
 
 Oponho-me, porque esse tipo de método não contribui para inculcar uma cultura de respeito à lei. Se um se safar, depois de ter feito isso, significa que todos podem tentar, e isso só significa caos. É preciso entender que esse tipo de caos é o pior que pode acontecer a países de economias frágeis e sistema político instável. Nesse tipo de situação você jamais sabe que tipo de gente os eventos jogarão no centro da cena.
 
 Lembre, por exemplo, o papel que as tropas de assalto de [Ernst] Roehm tiveram na ascensão de Hitler, ao poder. Adiante, aquelas tropas foram liquidadas, mas tiveram seu papel para levar Hitler ao poder. Os eventos podem tomar os rumos mais inesperados.
 
Permitam-me dizer, mais uma vez, que em situações nas quais o povo clame por reforma política fundamental e novas caras no topo, e também num clamor plenamente justificado – e nisso concordo com o movimento Maidan –, sempre há o risco de você, de repente, ter nas mãos um levante nacionalista ou semifascista, como uma espécie de gênio que salta para fora da garrafa. Hoje, eles estão bem à vista, usando braçadeiras com algo que muito parecem suásticas, ainda circulando por Kiev, nesse momento – ou antissemitas ou outros. Esse perigo está presente lá.
 
PERGUNTA: Hoje mesmo, coincidentemente, o enviado ucraniano à ONU disse que os crimes cometidos pelos seguidores de Bandera foram forjados pela União Soviética. Com 9 de maio se aproximando, já se pode ver quem está hoje no poder. Podemos ter qualquer contato com eles?
 
VLADIMIR PUTIN: Temos de ter contato com todos, exceto com criminosos, mas, como eu já disse, nesse tipo de situação sempre há o risco de que eventos como esse tragam à tona gente com visão extremista. Isso, claro, tem consequências graves para o país.
 
 PERGUNTA: O senhor disse que temos de fazer contato com todos. Parece que Yulia Timoshenko planeja visitar Moscou.
 
VLADIMIR PUTIN: Como você sabe, sempre trabalhamos proveitosamente com todos os diferentes governos ucranianos, não importa sua cor política. Trabalhamos com Leonid Kuchma e com [Viktor] Yushchenko. Quando fui primeiro-ministro, trabalhei com Timoshenko. Visitei-a na Ucrânia e ela veio à Rússia. Tivemos de lidar com situações diferentes no trabalho de administrar a economia de nossos respectivos países. Tivemos nossas diferenças, mas também alcançamos acordos. Foi trabalho construtivo. Se ela quer vir à Rússia, que venha. A situação é outra, agora que ela não é mais primeira-ministra. Virá a que título? Mas, pessoalmente, não tenho nenhuma intenção de impedi-la de vir à Rússia.
 
PERGUNTA: Uma pergunta rápida: quem, em sua opinião, está por trás do golpe, como o senhor diz, na Ucrânia?
 
VLADIMIR PUTIN: Como já disse, acho que foi ação longamente preparada. Houve destacamentos treinados para combate. Ainda estão lá, e todos vimos que trabalharam com eficiência. Seus instrutores ocidentais dedicaram-se ao trabalho, é claro. Mas esse não é o verdadeiro problema. Se o governo ucraniano estivesse forte, confiante, e tivesse construído um sistema estável, nenhum grupo nacionalista teria conseguido levar adiante aquele tipo de plano e programa, nem teriam chegado aos resultados que se veem hoje.
 
O verdadeiro problema é que nenhum dos governo ucranianos anteriores deram a atenção devida às necessidades do povo. Cá na Rússia temos muitos problemas, muitos semelhantes aos da Ucrânia, embora não tão graves como na Ucrânia. A renda mensal média per capita na Rússia, por exemplo, é 29.700 rublos. Mas na Ucrânia, convertida em rublos, é de 11.900 rublos, quase três vezes menor que na Rússia. A aposentadoria média na Rússia é de 10,700 rublo; na Ucrânia, é de 5.500 rublos – metade da russa. Os veteranos russos da Grande Guerra Patriótica [IIª Guerra Mundial, no ocidente] recebem mensalmente quase o mesmo que o salário médio mensal dos trabalhadores. Em outras palavras, há diferença substancial nos padrões de vida. Nisso, sim, os vários governos dever-se-iam ter concentrado desde o começo. Sim, claro, tiveram de combater o crime, o nepotismo, as gangues e clãs, sobretudo na economia. O povo viu tudo isso e perdeu a confiança no governo em geral.
 
Isso continuou ao longo de várias gerações de modernos políticos ucranianos, que vêm e vão. E o resultado é o povo cada vez mais desapontado, querendo ver sistema novo e novas caras no poder. Essa é a fonte de combustível para os eventos que se veem na Ucrânia. Mas permitam-me repetir: uma mudança de poder, a julgar pela situação, era provavelmente necessária na Ucrânia, mas teria de acontecer por meios legítimos, respeitando, nunca violando, a atual Constituição.
 
PERGUNTA: Sr. Presidente, se a Crimeia fizer um referendo e o povo optar por separar-se da Ucrânia, quer dizer, se a maioria da população da região votar pela secessão, o senhor apoiará?
 
 VLADIMIR PUTIN: O modo condicional não existe em política. Não esqueço essa regra.
 
 PERGUNTA: Yanukovich está vivo? Houve rumores de que teria morrido.
 
 VLADIMIR PUTIN: Estive com ele só uma vez, desde que chegou à Rússia. Aconteceu há dois dias. Estava vivo e bem, e deseja ao senhor uma longa e próspera vida. Ainda corre o risco de apanhar um resfriado no funeral dos que espalham boatos de que teria morrido.
 
 PERGUNTA: Sr. Presidente, que erros, em sua opinião, Yanukovich teria cometido nos últimos meses, enquanto a situação se agravava na Ucrânia?
 
VLADIMIR PUTIN: Prefiro não responder essa pergunta, não porque não tenha opinião a expressa, mas porque me parece que não seria adequado. Vocês têm de entender, que, afinal…
 
PERGUNTA: O senhor tem simpatia por ele?
 
VLADIMIR PUTIN: Não, simpatia não, outros sentimentos. Quem esteja no governo carrega imensa responsabilidade como chefe de estado, têm direitos e também obrigações. Mas a maior obrigação é fazer acontecer o desejo do povo que o elegeu, agindo pela lei, conforme a lei. E temos de analisar também se ele fez tudo que a lei e os eleitores lhe deram poder para fazer. Analisem vocês mesmos e extraiam suas próprias conclusões.
 
PERGUNTA: Mas quais são os seus sentimentos? O senhor disse “simpatia, não, outros sentimentos”. Que sentimentos, exatamente?
 
 VLADIMIR PUTIN: Conversamos depois.
 
PERGUNTA: Algumas questões antes, o senhor disse que temos de sinalizar claramente para o povo do sul e do sudeste da Ucrânia. O sudeste, sim, compreende-se. Mas…
 
 VLADIMIR PUTIN: Temos de expor claramente nossa posição, de fato, para todos.
 
 Temos que ser ouvidos por todo o povo da Ucrânia. Não temos inimigos, na Ucrânia. Já disse e repito, que a Ucrânia é país amigo. Sabem quantos vieram da Ucrânia para a Rússia, ano passado? 3,3 milhões de pessoas. Desses, quase 3 milhões vieram para a Rússia para trabalhar. Trabalham aqui – cerca de 3 milhões de pessoas. Sabem quanto dinheiro mandaram para casa, na Ucrânia, para sustentar a família? Calculem o salário médio, vezes 3 milhões. São bilhões de dólares, uma contribuição importante para o PIB da Ucrânia. Não é brincadeira. São todos bem-vindos. E entre esses ucranianos que vêm trabalhar na Rússia, muitos são também do oeste da Ucrânia. Aos nossos olhos, são todos iguais, todos nossos irmãos.
 
PERGUNTA: Era exatamente o que eu queria perguntar. Estamos ouvindo muito sobre o sudeste da Ucrânia, atualmente, o que é compreensível, mas há russos étnicos e falantes de russo vivendo também no oeste da Ucrânia, e a situação deles é, provavelmente, ainda pior. Provavelmente não podem nem levantar a cabeça e são minoria muito rejeitada lá. O que a Rússia pode fazer por eles?
 
VLADIMIR PUTIN: Nossa posição é que, se o pessoal que hoje se diz governo tem esperança de ser considerado governo civilizado, eles terão da garantir a segurança de todos os cidadãos, não importa em que parte do país vivam. Nós, é claro, acompanharemos de perto essa situação. Muito obrigado. 
 

A saudável crítica ao STF

17 out


Vindo para o escritório, muito cedo, passei por uma dessas kombis que vendem hamburguer e bebidas. Havia um punhado de homens consumindo cerveja. Um moralista barato pensaria estar diante de vagabundos, e os condenaria em silêncio, estendendo a condenação ao país inteiro, como sói acontecer a nossos reacionários sem pedigree. Um observador mais atento talvez descobrisse que são trabalhadores, que passaram o final de semana inteiro, em turnos sucessivos, ralando em algumas das centenas de casas de show e bares da Lapa; e que agora, com dinheiro no bolso, descontraem-se e trocam ideias. Cada um sabe o que fazer para conservar a saúde mental: uns se entopem de rivotril, outros bebem cerveja, alguns cancelam a assinatura do Globo.

Estamos sempre julgando os outros segundo nossos padrões, e por isso mesmo sempre cometendo injustiças. Um empregado de escritório, que há trinta anos acorda cedo para ir ao trabalho, de segunda a sexta, terá dificuldade para entender aquele personagem bebendo cerveja às seis horas da manhã numa kombi da Mem de Sá. No entanto, ambos são trabalhadores dignos, pagadores de impostos e cidadãos que contribuem para o nosso desenvolvimento econômico e social. Seria ridículo estabelecer uma hierarquia moral entre os dois.

A Constituição proíbe um magistrado, por exemplo, de “receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades públicas e privadas” e “dedicar-se à atividade político-partidária”.

Já um político vive uma situação diametralmente oposta. O capítulo dedicado aos partidos políticos, na Constituição Federal, é bastante sucinto. Deixa bem claro, porém, em seu artigo primeiro, que eles têm autonomia para adotar “os critérios de escolha e regime de suas coligações eleitorais, sem vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual, distrital ou municipal”. Podem receber recursos financeiros de pessoas físicas, entidades privadas, e tem direito, por lei, a um fundo partidário bancado pelo erário público.

Realidades completamente opostas, que encetam, naturalmente, formas diferentes de pensar.

Outro dia, li um artigo da Teresa Cruvinel, esta sim uma decana em democracia, porque vivenciou durante décadas, como repórter política, a realidade dos partidos, no qual ela explica aos ministros do STF, que não existe esse negócio de “entressafra” eleitoral. Os partidos caçam recursos e batalham eleitoralmente o tempo inteiro. E existe, sim, solidariedade financeira entre eles. Ayres Britto e cia, data venia, demonstraram uma grandiosa ignorância acerca da realidade dos partidos nacionais.

Aqui entra o preconceito contra quem é diferente. Pior, percebe-se uma visão rancorosa contra a democracia. Não se pode amar verdadeiramente a democracia, no entanto, sem ter uma visão benevolente sobre suas entranhas. Nem é o caso de brandir uma supostamente salvadora “reforma política”. Nenhuma reforma política irá “limpar” a democracia de sua característica fundamental: os candidatos e partidos concorrem entre si. Se há concorrência, impõem-se as leis da concorrência, que nenhum “financiamento público exclusivo” irá resolver. Ganha a eleição quem persuadir o eleitor, e para isso concorrerá a qualidade da divulgação. Seja com dinheiro público ou privado, essa qualidade deve ser paga, porque qualquer coisa que envolva mão-de-obra e trabalho, envolve dinheiro.

Sou favorável ao financiamento público de campanha, mas sem proibir o privado. Porque é justamente a proibição que leva ao crime. O pecado nasce da lei, já ensinava São Paulo.

Grande ingenuidade, por sua vez, e os fascismos nasceram, em boa parte, de intenções ingênuas, querer separar totalmente dinheiro e campanha política. Anunciar que “não ganho um real, faço campanha por ideal” é uma verdade muito relativa. Trabalho não existe sem dinheiro, ou sem algum retorno, nem que seja intelectual, ou na forma de benefícios futuros (como defender um candidato que apóia expansão da universidade e, anos depois, ser beneficiado por esta expansão). Seria até engraçado se depois de criminalizar a política e a democracia, houvesse uma campanha (estimulada por nossos mais brutais capitalistas) para criminalizar os benefícios da política. Até um escravo trabalha em troca de alguma coisa, só que na forma de alimentação e moradia. No caso, ele não é livre, e essa é a diferença. Se um jovem trabalha numa campanha sem ganhar nada, é porque seu pai está bancando; ou ele mesmo o faz, com vistas a um ganho futuro, para ele ou para o segmento social do qual faz parte.

Enfim, vivemos um clima curioso de perseguição à democracia, em todos os sentidos. Curioso porque ocorrem ao mesmo tempo em que os valores democráticos são exaltados como se fossem princípios religiosos. Só que democracia não é religião. Tampouco é uma filosofia. Na religião, persegue-se um ideal de fé. Na filosofia, um ideal de verdade. Na política, persegue-se o poder. O valor da democracia, a sua virtude, o que a torna supostamente superior a outros regimes, reside na fonte do poder, conforme consta no Artigo primeiro da Carta Magna:

Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

Não se pode criminalizar o poder. Ele é o insumo básico da política. É pelo poder que se luta. Operários, camponeses, industriais, professores, bancários, empreiteiros, todos querem um naco. A pluralidade política de um país como o Brasil estará sempre assegurada em função dos interesses diversos. Os ministros do STF não podem criminalizar o que é a essência da política: a luta para alcançar o poder e, quando alcançado, mantê-lo. Alguns filósofos, como Schopenhauer, Nietzsche e Espinoza, consideravam inclusive que esta luta é a essência da própria vida, o que eu acho que faz muito sentido.

Toda coisa almeja – na medida em que isso está em seu poder – permanecer em si mesma, diz Espinoza.

Alguns companheiros instruídos e inteligentes têm zombado das fortes críticas que emergem na blogosfera acerca da atuação do Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento da Ação Penal 470. Deveriam, contudo, agradecer, porque estas críticas fortalecem a nossa democracia. Cito novamente o artigo de Teresa Cruvinel, no qual ela menciona o célebre penalista Nelson Hungria: “o Supremo tem apenas o privilégio de errar por último”. Frase bonita, simples e filosófica. Tão diferente do que li hoje na coluna de Paulo Guedes, no Globo, que termina dizendo que os réus petistas foram condenados porque “ofenderam aos deuses do Supremo, e por eles serão punidos”.

Isso é uma brincadeira de péssimo gosto! Não se pode atribuir qualidades divinas, nem como figura de linguagem, a uma entidade republicana.

O fato de haver críticas à atuação do STF é sinal de vitalidade democrática. Deve ser estimulado, e na verdade o que vemos na grande imprensa é um enorme desequilíbrio, porque as opiniões críticas ficam num longínquo segundo plano, enquanto os elogios se tornaram ridiculamente laudatórios. Joaquim Barbosa agora é desenhado por Chico Caruso com uma coroa na cabeça, e o Gois já divulgou o site em que se defende a sua candidatura para a presidência da república em 2014!

A democracia é um regime que comporta alguns riscos e, para ser autêntica e saudável, precisa de cidadãos vigilantes. Toda instituição republicana tem de ser exposta ao contraditório. Neste sentido, e já escrevi bastante sobre isso, acho que os governos petistas acabaram se beneficiando da crítica ferrenha da grande mídia. No entanto, eles se beneficiaram porque a grande mídia, por sua vez, também sofreu críticas, por parte da blogosfera. A mesma coisa vale para o STF. Ele precisa ser criticado, para seu próprio bem. Porque é lamentável que haja desconfiança, em setores importantes da sociedade, de que seus membros se curvaram à pressão política de grupos midiáticos altamente partidarizados.

Não se trata de defender a impunidade. Aí reside, a meu ver, a injustiça daqueles que, achando-se muito descolados, desqualificam os internautas que criticam o STF. É claro que não! Prendam os corruptos, inclusive do PT. Sobretudo do PT! O que tem gerado acerbos protestos não é isso, e sim o estranho discurso dos eminentes juízes, com proselitismos absurdos e delirantes sobre a prática política, dos quais abusam para preencher as lacunas processuais. Ayres Britto, presidente do STF, chegou ao cúmulo de condenar o presidencialismo de coalizão! Me desculpem, mas isso é positivamente ridículo. A Constituição é muito clara: é vetado aos juízes dedicarem-se à atividade político-partidária. E mesmo se não o fossem, criticar levianamente, ou pior, criminalizar, um dos modelos mais difundidos e mais adequados a democracias complexas e de grande porte como o Brasil, é mais do que ignorância. Com todo respeito, excelentíssimos, é cretinice!

O pior é que esses discursos têm unido oposição e sectários num só bloco. Há muita gente que ainda pensa política de maneira maniqueísta, e daí voltamos para o debate propriamente político, no qual o STF, com muita infelicidade, voltou a interferir. Só o meu partido e a minha ideologia são puros, corretos e bons. Esse é o tipo de sectarismo que o STF tem defendido, de maneira inconstitucional. É totalmente contraditório elogiar os feitos do governo Lula e omitir que eles só foram possíveis justamente porque foram realizadas alianças políticas. O PT deixou de ser um partido sectário e fez alianças com outras legendas. A nossa Constituição preza o pluralismo político como um dos seus princípios fundamentais. O que isso quer dizer? Que devemos entender a diversidade ideológica como um fator saudável da nossa democracia. Tanto o cidadão como o partido devem perseguir um conjunto de princípios, mas sem discriminar os que pensam diferente.

Durkhein causou polêmica ao afirmar que o crime é necessário à sociedade, porque, não existissem os grandes crimes, como assassinato e roubo, qualquer tapinha inocente no braço de um colega seria considerado crime capital. Da mesma forma, se todo mundo fosse de esquerda, viveríamos um ambiente radicalizado, onde, sei lá, emprestar 10 reais pra um amigo seria um crime. A esquerda precisa da direita para existir, e vice-versa, porque todo o ser apenas existe refletido em seu contrário, conforme ensina Hegel. Não existisse direita, não haveria esquerda.

Os contrapontos ideológicos integram não apenas a democracia, mas a própria psique humana. Há uma dialética entre liberdade e igualdade, assim como há entre direita e esquerda. Uma ideologia não se aprimora destruindo a outra, mas incorporando-a e formando uma síntese. A utopia da modernidade não é uma sociedade esquerdista, e sim uma sociedade onde os princípios básicos do humanismo, solidariedade, democracia e liberdade, estarão enraizados de maneira definitiva e profunda num regime político de alcance universal.

A crítica ao STF é essencial, todavia, porque acabamos de testemunhar um golpe em Honduras protagonizado justamente pela suprema corte. No Paraguai, o judiciário chancelou, numa decisão instantânea, um golpe parlamentar. A América Latina tem o costume de experimentar “ondas” políticas. Se a onda é o neoliberalismo, então todos os países, da Patagônia ao Rio Grande, elegem partidos neoliberais. Se a moda é eleger presidentes de esquerda, de novo todo mundo caminha junto. Houve um tempo em que os militares derrubaram presidentes em toda a região. É mais que natural que, após dois casos em que as cortes supremas chancelaram deposições relâmpagos de presidentes eleitos, haja um pouco de paranóia entre os democratas brasileiros!

Miguel do Rosário-O Cafezinho

%d blogueiros gostam disto: